07/10/2021 às 08h00min - Atualizada em 07/10/2021 às 08h00min

Identidade

IVONE ASSIS
Desde que se instituiu a infância juridicamente, no mundo, que se aplicam melhorias às leis, para proteger esta categoria. No entanto, todos os dias algo mais absurdo acontece, fazendo-nos crer que o que de fato está faltando não são leis, mas sim, amor, ética e bom-senso humano. Diariamente têm-se casos de crianças que são violentadas de variadas formas dentro de casa. São violências realizadas por aqueles que, em tese, deveriam proteger. A violência não se limita aos ataques físicos, mas também aos graves ataques psicológicos, inclusive aqueles que tentam passar despercebidos, como são os casos da alienação parental e da agressão verbal, os quais provocam graves danos na mente humana, sobretudo quando se trata de criança. Por que isso acontece, não há uma resposta, o que há é uma indignação profunda.

A criança não tem maturidade suficiente para se proteger ou se defender, por isso a proteção é tão necessária. O ideal seria uma proteção familiar, mas, infelizmente, a maior parte dos ataques vem justamente de dentro do ninho. Então, a lei entra em ação, porém a justiça age para cumprir a lei e esta definitivamente não se vincula ao amor. Desse modo, entendemos que, embora necessária e fundamental, a lei é insuficiente; por outro lado, apesar de essencial, somente o convívio familiar também não é suficiente. O ideal é que justiça e família andem alinhadas, de mãos dadas, para que o amor possa comandar todos os estágios e, assim, a vida flua, pois, havendo amor, com certeza, haverá justiça e convívio saudável.

Nesse sentido, a Literatura e a Literatura Infantil são duas aliadas na compreensão e explicação dos fatos, muito embora haja falhas em muitas narrativas. Alguns autores se dedicam mais intensamente ao assunto. Dentre eles, temos Sonia Kramer, com “Direitos da criança e projeto político pedagógico de educação infantil”, um capítulo da obra “Infância, Educação e Direitos Humanos” (2003). Kramer e outros apontam para o cenário da compreensão do que é a criança e o seu viver na escola de ensino fundamental, cujo discurso é não somente dar voz a esses pequenos, mas, sobretudo, ouvi-las. Há uma complexidade neste contexto, cujo resultado implica identificação dos sujeitos.

Flúvia Rosemberg (1985), Sonia Kramer e outros estudiosos da infância dedicam-se a um movimento de inclusão da criança no contexto pesquisa, por entenderem a importância dessa temática na resolução social, haja vista que a criança não tem soberania, mas tem voz presa dentro de si, a qual precisa ser ouvida. Ouvir a criança é arrancá-la do cárcere. Permitir que o olhar da criança seja aberto para o mundo é fazer com que sua voz seja ouvida e, consequentemente, têm-se aí uma ferramenta de defesa para a criança. Pois, tirá-la do silêncio é encorajá-la e, de algum modo, destruir muitos monstros que aterrorizam suas noites.

Embora, alguns autores deixem a desejar na legitimidade da ação em sua escrita, há quem zele desse contexto. Regina Dalcastagnè, em “Vozes nas sombras: representação e legitimidade na narrativa contemporâneo” (2008) afirma: “O que se coloca hoje não é simplesmente o fato de que a literatura fornece determinadas representações da realidade, mas sim, que essas representações não são representativas do conjunto das perspectivas sociais” (p. 4). Levando-nos a ligar a pertinência de sua fala com a preocupação de Rosemberg (1985), isso chama a atenção para nós escritores, no sentido de estarmos mais atentos ao que seja de fato representativo, dando voz à causa, e não ficarmos presos à banalidade e repetição de cenários.

Para Antoine Compagnon (2006, p. 67), “o texto é prisioneiro de sua recepção aqui e agora”, e ainda Compagnon entende a mimesis aristotélica como sendo “a representação de ações humanas pela linguagem”, mas “o que lhe interessa é o arranjo narrativo dos fatos em história” (p. 104). A linguagem adequada propicia identidade.


Este conteúdo é de responsabilidade do autor e não representa, necessariamente, a opinião do Diário de Uberlândia.

 
Tags »
Relacionadas »
Comentários »