16/01/2018 às 16h39min - Atualizada em 16/01/2018 às 16h39min

Será 2018 o ano do Cyber Crime ou das oportunidades?

ROBSON XAVIER* | LEITOR DO DIÁRIO

Nesta semana, o Diário de Uberlândia publicou o texto do CEO da UPX Technologies sobre segurança digital em 2017 e tendências para 2018. Um texto bastante claro e com características de quem entende do assunto. Meu objetivo aqui é complementar o texto, não por falta de conhecimento do autor, mas por limitações de espaço nesta parte do jornal; acredito. Todas as sugestões feitas estão corretas.
 
2018 será um ano atípico pela quantidade de eventos de grandes proporções como Copa do Mundo, eleições presidenciais, julgamento do ex-presidente Luiz Inácio da Silva, continuação e aumento das ações da Lava Jato, retomada da economia, entre outros que geram discussões acaloradas, paixões externadas, até um sentimento de vingança (7x1 é difícil de esquecer) e, consequentemente, milhares de mensagens falsas nas redes sociais e milhares de e-mails buscando consumidores desatentos em busca de vantagens ou querendo eleger e principalmente denegrir alguém.
 
Por coincidência, neste mesmo dia, a jornalista Tania Malamud publicou na coluna Radar Diário que a consultoria internacional PWC apurou que 70% dos ataques cibernéticos são possíveis por ações de funcionários ou ex-funcionários que inadvertidamente abrem e-mails falsos e consequentemente infectados.
 
O caro leitor pode acreditar, o e-mail ainda é uma das maiores fontes de acesso dos hackers às redes de computadores corporativas e aos computadores individuais que estão em milhares de residências e microempresas e são utilizados da execução de planilhas até ao pagamento de impostos, boletos, etc.
 
Para o empresariado, a sugestão é: invista pesado na educação dos seus colaboradores. Crie documentos formais que devem ser preenchidos e assinados compartilhando a responsabilidade das informações corporativas, reforce que o e-mail corporativo deve ser usado somente para assuntos da empresa e pode ser auditado; qualquer e-mail com alertas de títulos vencidos, protestos, alertas de senhas vencidas, troca de tokens de bancos, etc devem ser apagados ou enviados para a área de tecnologia da empresa para análise.
 
Oriente seu colaborador para não usar o e-mail da empresa para assinar qualquer tipo de listas de mensagens ou fazer cadastro em sites de promoções, eventos, etc. Pelos fatos que citei no início do texto, teremos enxurradas de e-mail, mensagens em redes sociais, “zaps”, etc. Para essas atividades, o colaborador deve usar o e-mail pessoal e nunca usá-lo nos equipamentos da empresa.  Sei que não é fácil, mas estamos cada dia mais ligados a tecnologia neste momento em que os dados são o novo petróleo, e você deve prestar atenção, colocar energia e tempo nisso. O uso dos celulares pessoais na empresa também deve ser feito sob o controle da equipe de TI ou do prestador de serviço. Estamos num limite muito pequeno na separação do que é empresarial ou pessoal, o que pode ou não ser acessado na empresa.
 
É comum a algumas empresas de ponta estender a segurança digital e o uso de aplicativos como Office e antivírus para os colaboradores com descontos agressivos para que tenham em casa ou nos seus dispositivos mais segurança e produtos originais. Fale com o seu fornecedor, se o dispositivo dele está seguro, automaticamente, aumentou a segurança da sua empresa.
 
Também é fundamental ter um backup fora da empresa e não confundir com a cópia de arquivos; o backup tem rotinas, versões, testes e gestão dos dados. Use email, planilhas, editores de texto de empresas líderes de mercado, pois o barato sairá muito mais caro se você tiver a sua empresa hackeada, seus dados sequestrados, suas planilhas desconfiguradas ou o seu site invadido e fora do ar.
 
Felizmente nem tudo são mais notícias. A Quarta Revolução que estamos vivendo com computação em nuvem, deixou muito mais acessível o acesso a tecnologia e qualquer empresa pode atuar globalmente num clique do mouse ou no arrastar do dedo na tela do seu celular.
 
Olhe por esse lado, você verá muito mais oportunidades do que ameaças no mundo digital e em breve estará dando um banho no seu concorrente, pois se preparou melhor para 2018.
(*) CEO da Zillion e presidente do Sindicato das Empresas de TI de Uberlândia
Relacionadas »
Comentários »