04/01/2022 às 08h00min - Atualizada em 04/01/2022 às 08h00min

A mudança do maestro

ANTÔNIO PEREIRA
A Banda Municipal com o Barraca
Os filhos do maestro Barraca contam que o prefeito que menos apoiou a Banda Municipal foi o Raul Pereira de Rezende. A gente não conclui se foi apenas desinteresse ou um revide por não ter conseguido mudar o maestro.   
        
Essa coisa, eles me contaram na sauna do Praia Clube, no dia 26 de agosto de 1993.
 
O Raul era da UDN, o Barraca era do PSD.  O prefeito Tubal Vilela, criador da Banda, era também do PSD. Foi o Tubal que buscou o Barraca em Tupaciguara para dirigir a Banda e a Escola de Música Municipal.       
   
Raul resolveu dispensar o Barraca da regência, mantendo-o na Banda, e nomear um músico uberabense (cujo nome não consegui) para dirigi-la. Para o Barraca mandou apenas um bilhetinho, determinando que passasse a batuta para o seu indicado.   
       
O Barraca chiou grosso:            
- Fui nomeado por Decreto, só saio por outro Decreto. Bilhetinho é que não vai me demitir.       
 
Sabendo que o “fulano de tal”, O novo maestro,  ia para a Banda, Vítor Melazzo, foi até lá. Viu coisas estranhas. O Barraca dizendo que só tocaria sob a batuta de quem soubesse mais música do que ele. Percebendo que “fulano de tal” estava ali para substituir o Barraca, o Melazzo se interpôs:     
     
- Pensei que você vinha ajudar o Barraca. Você vem para apunhalá-lo!           
Os músicos, revoltados, foram deixando a sede da Banda, um a um. No fim, vendo a sala vazia, “fulano” reclamou:            
- Eu vim pra dirigir uma Banda, mas como é que eu vou dirigir uma Banda que não tem ninguém.
 
Também foi deixando a batuta e voltando para Uberaba.     
     
Raul deixou a coisa como estava: nem entrou um, nem saiu o outro.
 
Fontes: filhos do Barraca e Guido Bilharinho.

*Este conteúdo é de responsabilidade do autor e não representa, necessariamente, a opinião do Diário de Uberlândia.
Leia Também »
Comentários »