16/10/2021 às 08h00min - Atualizada em 16/10/2021 às 08h00min

Síndrome da Cabana: o que é e como afeta as pessoas?

KELLY BASTOS
Bom dia!
 
Dia desses, esse tema veio à tona, em uma roda de amigos, e resolvi trazer aqui. Você sabe do que se trata?
 
Segundo os especialistas, “A síndrome da cabana é um distúrbio psicológico que gera muitas controvérsias no meio científico. Os primeiros relatos associados a ela remontam aos anos de 1900, época em que muitos trabalhadores norte-americanos passavam longos períodos em suas cabanas esperando o inverno acabar e, ao fim dessa estação, tinham dificuldade de retornar ao convívio social.
 
Hoje, sabemos que a pandemia e saúde mental têm relação, e os impactos disso podem ser sentidos em toda população. Mas qual será a ligação entre a pandemia e a síndrome da cabana? Quais são os sintomas e como tratá-la? Neste post, que contou com a colaboração da Dra. Luciana Mancini Bari, médica do Hospital Santa Mônica, além de entender melhor o que é essa síndrome, vamos trazer as respostas para as principais perguntas envolvendo o assunto. Tais informações são fundamentais para entender como a ansiedade e as emoções impactam nossas rotinas neste período tão complexo que estamos vivendo. Acompanhe!
 
O QUE É SÍNDROME DA CABANA?
A síndrome da cabana não é considerada uma doença. Ela se trata de um fenômeno natural do nosso corpo que está relacionado a mudanças bruscas na rotina ou no comportamento. Tal síndrome surge quando a pessoa precisa se adaptar a uma nova realidade de forma rápida e, geralmente, sem que ela tenha total controle da situação.
 
Ou seja, o indivíduo se vê em uma circunstância na qual é obrigado a sair da sua “zona de conforto” de maneira abrupta, adequando-se a um contexto diferente e, muitas vezes, incerto. Essa transformação causa alterações significativas nas emoções e no modo de agir. Entretanto, a síndrome da cabana não pode ser confundida com problemas como depressão, ansiedade e consumo de álcool ou outras substâncias afins.
 
Por tal razão, sempre que você sentir uma alteração intensa no seu comportamento ou no de pessoas próximas, a recomendação é buscar o suporte de um profissional da saúde. Apenas uma avaliação médica poderá identificar se você está vivenciando a síndrome da cabana ou se existem outras patologias e diagnósticos associados à sua situação.
 
SINTOMAS
Alguns especialistas da área de saúde relacionam a síndrome da cabana com a síndrome do pânico. A diferença fundamental é que, na segunda, o indivíduo só se sente seguro isolado, enquanto que, na primeira, é o isolamento que leva a pessoa a ficar angustiada. Entre os principais sintomas de quem está com síndrome da cabana, alguns chamam mais atenção. A seguir, destacamos os principais relatos vinculados ao problema: sentimento de angústia; perda ou ganho de apetite; inquietação; falta de motivação; irritabilidade; dificuldade de concentração; dificuldade para dormir ou excesso de sono; desconfiança das pessoas; tristeza persistente; taquicardia; sudorese; tontura; falta de ar.
 
Vale destacar que muitos desses sintomas podem indicar outros problemas relacionados à saúde mental. Por isso, é fundamental reconhecer o que você está sentindo e o quanto tais sentimentos estão afetando a sua vida para, então, acionar o suporte de um profissional da área de saúde.
 
SÍNDROME X PANDEMIA?
A pandemia da Covid-19 pegou todas as pessoas de surpresa. Muito embora circulassem notícias pelo mundo, ninguém imaginou que a situação chegaria a tal ponto. O isolamento social foi imposto em vários países, e o Brasil foi um deles.
 
Pessoas tiveram de mudar a sua rotina de um dia para o outro, deixando os escritórios e se isolando em suas residências, envoltos de incertezas sobre o que aconteceria a seguir. O isolamento social gerado pela pandemia trouxe e trará inúmeros efeitos na saúde mental das pessoas. E é justamente a necessidade de ficar em casa, isolado, que gera os principais sintomas associados à síndrome.
 
Nesse cenário, a síndrome da cabana se manifestará quando a pessoa, mesmo sem uma ameaça próxima ou imediata, já não se sentir segura fora de casa. Ainda protegida ela tem dificuldade de voltar à rotina. Uma angústia e um medo paralisante a impedirão de manter o seu dia a dia, o que intensifica o problema.
 
COMO PROCURAR AJUDA?
Se você identificar que os desafios estão sendo complicados demais e simples atividades estão mais difíceis de superar no seu cotidiano, então é hora de buscar a ajuda de uma equipe multidisciplinar. Além de fazer um diagnóstico adequado, os profissionais vão acompanhar a sua evolução, mostrando como lidar com sentimentos e pensamentos que o paralisam.
 
O momento é delicado para todas as pessoas, e os efeitos da pandemia ainda devem ser sentidos por um longo período de tempo. Precisamos nos adaptar à realidade que nos foi imposta e estabelecer formas de conviver com a situação.
 
Mesmo voltando à rotina liberada, às vezes essa sensação ainda permaneça. Fique atenta (o).
 
Bom fim e boa semana!
 
Fonte: https://hospitalsantamonica.com.br
 
 



Este conteúdo é de responsabilidade do autor e não representa, necessariamente, a opinião do Diário de Uberlândia.
Tags »
Relacionadas »
Comentários »