21/07/2020 às 14h34min - Atualizada em 21/07/2020 às 14h34min

Tabajara não aceitou terceiro lugar

ANTÔNIO PEREIRA
No Carnaval de 1977, a Escola de Samba Tabajara, do bairro do Patrimônio, inconformada com o resultado do desfile, reagiu de modo irreverente e ofensivo, numa espécie de revide ao que julgou injustiça.

Foi um Carnaval tumultuado.

A Tabajara tinha ensaiado bastante na chácara do Cláudio Crosara, que ficava na margem esquerda do Uberabinha, em frente ao Praia Clube. Virgílio Galassi era prefeito, em sua segunda gestão.

Desfilaram: Tabajara, Imperiais do Samba, Mocidade Independente, Unidos do Capela e Garotos do Samba. O desfile foi na avenida Afonso Pena. As escolas saíam da praça Oswaldo Cruz e desciam a Afonso Pena até a praça Clarimundo Carneiro. Os quinze membros da Comissão Julgadora foram dispostos em três palanques nos quarteirões centrais da avenida.

A Tabajara atrasou uma hora!

A Imperiais do Samba atrasou outra hora! - e, além disso, desfilou sem puxador de samba e sem cantar. Toda confusa no início, a Imperiais, em razão de suas deficiências, não quis entrar na avenida. Foi preciso o Capitão PM Pedro Caetano, que era o Presidente da Comissão Organizadora da festa, dar um puxão de orelhas enérgico na rapaziada para que a escola saísse.

A Mocidade Independente veio com pouca gente. Parecia um bloco.

Além dessas irregularidades, a Comissão Julgadora também deu sua derrapada: alguns membros só chegaram depois de iniciado o desfile.

Venceu a Unidos do Capela.

A Tabajara não concordou com o resultado. Pegou um terceiro lugar e decidiu, em represália, não desfilar na terça-feira da vitória. Acabou indo, mas recusou-se a receber o terceiro prêmio.

Entrou na avenida e foi tocando o barco. Quando chegou diante do palanque das autoridades, a um apito do Mestre Lotinho, a bateria virou de costas e continuou tocando.

Indignada, a Comissão Julgadora aplicou diversas penalidades sobre a escola rebelde. Foi expulsa dos carnavais futuros, seus diretores proibidos de integrar outra escola em promoções subvencionadas pela Prefeitura e foi condenada a devolver aos cofres públicos os quarenta mil cruzeiros recebidos.

Não sei. Acho que não aconteceu nada. As punições funcionariam como um revide das autoridades, mas o tempo passou, entrou a política no meio e, no ano seguinte, 1978, lá estava de novo a Tabajara na avenida.

Houve, de novo, uma porção de irregularidades.

A Garotos do Samba venceu e a Tabajara, agora dirigida pelo Passarinho, filho do Mestre Lotinho, chegou, de novo, em terceiro lugar. Dessa vez, o velho comandante, Lotinho, achou legal. Foi o que declarou à Imprensa.

E o Carnaval seguiu...
 
 
Fontes: Jornais da época
 



Este conteúdo é de responsabilidade do autor e não representa, necessariamente, a opinião do Diário de Uberlândia.



 
Relacionadas »
Comentários »