24/06/2020 às 07h53min - Atualizada em 24/06/2020 às 07h53min

Ronaldo, fenômeno

ADRIANO SANTOS
Ronaldo Luis Nazário de Lima, o homem da superação. Por incrível que pareça, início do Cruzeiro, Ronaldo do PSV, do Barcelona, da Internazionale, do Real Madrid, do Milan e do Corinthians.

Forjado fenômeno pela imprensa Italiana, viveu seu auge na Itália, arrancadas, dribles e eleito melhor jogador do mundo em 1996, 1997 e 2002.

Do Futsal do Valqueire no Rio de Janeiro, foi cedo ao Social Ramos Clube do Rio, do São Cristóvão ao Cruzeiro das Minas Gerais, profissionalizou logo em 1993.

Ronaldo e o sonho da Copa da França, a convulsão e a amarga derrota que nos deram uma grande derrota sob a tutela de Zidane. O título que praticamente era Brasileiro, mas sem Ronaldo foi vexame.

Ronaldo fenômeno viveu na pele a maior rivalidade Espanhola, atuou tanto no Real Madrid quanto no Barcelona, na Itália Milan e a Internazionale de Milão.

No Barcelona os números foram extraordinários: 47 gols em 49 jogos. Ronaldo manifestou na sua biografia mágoa ao Barcelona, Ronaldo queria valorização.

Pelo Real Madrid, foram 104 gols em 4 anos, e 177 jogos. Ronaldo era estrela de um time com Zidane, Figo, Beckham, Raúl, Roberto Carlos e cia. Campeão logo de início da Liga Espanhola e do Intercontinental de Clubes.

Foram mais 400 gols na carreira, quase 600 jogos como profissional, total de 67 gols pela seleção, mais de 120 jogos pelas seleções de Base e individual.

Ronaldo foi superado como maior artilheiro das Copas, mas como certeza uma marca impressionante. Sempre conviveu com muitas críticas, excesso de peso, fumante, baladas, noitadas, mas muitos gols.

Campeão pela seleção de 2 copas do mundo, em 1994 e em 2002, Copa América em 1997 e 1999, Copa das Confederações em 1997, medalha de bronze na Olimpíadas em 1996.

Artilheiro da Libertadores em 1993, do Campeonato Mineiro em 1994, do Neerlandês em 1994/1995, do Espanhol em 1996, da Copa América em 1999, da Copa do Mundo em 2002, do Espanhol de novo em 2003/2004 e das Eliminatórias em 2010.

Sem dúvida o maior atacante do Brasil. Maior finalizador do Brasil. O Fenômeno.
 
Paixão Futebol!



Este conteúdo é de responsabilidade do autor e não representa, necessariamente, a opinião do Diário de Uberlândia.


 
Relacionadas »
Comentários »