03/08/2021 às 09h00min - Atualizada em 03/08/2021 às 09h00min

A gincana gorada

ANTÔNIO PEREIRA
Antigamente, uma juventude sadia enchia as ruas da cidade com disputas alegres que divertiam muita gente. O Clube Ciclístico Uberlândia patrocinava acirradas disputas em que tomavam parte João Marra, Vinicius, Duca, Manteiga, Zé Arraia, Sementeira, Bolivar, Salinzinho (Suaid), Izídio, Zezinho, Chiquito, Zé Domingos e outros.

O Uberlândia Moto Clube realizava animadas gincanas. Festas que ocorreram nos anos 50 e 60 passados.

A primeira gincana realizou-se em 1957, no Praia Clube, patrocinada por Irmãos Garcia. Quem a venceu foi o casal Aldair Cardoso e Elza Teixeira de Freitas. Seguiram-se, até o quinto lugar, os casais: Álvaro Silva Jr. e Márcia Bastos, Farid Hubaide e Magda Zago, Sebastião Magnino e Márcia Macedo e Ricardo Magnino e Marlene Crosara. Na lanterninha, em 30º lugar, ficaram Hamilton Garcia e Miriam V. Gonçalves.

Eram promoções esportivas divertidas que enchiam ruas e praças.

Depois desse animado início, várias gincanas se promoveram quase todas organizadas pelo Uberlândia Moto Clube.

Havia na 3ª Cia do BTL de Caçadores, um tenente (ou aspirante, não me lembro bem) diferenciado. Andava na onda da Jovem Guarda. Cabeludo. Nunca tinha visto militar cabeludo. Até aí tudo bem. Não é o cabelo que faz o caráter de ninguém.
Era 1967. Domingo. A praça Tubal Vilela amanheceu festiva. Cheia de gente, cordas cercando as ruas, impedindo o trânsito e motocas roncando, doidas para dispararem.

Eu morava na travessa Cascalho Rico. Bateram à minha porta. Era o prefeito Renato de Freitas. Eu era seu Secretário de Ação Social e de Administração.

- Antôin (ele me chamava assim)... você autorizou alguma gincana na praça Tubal Vilela?
Até assustei. Nunca pensei que pudesse ter tal competência.
- Não, senhor.
Foi à casa de todos os seus secretários e funcionários de nível semelhante. Ninguém tinha autorizado nada.
Quem comandava a festa era o tenente cabeludo.
Renato subiu à Tubalina. Procurou o comandante e fez-lhe a mesma pergunta. É claro que o comandante, apesar da época excepcional, nunca se intrometeria na competência do prefeito. Não tinha autorizado nada.
Renato voltou à praça Tubal Vilela, procurou o jovem militar.
- Você que está organizando isto?
- Sim.
- Eu sou o prefeito Renato de Freitas. Pode parar agora com isso aí.
E o carinha parou.

Fontes: Revista Praia Clube de 31/12/1957, Revista Elite Magazine de outubro de 1959 e Revista Uberlândia Moto Clube de março de 1960.


Esta coluna é de responsabilidade do autor e não representa, necessariamente, a opinião do Diário de Uberlândia.
 
 
Relacionadas »
Comentários »