16/10/2018 às 08h57min - Atualizada em 16/10/2018 às 08h57min

Para um processo migratório bem-sucedido

DANIEL TOLEDO | ADVOGADO ESPECIALIZADO EM DIREITO INTERNACIONAL
"Muitos pensam em migrar e contam os dias para deixar de vez o país, mas se esquecem de inúmeros detalhes importantes. Ignoram questões como por exemplo, planejamento tributário”
 
Quando se pensa em mudar de país, é preciso entender que visto não é causa e sim consequência. E quem está assessorando o solicitante também precisa ter isso em mente, senão há o risco deste profissional se tornar apenas uma máquina de preencher formulários, escrever petições e protocolar processos.

Caso o especialista escolhido não domine os diversos campos ligados a negócios como operação, mercado, dinheiro e muito menos sabe o que você vai fazer, qual estrutura será utilizada e a capacidade de produção, reforço que essa pessoa irá somente elaborar processos. Infelizmente, há muitos escritórios e falsas consultorias se aventurando nessa empreitada, sem especializações, ou às vezes, simplesmente não conhecem as leis, normas ou até mesmo consequências de um planejamento migratório desastroso.

E como avaliar esse profissional? Se essa pessoa não tem currículo, experiência, conhecimento técnico, estudo, consequentemente não sabe os caminhos para ajudar você a alcançar o objetivo. Eu tenho medo daqueles que nunca se depararam com problemas complexos porque fatalmente não vão saber como lidar com o inesperado. Ou pior, achar que porque deu certo com um, pode dar certo com outro. Afinal, não estamos falando de receita de bolo.

Analise se o profissional tem capacidade técnica, que é basicamente resultado. Veja quais projetos foram implantados e seus resultados, quais técnicas domina, como é a sua estruturação de ideias, em qualquer área. Outro detalhe importante é a empatia que você vai ter com esse profissional, é preciso que ele transmita segurança com o que está propondo.

Após esta etapa, pense para onde você, e a sua família, querem ou pretendem ir. Se for Europa, estude o mercado europeu, e assim vale para outros países, mas a verdade é que esses comércios se ramificam muito. Por exemplo, se a ideia é ir para a Flórida, você tem que saber sobre as peculiaridades, preferências daquela comunidade e características do lugar, que são diferentes de outras cidades e estados. Mesmo depois de realizar esse extenso levantamento, se ainda persistir dúvidas, uma boa conversa com profissionais especializados que conhecem este cenário e suas tendências pode afastar ou até mesmo diminuir incertezas.

É preciso também saber qual visto que se adapta melhor ao país pretendido. Por mais que se tenha alguma noção, permita que o profissional adeque às modalidades disponíveis ao seu perfil. Ele trará a melhor aplicação porque, graças à prática e experiência em todos os trâmites que envolvem este processo, consegue enxergar uma possibilidade que pode ser muito mais adequada inclusive ao negócio pretendido. Vá com a cabeça aberta e ouça-o.

Muitos pensam em migrar e contam os dias para deixar de vez o país, mas se esquecem de inúmeros detalhes importantes. Ignoram questões como por exemplo, planejamento tributário. Percebe a importância de ter um amplo respaldo que vai amarrar todas as pontas? Lembre-se de que visto não é causa, é consequência.

Faça as coisas acontecerem. Não tenha medo: se traçou um objetivo, comece. Dê o primeiro passo, vá para frente. A insegurança trava você e eventualmente quem está te defendendo. Às vezes, de tanto planejar, a gente não sai do lugar e o mercado internacional não espera, apenas acontece. Quando as pessoas entendem isso, passam a se estruturar para trabalhar, ganhar dinheiro e alcançar o resultado esperado.
Leia Também »
Comentários »