26/03/2020 às 10h17min - Atualizada em 26/03/2020 às 10h17min

Empresário é preso por preço abusivo na venda de álcool em Uberlândia

Segunda autuação por crime contra a economia popular ocorreu na tarde desta quarta (25); frascos de álcool em gel foram apreendidos

DA REDAÇÃO
Frascos apreendidos foram encaminhados ao gabinete de crise da Secretaria Municipal de Saúde | Foto: PC/Divulgação

A Polícia Civil (PC) prendeu um empresário de 42 anos na tarde desta quarta-feira (25), em Uberlândia, após uma fiscalização com agentes do Procon Estadual que flagrou a venda de álcool em gel com preços abusivos em seu empreendimento. Segundo a PC, o estabelecimento localizado no bairro Luizote de Freitas chegou a lucrar mais de 35% com a venda individual do produto de 1,7kg.

Além da embalagem de 1,7kg, a loja de utilidades que fica na avenida José Fonseca e Silva vendia o álcool em gel de 52g, 420g e 1kg. Os produtos de 52g também foram apreendidos pela polícia, uma vez que foi comprovado por meio da nota fiscal que os lucros chegavam a aproximadamente 26%.

Este é o segundo caso de prisão relacionada à venda de produtos com preços abusivos de álcool em gel na cidade. Ainda nesta quarta, pela manhã, uma farmacêutica de 41 anos foi presa após ser flagrada vendendo o produto com uma diferença de mais de 100% do valor de mercado.

FORÇA-TAREFA
A ação faz parte da força-tarefa da Polícia Civil em parceria com o Procon municipal e o Ministério Público (Procon Estadual), que tem fiscalizado o comércio local desde a última terça-feira (24). 

O percentual de referência para a fiscalização e autuação é quando os preços para o consumidor estiverem em pelo menos 20% acima do que foi vendido pelo fabricante ao varejo. 

As denúncias à força-tarefa podem ser feitas pelo e-mail [email protected] ou pelo telefone (151) e endereço eletrônico do Procon municipal [email protected] A ferramenta Fale com o Procon também está à disposição. 

Além disso, você pode mandar uma foto e endereço do local para o WhatsApp do Diário de Uberlândia pelo número (34) 99860-5002. A denúncia será repassada imediatamente às autoridades competentes para fiscalização.


 

Leia também:
 











 

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »