24/07/2021 às 08h00min - Atualizada em 24/07/2021 às 08h00min

Faxinar sua casa interior – faz parte

TÚLIO MENDHES
Divulgação
A sua mesa de trabalho é organizada? E seu quarto? É limpo e organizado? Você tem o hábito de arrumar a própria cama? Você é daqueles que depois do banho joga a toalha em cima da cama e deixa até precisar usá-la novamente? Se eu fosse à sua cozinha nesse minuto pra tomar um “cafézin” com “pãdiquejo”, você me receberia sem nenhum receio ou teria um infarto quando olhasse pra pia transbordando louça do fim de semana?

São muitas perguntas pra uma coluna só, não é? Pois é... Mas o objetivo é fazê-lo raciocinar rapidamente sobre como pode estar a realidade de sua saúde física e emocional. Acompanhe o raciocínio.
Bom... ter uma mesa arrumada não é bobagem, pois a bagunça é um dos principais inimigos da produtividade. Muitas pessoas ainda acreditam que uma mesa bagunçada é sinônimo de muito trabalho. Ledo engano! Afinal, ter um local de trabalho limpo e organizado é um dos fatores mais importantes para a produtividade. Portanto, se ela estiver com uma pilha de papéis acumulados, materiais de escritório dispersos e copos descartáveis, é hora de tomar uma providência.

Pois bem... descobri que existem dois tipos de pessoas bagunceiras: as que são de forma, digamos, momentânea, em um local específico e que se orientam dentro dela... e existe as que fazem do caos uma condição permanente, generalizado e que só gera prejuízos. Quem faz parte do segundo grupo “está com a batata assando”, pois têm dificuldade de encontrar o que precisa, e perdem muito tempo procurando algo ou para se organizar, além de atrasar prazos e compromissos. Obviamente, tudo isso afeta o emprego e as relações sociais.

Acredite! Esse comportamento causa sofrimento, inicialmente psíquico/emocionalmente. Nos casos mais graves acabam provocando o caos na própria saúde física. A bagunça é um fator para estresse, ansiedade e, somado a eles, para evolução de doenças preexistentes como hipertensão, gastrite, refluxo, alergias, fibromialgia, etc, pois leva a alterações de sono, perda de energia, dores de cabeça, nas costas, além dos problemas digestivos. Sem falar que atrapalha a concentração e o raciocínio, acima de tudo ao estudar ou praticar uma atividade intelectual, visto que na bagunça são muitos os impulsos para desconcentração.

Caro leitor, cada um de nós, com nossas peculiaridades, medos, sonhos, desejos e finitas coisas singulares, apresentamos um grau variável de dificuldade em nos adaptarmos às relações de trabalho, relações amorosas e as sociais com maior ou menor força e em situações exclusivas. Por exemplo, aquele amigo que está de luto pela perda de um familiar durante essa pandemia da Covid-19 pode, a partir de esse trauma, ter dificuldade para organizar sua rotina pessoal, no trabalho e com os cuidados domésticos, e, infelizmente, isso tudo desorganiza seus ambientes. Além do mais, essa dificuldade acaba se tornando mais intensa, causando prejuízo e sofrimento a si mesmo e para os outros do seu convívio.

Exemplificando... quando essa situação se torna um fato, o ideal é procurar com rapidez o auxílio de um profissional da saúde mental. Pois, como disse antes, cada um de nós, com nossas singularidades, enfrentamos as mesmas situações de maneira distintas. Assim como as pessoas que estão desorganizadas emocionalmente e causam sofrimentos a si mesmas... também existem as pessoas que se comportam semelhantemente e ao contrário no mesmo tempo.

Falo das pessoas com excesso de organização, aquelas que sentem medos exagerados, medo de se contaminar, lavam as mãos excessivamente e toda hora, antes de sair de casa precisam cumprir o ritual de checar diversas vezes se a porta está trancada, se o fogão ou o gás estão desligados, ligam e desligam o sistema de segurança por várias vezes pra ter certeza que estão ativados, ficam aflitas por que as roupas não estão bem separadas no armário por modelo, marca, cor, frequência de uso,  etc...ou se os objetos não estão exatamente no lugar em que deveriam estar, etc. CONTUDO, todo esse excesso de organização e rituais... só comprovam o caos interior que essas pessoas precisam se libertar, pois elas sofrem, inclusive provocam autossofrimento que não machuca apenas com desconfortos físicos.

Você já ouviu a frase: "se você sente que sua vida está bagunçada, comece arrumando suas gavetas"? Apesar de estranho, saiba que faz sentido: organizar nosso exterior é um exercício para conseguir nos organizarmos mentalmente, seja através de objetivos, como listas de tarefas mais claras e objetivas, preferencialmente, que sejam possíveis de serem completadas. Isso porque somos parte de um ecossistema físico, social e subjetivo, portanto, o ambiente e a forma como nos comportamos rotineiramente se refletem em nosso bem-estar subjetivo, tanto quanto o oposto.

Ordenar nossa casa, nosso escritório e afins é uma atividade externa, mas também trabalha na organização de nossa morada interior. Enquanto fazemos uma higienização, organizamos os móveis e distribuímos os objetos... provocamos dentro de nós uma mudança positiva significativa. Simultaneamente, organizamos nossos sentimentos fazendo uma faxina interna.

O resultado? É a renovação da alma, do estado de espírito. Por isso é importante trabalharmos nossas crenças e o medo presentes no nosso interior, mantendo o equilíbrio e o autoconhecimento, pois quanto mais nos aprofundamos na busca por quem realmente somos, mais iluminação jogamos em nossas sombras internas e aprendemos a lidar melhor com as situações que nos afligem e a mudar o que não nos agrada, nos permitindo sentir quando algo não está bem e precisa ser reparado, tanto no externo, quando no interno.


Este conteúdo é de responsabilidade do autor e não representa, necessariamente, a opinião do Diário de Uberlândia.
Tags »
Relacionadas »
Comentários »