25/01/2020 às 08h31min - Atualizada em 25/01/2020 às 08h31min

Epitáfio titânico

JOÃO BOSCO
Eu sempre me proponho a andar pelas ruas com ares de felicidade. Numa dessas andanças, me senti falso. Cuidei-me logo de falsear a falsidade. Pus-me a assoviar um improviso. Estado em que me fez ver o lixeiro, o padeiro, o balconista, o camelô, o cachorro de rua, o urubu urbano, enfim, a cidade. E que bonita cidade! Tão dinâmica e massificada. De gente inteligente. De gente indigente. Com seus órgãos a funcionar: bancos, lojas, bares, jogos e toda a sorte de semoventes: carros, ônibus, motocicletas.

O meu assovio, por horas, tomou um ritmo alegre e eu me senti leve como uma pluma de paineira a flutuar bem alto, e depois despencar num bailado suave até cair na sarjeta e ser substituída por uma imagem de uma “vaga humanidade” — conforme Eça — , a  fervilhar  e a ofegar, no meio dos gases e ruídos  “na busca  dura do pão, ou sob a ilusão do gozo”.  Imagem suficiente para cair na realidade, virar o disco e assoviar aquele infalível epitáfio titânico: “ devia ter amado mais, brigado mais... e sabe por que, meu caro?  Claro que você sabe!

*O conteúdo desta coluna é de responsabilidade do autor e não representa, necessariamente, a opinião do Diário de Uberlândia.









 
Tags »
Relacionadas »
Comentários »