02/08/2018 às 08h09min - Atualizada em 02/08/2018 às 08h09min

Marketing Analítico

MAURO SEGURA | RESPONSÁVEL PELA COMUNICAÇÃO E MARKETING DA IBM
É inquestionável que a transformação da nossa profissão é um assunto quente no momento. Evidentemente que a atividade de marketing busca por profissionais mais analíticos, racionais, lógicos, mais apaixonados por dados, que não sofram com métricas, que tenham visão sistêmica e que demonstrem um pouco mais de simpatia pela matemática.

A profissão de marketing é a expressão mais evidente do ser humano que precisa usar intensamente os dois lados do cérebro: o esquerdo e o direito, ou a arte e a ciência. Profissionais de marketing precisam ser criativos, emocionais e sensíveis. Precisam ser racionais, lógicos e assertivos. As empresas esperam que seus times de marketing apresentem um comportamento ousado, criativo, desafiador, e até um pouco transgressor dentro de suas organizações. Se alguém tem que ousar, então que seja o pessoal de marketing.

Existe uma clara expectativa e uma real necessidade de fortalecer as equipes de marketing com novas habilidades, competências, expertises, capacidades e metodologias de trabalho. Como fazer isso? O caminho mais curto é viabilizar que as equipes de marketing sejam compostas de profissionais com diferentes formações, diversidade de experiências, privilegiando o heterogêneo em vez do homogêneo. Estou falando de gente nova se juntando à patota de marketing, como antropólogos, estatísticos, matemáticos, gerente de projetos, tecnólogos, desenvolvedores, engenheiros, administradores de negócios, pesquisadores, cientistas etc.

A combinação de expertises vem criando novas especialidades e potencialidades em marketing, transformando a profissão em função do aumento do escopo e da complexidade da função. Novos tentáculos de especialização começam a surgir tornando-se reais oportunidades de desenvolvimento profissional. Talvez o melhor exemplo seja o growth hacker, que é um profissional com habilidades combinadas de marketing, empreendedorismo, criatividade, novas tecnologias, visão sistêmica e analítica. Não existe universidade para formar tal profissional. Ele é fruto da combinação de skills e experiências. Por outro lado, muitas atividades turbinadas com nomes mais modernos, como community manager e content writer, são evoluções aprimoradas de funções de marketing que conhecemos tão bem.

No meio de toda essa transformação, como se posiciona o profissional tradicional de marketing? Ele pode ficar paralisado, arredio, inseguro, tentando se fechar em sua cidadela de conhecimento e experiência. Ou ele pode encarar o tsunami inevitável como uma oportunidade de desenvolvimento e carreira. Para isso terá que se movimentar, se jogar em novas áreas e tomar riscos profissionais, poderá se concentrar em uma linha específica de especialização ou tentar sair abraçando várias linhas diferentes.
O que realmente se espera nos dias atuais é que os profissionais de marketing mudem o mindset: que sejam mais empreendedores, mais curiosos para aprender coisas novas, sedentos por conhecimento, que se integrem bem com os novos colegas de trabalho com formação e expertise diferenciadas, que desenvolvam mais habilidades e competências para que esse diálogo seja possível, que questionem as fórmulas antigas de sucesso, porém preservando os fundamentos do marketing, que são inquestionáveis e continuam atuais.

É difícil estimar até onde vai a atual transformação da profissão de marketing, mas o trem já partiu da estação. Estar ou não dentro do trem é uma decisão individual de cada um. O alívio disso tudo é que não tem ninguém confortável, portanto, estamos todos juntos numa viagem sem destino definido. Não é hora de se distrair com a paisagem. Vai balançar um pouco, não vai haver rotina, a viagem será longa, mas poderá ser divertida dependendo de como a encararmos. Vamos abrir as nossas cabeças, sermos radicais na busca de novos conhecimentos e perguntar mais do que responder. Enfim, façamos o que precisa ser feito e nos tornemos os melhores amigos dos novos colegas de profissão.

O conteúdo desta coluna é de responsabilidade
do autor e não representa, necessariamente,
a opinião do Diário de Uberlândia.
Relacionadas »
Comentários »