17/10/2020 às 08h00min - Atualizada em 17/10/2020 às 08h00min

Rosa

IARA BERNARDES
Já dizia a música do Aerosmith: “Pink it's my new obsession ... Pink it was love at first sight...”. Outubro chega e vemos vários locais “vestidos” de rosa, mas você sabe o motivo? Outubro rosa é uma campanha que teve início na década de 1990 pela Fundação Susan G. Komen for the Cure, em Dallas, Texas. Comemorada anualmente e mundialmente, a campanha visa promover a conscientização e prevenção ao câncer de mama, primeira causa de morte por câncer entre as mulheres. Com isso, empresas, laboratórios, clínicas médicas, postos de saúde e instituições ligadas à saúde e bem estar das mulheres realizam diversas ações que vão desde descontos em produtos e serviços a mutirões de exames e palestras informativas e motivacionais. Então é hora de aproveitar tantos benefícios, além de procurar seguir o movimento e conhecer mais dessa e de outras doenças que acometem milhares de mulheres, causando morte precoce.

Servindo-me do momento, conversei com ginecologista Drª Thea Pacheco para saber um pouco mais sobre o autoexame e a necessidade de cuidados regulares na prevenção e diagnóstico precoce do câncer de mama e outras doenças que são descobertas no consultório ginecológico.

Muitas mulheres não sabem fazer o autoexame de mama. Até que ponto ele é fundamental para o diagnóstico de câncer de mama e o grau de assertividade?
O autoexame é essencial pelo menos uma vez ao mês e, se possível, logo após o período menstrual. Através dele a mulher não irá fazer o diagnóstico de câncer de mama, mas com certeza irá saber informar ao médico detalhes sobre algo diferente que está acontecendo, mesmo que de forma inespecífica.

Qual a frequência ideal para consultas e os exames de rotina das mulheres?
Consultas e exames de rotina devem ser realizados anualmente.

Ainda existe tabu acerca dos exames ginecológicos de rotina?
Não diria que há tabu, mas um medo de descobrir algum problema grave. Porém, é extremamente importante saber que a detecção precoce de qualquer patologia feminina apresenta melhores prognósticos de tratamento

Fala-se muito em câncer de mama, mas, atualmente, qual a doença mais frequente diagnosticada no exame clínico?
O câncer de mama não é diagnosticado no exame clínico, mas sim através de biópsia. Durante a consulta é possível a suspeita de diversas outras patologias que podem estar presentes no organismo feminino: vulvovaginites, endometriose, infertilidade, trombofilias, síndrome de ovários policísticos, dentre outras.

Após conversar com a Drª Thea, fiquei me perguntando sobre a frequência com que as mulheres têm acesso a essas informações e qual o poder das campanhas em massa na saúde pública. Sempre me considerei uma mulher bem informada, mas confesso que nunca realizei um autoexame, não sabia da sua importância e nem como realizar. Pressupomos que por haver tanta informação disponível estamos bem informados e não é bem assim. A necessidade é muito maior que informar. É necessário provocar significado naquilo que se fala, explicar o motivo e exemplificar, afinal, só conseguimos absorver o que nos causa impacto, emoção e que mexe com nossos nervos ou nos causam frio na barriga.

Sendo assim, fica meu recado para todas as mulheres. Que você esteja atenta ao seu corpo, à sua mente e ao que eles te comunicam de maneira silenciosa. Passe a se observar, a conhecer o templo em que você habita. Procure sempre identificar os sinais que recebe do seu organismo. Isso não significa que deva ficar paranoica à procura de moléstias, mas que você deve se silenciar para poder se ouvir, mesmo que precise se ausentar um pouquinho de tantas tarefas diárias que insistimos em nos imputar.


*Este conteúdo é de responsabilidade do autor e não representa, necessariamente, a opinião do Diário de Uberlândia.


 
Relacionadas »
Comentários »