22/06/2021 às 08h00min - Atualizada em 22/06/2021 às 08h00min

Coisas da farinha podre

ANTÔNIO PEREIRA
O padre Antônio José da Silva, mais conhecido na História como Vigário Silva, nasceu em Ouro Preto, não se sabe quando. Morreu no Rio de Janeiro em 1858.

Foi para Uberaba como Vigário Encomendado em 1815. Em 1825 foi nomeado Vigário Colado da Matriz e aí permaneceu até 1855. Entre 1837 e 1843 foi Agente Executivo (Prefeito) de Uberaba e deixou uma obra valiosa.

Entre 1824 e 1826 escreveu a “História Topográfica da Freguesia do Uberaba – vulgo Farinha Podre” – que só foi publicada em 1895, muitos anos depois de sua morte. É um dos documentos mais antigos sobre a história do Triângulo Mineiro. Aí, ele conta as aventuras do sargento-mor Antônio Eustáquio da Silva, um furador do sertão, nomeado em 1809, Comandante Regente dos Sertões da Farinha Podre.

Sua obra faz uma síntese da história de Uberaba até 1820, mais ou menos. Fala dos animais existentes, das florestas e das árvores, dos rios, das povoações e dos portos.

O sargento-mor Antônio Eustáquio da Silva promoveu duas incursões pelos sertões, rumo ao pontal do Triângulo, pontilhadas de perigos pelos animais, pelas doenças, pelas dificuldades em atravessar rios e pântanos, pelos indígenas ainda moradores na zona.

O Vigário Silva conta-nos episódios estarrecedores vividos nessas viagens. Antônio Rodrigues da Costa topou subitamente com uma onça que avançou sobre o cavalo em que estava montado e agarrou o animal com suas unhas e dentes. Não pode usar a espingarda porque no ataque a onça arrancou-lhe o gatilho. Costa, com destreza, defendeu-se com a espada dando algumas estocadas na bicha que fugiu acoitando-se num capão acuada pelos cachorros. Daí a pouco mataram-na a tiros. O fato ensejou o nome de Capão da Onça para o lugar onde foi morta.

Em 1812, Eustáquio fez a segunda incursão. Dessa vez, o famoso padre Hermógenes Cassimiro de Araújo, que montou uma família enorme na região do Sacramento, acompanhou-o. A comitiva foi maior porque, além de levar companheiros da primeira, conseguiu novos participantes, já que o povoado crescera.

Dessa vez, o sargento-mor dormia ao lado do padre quando uma enorme jararacuçu passou por cima dos dois. Percebida, expulsaram-na com a colcha e mataram-na. Conta o sacerdote que, antes de acabar, a cobra picou um cachorro que morreu na hora.


Esta coluna é de responsabilidade do autor e não representa, necessariamente, a opinião do Diário de Uberlândia.
Relacionadas »
Comentários »