28/08/2021 às 08h00min - Atualizada em 28/08/2021 às 08h00min

Assédio no trabalho: Como lidar?

KELLY BASTOS
Bom dia!

O assédio no trabalho é, infelizmente, uma realidade muito recorrente no universo corporativo. Ele acontece tanto no sentido moral, quanto sexual, e pode afetar expressivamente a saúde mental da vítima, levando-a inclusive ao pedido de demissão.

Porém, este não precisa ser o único rumo. É possível tomar algumas atitudes que impeçam o agressor de seguir adiante com suas atitudes, além de tomar medidas judiciais para lidar com o problema. E para lhe ajudar dessa maneira, fizemos este guia com informações importantes para você, acompanhe.
Quais são os tipos de assédio no trabalho.

Lembre-se que o assédio no trabalho não diz respeito apenas às questões sexuais. Mas sim, podem estar atreladas a questões morais. Sendo assim, se você se sente intimidada, sofre bullying, exclusão e humilhação, você também está sofrendo assédio! E, portanto, precisa tomar as atitudes que discorreremos neste texto de hoje.

Sendo assim, atente-se para as características do assédio.

Assédio no trabalho de cunho moral: Intimidação, humilhação, exclusão, dentre outras atitudes deste cunho podem ser consideradas como assédio moral.
Assédio sexual: Toques no corpo, elogios desagradáveis, comentários de cunho sexual e outras atitudes neste sentido são consideradas assédio sexual.
Um bom termômetro para compreender se você está sofrendo assédio no trabalho é o seu conforto diante das situações corriqueiras. Se há grande desconforto, pode ser um sinal de alerta para a situação.

Como lidar com o assédio no trabalho? O que fazer neste tipo de situação?
O assédio no trabalho nos coloca em uma situação muito complicada, porém, requer atitudes de nossa parte que possam apartar o problema e cortar de vez com as atitudes do agressor. Veja abaixo as nossas 6 dicas sobre o assunto:

Estabeleça limites claros
O primeiro passo é tentar “cortar o mal pela raiz”. Para isso, você precisa ser assertiva quanto aos comportamentos do seu chefe ou colega que possam estar ultrapassando limites confortáveis.

Seja clara e precisa, apontando que tipo de comportamento do agressor lhe provocou desconforto. Fale sobre o assunto diretamente com ele, demonstrando assertividade e segurança na fala. Ele precisa estar ciente que determinada atitude não é adequada para o ambiente corporativo.
Vale destacarmos que este “corte” deve acontecer o quanto antes, pois isso dará mais margem para a firmeza em sua colocação. Aponte o comportamento e ordene que o mesmo não se repita.

Documente os episódios de assédio e verifique se há alguma testemunha
É muito importante que você encontre uma forma de provar o que está acontecendo. Sabemos que pode ser um tanto difícil, tratando-se de assédio no trabalho, mas se você tiver conversas, áudios, e-mails ou qualquer tipo de documento neste sentido, salve com segurança e armazene apontando a data e o horário do ocorrido.

Quando acontecer pessoalmente, anote o horário, o cunho do assédio e o local. Verifique se há testemunhas em sua volta e conte com elas para que a situação seja documentada de maneira judicial.

Assim, caso o agressor não recue em suas atitudes abusivas, você poderá entrar em contato com autoridades e até mesmo com o próprio RH da empresa, requerendo que atitudes sejam tomadas de maneira corretiva.

Converse com o RH da sua empresa e apresente as provas
Se os dias passarem e o assédio no trabalho persistir, é hora de você agir de uma maneira mais “punitiva” e precisa. Para isso, utilize os documentos que você armazenou no passo anterior para levar ao RH da sua empresa.

Apresente  todas as circunstâncias e conte com a ajuda de testemunhas para provar o que você está relatando. É preciso ter coragem e enxergar o porquê da sua atitude, a fim de não sentir desconforto e não querer voltar atrás.

Outra medida que pode acontecer antes de ir diretamente no RH, é conversar com o supervisor direto do agressor. Da mesma maneira, será necessário apresentar as provas e os documentos que você uniu. Se possível, conte com o auxílio de alguém de confiança para lhe acompanhar, a fim de lhe dar o suporte e o conforto necessário para enfrentar a situação.

Lembre-se que, infelizmente, este tipo de situação é muito comum, e você não está sozinha na batalha contra o assédio no trabalho. Mas, se todas nós unirmos as nossas forças, poderemos melhorar o mundo em nossa volta. Pense nisso!
Bom fim e boa semana
 
Fonte: nadafragil.com.br
 
 
 Este conteúdo é de responsabilidade do autor e não representa, necessariamente, a opinião do Diário de Uberlândia.
Tags »
Relacionadas »
Comentários »