19/12/2018 às 08h32min - Atualizada em 19/12/2018 às 08h32min

Crenças e valores

FERNANDO CUNHA | JORNALISTA E PALESTRANTE
Nossas crenças e valores são tudo aquilo que nos move e nos faz encarar diversas situações, inclusive as mais perigosas, que colocam em risco nossos relacionamentos, uma negociação importante e até mesmo o nosso emprego. Primeiramente, devemos entender que existem valores meio e valores fim. Valores meio nos servem de instrumentos para incorporarmos os valores fim, os quais estão ligados a questões sentimentais ocasionadas pela conquista dos valores meio. Por exemplo: dinheiro é um valor meio que pode nos levar a um estado emocional de segurança, entre tantos outros sentimentos considerados valores fim, como a liberdade, conforto, etc. Seguindo a mesma lógica, a família pode ser um valor meio que também pode nos proporcionar a sensação de segurança. Se determinado indivíduo crê que a liberdade é um valor fim essencial para a vida dele, dificilmente vai encarar um relacionamento sério como prioridade ao ponto de constituir uma família, pois a intimidade pode não ser um valor meio tão significativo assim. A honestidade é um valor intrínseco à maioria dos seres humanos.

Uma simples crença de que estamos sendo enganados já é o suficiente para perdermos a confiança numa determinada relação, seja ela pessoal ou de negócios.
Quando um amigo, cônjuge, colega de trabalho, nosso chefe ou até mesmo a política da empresa em que trabalhamos fere nossas crenças e valores, perdemos, de certa forma, os vínculos afetivos que permeiam essa relação. Isso acontece naturalmente, sem que haja necessidade de pensar e analisar muito sobre a questão. Da mesma forma, quando não conseguimos nos alinhar com os valores da empresa em que trabalhamos ou os clientes que atendemos, não poderemos criar um vínculo mais próximo com eles, pois está fora de sintonia com nossos padrões a com as nossas verdadeiras convicções. Descobrindo quais são os nossos próprios valores e os das pessoas com as quais interagimos, podemos construir relações mais sólidas e aperfeiçoar nossa forma de comunicação em busca de resultados e transformações positivas. Para que possamos nos comunicar melhor com nossos liderados, pares e superiores, seja no ambiente profissional, pessoal, familiar e também no meio social, é importante sabermos identificar e respeitar as crenças e valores das pessoas e alinhá-los com os nossos. 

Mas como descobrir os nossos valores e os das pessoas que fazem parte do nosso dia a dia? A resposta é simples: perguntando! Numa conversa consigo mesmo, pergunte-se: “o que é mais importante para mim?”. Faça o mesmo com os amigos, com os colegas de trabalho, com liderados ou seu cônjuge. Se você tem certa dose de liberdade com seu chefe, pergunte isso para ele. Numa entrevista de emprego, pergunte ao candidato à vaga: “o que é mais importante para você?”. A resposta vai lhe mostrar quem realmente é essa pessoa. Veja como a identificação de crenças e valores pode ser uma ferramenta eficaz também num processo seletivo profissional. Consideremos um pai de família que coloca a esposa e filhos em primeiro lugar em sua escala de valores. Dificilmente terá vontade para assumir um cargo que exija disponibilidade para viagens constantes pela empresa. Talvez ele até aceite o emprego por necessidade, mas não será um funcionário realizado, pois as exigências do trabalho irão minar a sua principal fonte de prazer, que é estar com a família. Importante lembrar que os valores são mutáveis. Os acontecimentos da vida podem transformar a maneira como enxergamos e valorizamos as coisas.

Na maioria das vezes, defendemos nossas próprias crenças e valores e não nos importamos com as convicções de nossos interlocutores. Esse comportamento é altamente destrutivo, pois comunica às outras pessoas que não nos importamos com o que elas pensam e sentem em relação à vida e a nós. Quem exerce posição de liderança na empresa, na família ou num grupo social ou religioso, pode elevar o seu padrão de comunicação apenas identificando e respeitando as crenças e valores alheios. Nossa felicidade e sentimento de realização pessoal e profissional depende se nossas ações estão de acordo com nossas crenças e também como lidamos com os valores alheios. Finalizo usando palavras de Tony Robbins, o maior coach do mundo, que diz: “nossos valores são a chave mestra que liberta a magia interior”. Pense nisso!


*O conteúdo desta coluna é de responsabilidade do autor e não representa, necessariamente, a opinião do Diário de Uberlândia.
 
Relacionadas »
Comentários »