27/11/2021 às 08h00min - Atualizada em 27/11/2021 às 08h00min

Positividade tóxica. Você sabe o que é?

KELLY BASTOS (DUDI)
Bom dia!
Vamos entender?

O termo “positividade tóxica” se refere às pessoas que pregam a ideia de enxergar o lado positivo em praticamente tudo, o tempo todo, e a qualquer custo.

Embora pareça algo sedutor, trata-se de uma dinâmica prejudicial, já que, ao negar sentimentos, sobretudo os desconfortáveis, se está reprimindo também as emoções. Infelizmente, toda a emoção reprimida, tais como raiva, tristeza, inveja, por exemplo, tende a despontar de alguma maneira ou outra, aqui ou ali. 

Acontece que pensar positivamente de forma exagerada e enxergar sempre “o lado positivo”, leva o indivíduo a negligenciar os aspectos negativos da vida. 

O papo do “não se deixe abalar” tem consequências maiores a longo prazo, do que buscar resolver as questões pendentes.

Qual a causa da positividade tóxica?
Pessoas que se escondem num otimismo constante vivem sob uma pressão auto imposta pela positividade constante, sentindo-se incapazes de vivenciar momentos de dor. 

Emoções são sentimentos transitórios e, por vezes, transparecem qualquer desconforto emocional e, por encará-los como sinônimo de fracasso, adota um caminho muito mais sedutor: nega o sentimento sobre o acontecimento, mas não o fato em si. 

Isso porque, a vergonha de não estar bem a faz sentir-se inferior às pessoas mais “felizes” que ela. Já que, claro, considera a infelicidade um sinal de falta de competência, como se a felicidade dependesse de ser menos ou mais talentoso e inteligente.

Outro motivo para negligenciar os aspectos positivos e os vivenciá-los da melhor forma, é o fato de ser mesmo “doloroso” e, para não ter que lidar de forma imediata, diminui a importância até esquecer. Infelizmente, a longo prazo, esse comportamento, que parece apenas amortecer, tende apenas a aumentar os problemas.

Além disso, pessoas que vivem sob a positividade tóxica acreditam que as falhas são responsabilidades somente deles, o que alimenta a sensação de que têm poder total do rumo da sua vida.

Ampliado em muito na era das redes sociais, o discurso de positividade e felicidade constantes é igualmente prejudicial para quem o pratica e, ainda mais prejudicial, para quem consome, visto que algoritmos tendem a juntar esse conteúdo aos seus públicos. Não raro, o público-alvo não tem discernimento correto entre o que é real e o que é positividade tóxica do seu ídolo na web.

A economia de mercado estimula a ideia de que trabalhar arduamente nos traz felicidade, já que nos leva a alcançar nossos objetivos. 

A mesma lógica  mantém a engrenagem financeira, colocando os adultos produtivos a sonhar e produzir, mas, por outro lado, supervaloriza a responsabilidade individual. Isso porque, o sucesso e o fracasso são multideterminados, ou seja, não depende, nem nunca dependerá, unicamente de uma pessoa em todas as suas capacidades.

O que determina essa equação pode ir desde classe social até a mais pura sorte.

Empatia e positividade tóxica
Como sentem vergonha de expor emoções negativas, a positividade tóxica causa grande dificuldade ao indivíduo na busca de ajuda de amigos, familiares ou profissionais. Para não enfrentar esse “vexame”, fingem não passarem pelas angústias mais triviais.

Entretanto, os sentimentos negativos devem ser entendidos desde sua origem e aceitos. 

Em suma, vivenciar e entender os sentimentos negativos é a única forma de exercitar empatia, além de ajudar no caminho para um ser humano mais maduro emocionalmente.

Bom fim e boa semana.

Fonte: psiquiatraportoalegre


*Este conteúdo é de responsabilidade do autor e não representa, necessariamente, a opinião do Diário de Uberlândia.




Relacionadas »
Comentários »