06/08/2020 às 16h25min - Atualizada em 06/08/2020 às 16h25min

A educação e a saúde batem à porta

IVONE ASSIS
As datas comemorativas funcionam como um despertador, para lembrar um marco importante. Geralmente, essas datas são muito celebradas nas escolas e no comércio, mas o que se deve saber, de fato, é o significado e a relevância dessas comemorações. Contudo, quanto mais datas, mais o comércio se move, e menos o saber se preocupa. Quando olhamos, especialmente, para o Natal, Dia das Crianças, Páscoa, Dia das Mães e outros, só conseguimos ver pessoas correndo em busca de comprar alguma coisa. No entanto, se perguntarmos o porquê daquela data, teremos respostas vagas (se tivermos). É bom comemorar e trocar presentes, contudo, é preciso celebrar o (e com o) conhecimento. As datas comemorativas servem como registros históricos, e devem estar mais atreladas à informação do que ao consumo.

A automatização nas datas comemorativas se tornou um cumprimento de trabalho nas escolas e um motivo de marketing no mercado. E no mesmo compasso, a sensatez foi se perdendo, e já não se “cultua” a data, dissertando ou, simplesmente, narrando sobre ela. É por meio de pequenas ações que criamos cultura e desenvolvimento, em especial, no âmbito escolar. Desse modo, as datas comemorativas poderiam ser, dentro do projeto pedagógico, a chave que abre o portal da formação dos cidadãos críticos, aqueles que, engajados no meio social, se tornam cidadãos atuantes em suas comunidades, a fim de crescerem intelectualmente, para desbravar em suas áreas de modo consciente e participativo.

Pensando nisso, chamo a atenção para o fato de que no dia 4 de agosto é o Dia da Campanha Educativa de Combate ao Câncer, 5 de agosto é o Dia Nacional da Saúde, e hoje, dia 6 de agosto, é o Dia Nacional dos Profissionais da Educação, promulgado em 2014, pela a Lei Federal nº 13.054. Essa data merece ser brindada com estudos e reconhecimentos do valor que se têm estes profissionais, da educação escolar básica ao pós-doutorado. Ainda ouso enfatizar, principalmente os professores das séries iniciais. Pois, são eles quem ensinam a criança as primeiras aventuras com a palavra escrita. Todo e qualquer profissional no mundo passa primeiro pelas mãos do professor fundamental, e isso, nem de longe, acontece por meio de ensino à distância. É por isso que chama fundamental. Diferente dos anos finais, quando o aluno já consegue voar.

Esta lei reconhece como Profissionais da Educação professores da educação escolar básica ao pós-doutorado, com diplomas em diferentes áreas. Todos em prol do saber, do pensar e do agir. Educar vem do latim Educere, que significa “orientar, desenvolver... conduzir para fora”, ou seja, preparar o sujeito para os seus próprios enfrentamentos. O educador é o sujeito indicado para ensinar para além do ler e escrever. É preciso interpretar.

Sobre a Saúde, somente neste 2020, até agora, já se somam mais de 4.870.000 mortes por câncer, abaixo apenas das mortes por doenças transmissíveis, que somam, no mesmo período, mais de 7.708.200; e abaixo da fome, que até agora já ceifou mais de 6.640.800 vidas neste ano.

Mas nós, enquanto indivíduos, podemos mudar parte desta realidade a partir da mudança de hábitos. São pequenas atitudes que fazem toda a diferença. E assim, evitaremos super lotação no Sistema de Saúde e o mais importante, promoveremos o bem estar. As campanhas educativas de saúde propiciam informações e nós também devemos fazer a nossa parte, procurando ter uma alimentação saudável, evitando vícios, fazendo atividades físicas, tomando vacinas e, claro, estando de bem com a vida. Alegria promove bem viver, que promove saúde, que promove a vida. Sorria mais, o sorriso cura tristeza. Leia livros, o livro abre a mente para as possibilidades. Brinque, as brincadeiras promovem a alegria. Perdoe, porque o rancor causa doenças. Ame, o amor traz felicidade. E a felicidade é condimento de saúde. Isso é viver. Então, seja feliz. É de graça, e previne contra muitas enfermidades. A educação e a saúde batem à porta.




Este conteúdo é de responsabilidade do autor e não representa, necessariamente, a opinião do Diário de Uberlândia.



 
Relacionadas »
Comentários »