21/08/2020 às 17h52min - Atualizada em 21/08/2020 às 17h52min

Religião nas escolas?

WILLIAM H. STUTZ
De polêmica em polêmica, mais uma à vista. Ensino religioso deve ou não ser curricular em nossas escolas públicas? Particularmente fico preocupado quando se propõe tal obrigatoriedade.

Nosso Brasil é um país com as mais diversas influências de crenças, uma verdadeira salada de religiões, repleto de belos exemplos de sincretismo, alguns criados por força das amargas circunstâncias do momento, como a dos sofridos escravos obrigados a renomear suas divindades com nomes dos santos católicos para poderem referenciá-los sem o risco de severas punições. Outros criados com objetivos um tanto quanto pouco explicados.

Fico na minha leiguice a imaginar como seria a grade curricular de tal matéria.

- Crianças, hoje vamos falar sobre a religião Judaica, amanhã abordaremos o Cristianismo em suas multifacetadas formas de manifestação: um período dedicado ao Catolicismo, outro muito, mas muito longo e mutável, dedicado às várias formas de manifestações evangélicas. Semana que vem Islamismo, e não esqueçam de estudar para o exame final a doutrina Espírita, o Budismo, o Hinduísmo, o Zoroatrismo e suas dezessete Gathas, e o Taoísmo. No semestre que vem abordaremos apenas as religiões não monoteístas.

Fico, repito na minha leiguice, preocupado. Particularmente não acho que cabe à escola este papel e sim ao convívio familiar, cada um exercendo seu livre direito de crença, de demonstrar seu amor a Deus ou às suas divindades da melhor e mais pura forma que achar justo e perfeito, orientado por sua fé e na eterna benevolência divina e, isso sem a ingerência do Estado que, constitucionalmente é e deve ser laico, pois como bem disse o professor e jornalista Daubi Piccoli: "Justiça à multiplicidade de etnias e à diversidade religiosa seria feita respeitando-se a lei, vide constituição Federal/88 - Art. 19".

Agora, se o ensino religioso nas nossas escolas públicas tivesse o escopo de mostrar a ampla diversidade de crenças e suas formas de manifestação, se viesse com o objetivo de se promover a tolerância, o respeito às diferenças, a possibilidade de convivência harmônica entre os povos e jamais vir acompanhado de caráter doutrinário e tendencioso, bom, aí, na minha, repito pela terceira vez, leiguice, ponderaria.




Este conteúdo é de responsabilidade do autor e não representa, necessariamente, a opinião do Diário de Uberlândia.
 
Relacionadas »
Comentários »