02/10/2021 às 08h00min - Atualizada em 02/10/2021 às 08h00min

O que é endometriose? Causas, sintomas e tratamentos

TÚLIO MENDHES
Divulgação
A endometriose é considerada uma das maiores causas da infertilidade na mulher, e sempre foi conhecida pelos ginecologistas como uma doença complexa. No entanto, resumidamente trata-se de uma doença crônica e benigna. O endométrio é a mucosa que reveste o útero internamente – fora da cavidade uterina, ou seja, em outros órgãos da pelve: trompas, ovários, intestinos e bexiga. Todos os meses, o endométrio fica mais espesso, para que um óvulo fecundado possa se implantar nele. Quando não há gravidez, no final do ciclo ele descama e é expelido na menstruação. Por outro lado, a endometriose é o aparecimento e crescimento de endométrio fora do útero.
 
É difícil estabelecer as causas que provocam a endometriose. Alguns prognósticos é que ela parte do sangue que volta pelo interior das tubas uterinas no decorrer da menstruação e se deposita em outros órgãos. Outra possibilidade diz respeito à genética, ou seja, há um maior risco de se desenvolver endometriose se a mãe ou irmã são diagnosticadas com a doença.
 
A endometriose pode ser assintomática. Entretanto, quando os sintomas aparecem, merecem destaque, pois causam sofrimentos psicológicos e físicos como cólica intensa mesmo fora do período menstrual, dor durante e após o sexo, dor e sangramento intestinais e urinários durante a menstruação, inchaço abdominal, menstruação irregular, intestino preso ou solto demais e dificuldades para engravidar.
 
Diante da suspeita, o exame ginecológico clínico é o primeiro passo para o diagnóstico, que pode ser confirmado por exames laboratoriais e de imagem, por exemplo: o ultrassom endovaginal, que permite a identificação de endometriomas, aderências pélvicas e a endometriose profunda. Outro exame chama-se laparotomia, que é um procedimento mais invasivo, justamente por demandar de uma incisão no abdômen para se aproximar com mais eficácia aos órgãos internos. Na lista de exames também está a laparoscopia, que é realizada através da inserção de instrumentos telescópicos em algumas incisões na barriga, coletando material para avaliação de estruturas das células e tecidos. Esse exame proporciona mais vantagem em relação aos demais, uma vez que, resulta no menor tempo de internação, anestesia e recuperação, sem mencionar a possibilidade de tratamento através da retirada das lesões. Nos exames laboratoriais é realizado um exame de sangue chamado marcador tumoral CA-125, que se altera nos casos mais avançados da endometriose. Contudo uma atenção especial deve ser dada ao exame de toque, fundamental para o diagnóstico da endometriose profunda. Por outro lado, para se conseguir um diagnóstico certeiro a mulher deve ser submetida ao procedimento da biópsia.
 
Muitas vezes o atraso no diagnóstico pode provocar sérios riscos físicos e de transtornos depressivos ou outras alterações de humor que prejudicam a qualidade de vida da mulher. É por isso que a atenção oferecida às pacientes com endometriose não deve ser focada apenas na doença em si, afinal, é fato e preocupante a mulher enfrentar problemas emocionais, sexuais e sociais decorrentes do diagnóstico.
 
Alguns fatores de risco que podem “provocar” a endometriose estão relacionados a alterações no útero, estresse, má alimentação e até a gestação depois dos 30 anos.
 
Ainda que em muitos casos não seja possível à prevenção para a manifestação da endometriose, certas práticas minimizam o risco, por exemplo, moderar o estresse diário, adotar a frequência do consumo de alimentos ricos em ômega-3, por exemplo, óleo de linhaça, óleo de canola, peixes como o salmão, truta, sardinha, atum. Alimentos como manteiga, leite, ovos e pães também podem ser enriquecidos e são boas opções para aumentar o consumo do ômega 3. Entretanto, a qualidade e quantidade de ômega 3 adicionado nestes alimentos ainda é muito pequena, por isso é importante priorizar a ingestão dos alimentos naturalmente ricos nesse nutriente, que devem ser consumidos pelo menos 2 vezes por semana.
 
Concluo afirmando que, quando for confirmado o diagnóstico de endometriose, a mulher precisa quase que de imediato iniciar o tratamento. E, apesar de não existir cura, os cuidados aplicados amenizam os sintomas. Sendo assim, é fundamental procurar um médico especialista para orientar quanto ao procedimento e tratamento adequado a ser seguidos.
 
Até o próximo sábado!

Este conteúdo é de responsabilidade do autor e não representa, necessariamente, a opinião do Diário de Uberlândia.
Relacionadas »
Comentários »