20/03/2021 às 08h43min - Atualizada em 20/03/2021 às 08h43min

Quem é você no meio da multidão?

KELLY BASTOS (DUDI)
Sabe? Pode responder ou nunca pensou?
 
Pensemos! Talvez você não saiba qual é o seu diferencial, mas basta observar a multidão para entender o motivo de você nunca ter parado para reparar. Parar para reparar? Com a correria do dia a dia e no meio de uma multidão, a maioria fica despercebida, distraída e sufocada.
 
Segundo a psicóloga Eliana Alves Pereira, “Quando olhamos à nossa volta e percebemos quantas pessoas existem, tantas qualidades, tanta diversidade, podemos nos sentir reprimidos e insignificantes. E aí? Aí, muitos podem se colocar em uma caixinha de isolamento para não incomodar, nem serem incomodados”.
 
“A diferença entre os que se destacam e aqueles que se reprimem é algo bem básico”, diz a profissional. “Ousadia. Ousar quando tudo parece desmoronar, quando não parece ter motivos para continuar, quando todos dizem para você não prosseguir ou que não vai conseguir.
 
A ousadia é o passo que te livra de bloqueios mentais e físicos. A multidão não quer que você se destaque mesmo, até porque você conseguirá chegar a lugares desejados por outras pessoas e se você não ousa alcançar esses objetivos, ainda há chances da multidão conseguir.
 
Nessa corrida você precisa se esforçar. Há pessoas que sonham o mesmo que você e, às vezes, só terá uma vaga para 500 candidatos, e aí? Você vai fugir, se reprimir ou dar o seu melhor? Enquanto você se reprime, há outros passando na sua frente e tomando a sua oportunidade”.
“Será que você não tem se colocado em uma posição inferior à multidão esse tempo todo?”, pergunta a nossa consultora.
 
E vejam só o que a psicóloga nos alerta: “Olhar sempre a conquista do outro e esquecer as suas, te faz cada vez mais inseguro. Talvez hoje você se sinta insuficiente de tanto analisar a multidão. Eu não sei como você tem olhado para o mundo, se é com compreensão ou fúria, mas posso te dizer que, enquanto você só pensar no mal, só verá o mal.
 
Os pensamentos negativos te seguirão o tempo todo, impossibilitando de vislumbrar as infinitas possibilidades boas da vida. Como fazer boas escolhas, como aprender sobre as suas qualidades e seus defeitos se você só foca na multidão? Você precisa se desconectar para se conectar.
 
É clichê, mas é extremamente importante que você pare para conhecer a sua identidade. “Seja um ser ímpar, não seja mais um ser na multidão de bilhões, seja o exemplo, seja a referência para o mundo e para as pessoas, saia agora mesmo da sua zona de conforto e mostre todo seu potencial; o mundo precisa de novos gênios assim como você”.
 
“Mas, para isso, não ouça a multidão. Infelizmente, muitos ouvem a multidão, e deixam seus sonhos, suas metas de lado para viver uma realidade que não é para si. Desviar o caminho para que seja mais fácil, é não ousar.
 
A ousadia é a chave para grandes referências. A ousadia está em pequenas atitudes do seu cotidiano, quando você deixa de fazer o que o outro gosta para fazer o que você gosta. Deixar os outros escolherem no seu lugar. Conseguir dizer não para situações que não te agradam. Conseguir dizer sim para a sua independência”, alerta Eliana Alves Pereira. “Não há motivos para não dar esses passos. É de forma sutil. “Hoje você fala não e quase tem um piripaque por citar essa simples palavra, mas de tanto você insistir que a sua opinião também importa, que deve ser levada a sério, uma hora será mais fácil e menos dolorido tomar atitudes que te destaquem na multidão”.
 
“Você vai continuar sendo influenciado ao invés de ser referência? Chegou a hora de focar nos seus objetivos e não deixar que nada te impeça de vivenciá-los”. “Pare de ficar escondendo a sua personalidade pensando no que vão falar, em como a multidão irá reagir. É seguro não sair da sua zona de conforto, mesmo que ela seja ser ninguém. O ninguém não é cobrado, não é criticado, afinal não é notado. Se você não quer ser criticado, eis a solução: Não faça nada, não fale nada, não seja nada.”
 
“Lembrando que, quando você se coloca na sua caixinha de isolamento, passa o tempo todo não gostando quem você é e fantasiando quem gostaria de ser. A maior tortura psicológica consigo mesmo. É triste viver algo que não era aquilo que você gostaria, mas é pior ainda não fazer nada para mudar a realidade em que se encontra”.
 
“Finalizando, se conheça e se exponha. Ser sincera (o) com os outros abaixando a guarda e mostrando que você tem qualidades sim, diferenciais sim é o que te fará ser lembrada (o). Conheça os seus pontos positivos e trabalhe para que eles sejam ressaltados e acessíveis. Não somente escondido para você”.
 
“Saia dessa bolha e viva. Seja única (o) com os seus diferenciais, não negue a sua personalidade e só assim você será um destaque na multidão”.
 
Bom final e boa semana!


Este conteúdo é de responsabilidade do autor e não representa, necessariamente, a opinião do Diário de Uberlândia.
Relacionadas »
Comentários »