20/08/2018 às 08h40min - Atualizada em 20/08/2018 às 08h40min

Em um ano, do céu ao inferno

Renault Kwid reage e volta à lista dos mais vendidos

FOLHAPRESS
Foto: Divulgação
O Renault Kwid volta a passar por uma avaliação um ano após ser lançado. A unidade reavaliada fez parte da campanha de lançamento do compacto, em agosto de 2017, e agora está com quase 10 mil quilômetros rodados.
O carro já não desperta a curiosidade daqueles dias. Foram vendidas 57 mil unidades Brasil afora até julho. A história do modelo de origem indiana no mercado nacional começa em junho de 2017, quando a Renault deu início à pré-venda.

Mais de 7.000 clientes depositaram um sinal de R$ 1.000 para adquirir um carro que não conheciam e que só seria entregue dois meses depois. Luiz Fernando Pedrucci, presidente da Renault no Brasil, diz que o sucesso superou as expectativas da marca. Segundo ele, a procura foi quatro vezes maior que o calculado.

Quando chegou às lojas, na segunda quinzena de agosto de 2017, o Kwid já era um fenômeno nas redes sociais. A espera para receber o compacto com pinta de utilitário chegava a 60 dias. O sucesso, porém, não se repetiu nos meses seguintes, e o Kwid oscilou em vendas.

Três recalls por problemas na linha de produção ou no transporte - segundo a Renault, detectados antes que ocorressem acidentes- arranharam a imagem do carro. Isso não seria suficiente para atrapalhar a ascensão meteórica, mas o novo teste dá pistas de o que que ocorreu.

A Renault apostou no slogan "o SUV dos compactos", mas não se pode criar grandes expectativas diante de um automóvel que parte de R$ 32,5 mil. Apenas o Chery QQ (R$ 27,3 mil na versão Smile) custa menos que o Kwid.
Embora seja homologado para cinco ocupantes, o carro é adequado para quatro pessoas. Há pouco espaço para as pernas no banco traseiro. Nas fotos, parece ter mais que seus 3,64 metros de comprimento, e isso deve ter frustrado alguns interessados.

O motorista não tem apoio para o pé esquerdo, mas o banco acomoda bem as costas. A proposta é oferecer conforto suficiente para trajetos urbanos curtos - a maciez da alavanca de câmbio e dos pedais comprova isso.
A versão testada é a Intense, equipada com ar-condicionado, direção elétrica e sistema de som com navegador GPS. Todos os Kwid saem de fábrica com quatro airbags, algo raro até em carros maiores e mais caros. O tampão do porta-malas faz um barulho constante, faltam encaixes para fixá-lo melhor. No geral, o isolamento acústico do Kwid é ruim.

Por ser leve e ter um motor 1.0 atual, o Renault parece ter mais que os 70 cavalos descritos na ficha técnica. Acompanha bem o trânsito e não fica para trás nas arrancadas após o semáforo abrir.
Na cidade, roda 15,6 quilômetros com um litro de gasolina, segundo o Instituto Mauá de Tecnologia. É a melhor marca já alcançada nessa condição entre os carros populares testados.
 
Após um ano de mercado, as qualidades e os defeitos do Kwid parecem ter sido absorvidos pelo público. Segundo Pedrucci, pesquisas da Renault mostram que grande parte dos novos clientes chegam ao carro após indicação de proprietários satisfeitos.

O carro chegou a ocupar o 2º lugar no ranking nacional de vendas, para logo depois cair para o 18º. Em julho, o Kwid foi o décimo automóvel mais vendido do país. "Não existe o objetivo de ter o carro entre os cinco mais emplacados, isso é uma consequência", diz Pedrucci.
-
RENAULT KWID INTENSE
Preço - R$ 42 mil
Motor - dianteiro, transversal, flex, três cilindros, 999 cm³
Potência - 70 cv (e) e 66 cv (g) a 5.500 rpm
Torque - 9,8 kgfm (e) e 9,4 kgfm 4.250 rpm
Transmissão - tração dianteira, câmbio manual de cinco marchas
Peso - 786 quilos
Porta-malas - 290 litros
Pneus - 165/70 R14
Aceleração - (0 a 100 km/h) 13,8s (e) e 14,4s (g)
Retomada - (80 a 120 km/h) 15,4s (e) e 16,7s (g)
Consumo urbano - 12 km/l (e) e 15,6 km/l (g)
Consumo rodoviário - 15 km/l (e) e 19,1 km/l (g)
Comprimento - 3,68 metros
Entre-eixos - 2,42 metros
Largura - 1,58 metro
Altura - 1,47 metro
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »