03/07/2021 às 08h00min - Atualizada em 03/07/2021 às 08h00min

Os prazeres e precauções do inverno

TÚLIO MENDHES
Divulgação
Essa semana, “Ubercity”, nossa querida estrelinha do triângulo mineiro, registrou na ultima quarta-feira, às 7h, a menor temperatura dos últimos 21 anos na cidade. Os termômetros marcaram 4,7⁰C, segundo o Laboratório de Climatologia e Recursos Hídricos da Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Ainda segundo a UFU, essa baixa tão brusca é justificada por uma passagem de frente fria aqui na região.

Pois bem... para alguns (eu também), o inverno, é considerado a mais elegante das quatro estações. Entretanto, também têm as pessoas que odeiam o inferno, digo, o inverno. Porém, tanto os que gostam quanto os que detestam, estão sujeitos a todas as consequências que a estação mais fria do ano traz para nossas vidas.
Tenho certeza absoluta que você já se deparou com algumas situações como ter que andar na rua com o vento gelado entrando na sua roupa. Quem sabe já ficou no ponto de ônibus às 6h da manhã esperando a limusine de pobre (busão), desejando a morte de tanto frio? E aquele sofrimento diário na hora de sair do banho?! Pelo amor de Deus! Não é horrível quando as camadas de roupa não são o bastante e a gente ainda sente cada parte do corpo congelar? Ahhhh e sobre o tempo que demoramos pra encontrarmos as “50” camadas de roupa que combinem entre si pra nãos sairmos na rua parecendo um espantalho?! E aquele sofrimento diário na hora de sair do banho?! Pelo amor de Deus!

Eu tenho uma boa notícia pra vocês. Quero que os dois grupos com opiniões divergentes sobre o amor e ódio do frio sintam-se super acolhidos e bem quentinhos, pois a coluna de hoje é orientar todo mundo sobre o que fazer quando as temperaturas caem dessa maneira. Bom... antes de vestir aquele cachecol que ficou guardado por 11 meses... a primeira coisa a se fazer é ficar de olho nos cuidados com a saúde. Afinal, nessa estação o clima fica bem seco, e é comum o aumento de doenças respiratórias. Portanto, além de ficar de olho na saúde, é necessário que tome algumas medidas na higienização de casa, onde é possível controlarmos melhor a qualidade do ar que respiramos. Porque em qualquer ambiente, tanto o excesso quanto a baixa umidade do ar causam doenças, especialmente as respiratórias. Por isso é importantíssimo equilibrar essa umidade.

A baixa umidade do ar, característica desta época do ano, pode trazer diversos incômodos. Tanto a pele como as mucosas internas do corpo sofrem com o tempo seco, propiciando surgimento de doenças, como as dermatites e problemas nas vias respiratórias, além de provocar o aumento da frequência de coriza, sangramento nasal, tosse, chio no peito e pneumonias.

Para evitar tudo isso, algumas recomendações são bem explícitas para colocarmos em prática. Por exemplo, bebermos bastante líquido, principalmente água. Porque a água melhora a pele, as funções renais e atua no transporte e absorção de nutrientes.
Apesar de amarmos um banho bem quentinho, daqueles que saem fumaça da água, o tempo seco, o frio e o banho quente diminuem a camada natural de proteção da pele, que perde a lubrificação natural, razão pela qual surgem as coceiras e dermatites que podem se agravar. Pois a pele resseca, diminuindo o manto de gordura, responsável por reter a umidade.

Por isso, devemos colocar em prática alguns hábitos bem simples e que podem evitar essas complicações. Por exemplo, hidratar a pele, usar hidratantes labiais, tomar banhos rápidos, evitar a utilização de buchas, manter a água numa temperatura morna, quase fria (isso é beeeeeem difícil, mas necessário e saudável). Devemos também usar sabonetes neutros, secar a pele bem suavemente, usar umidificador de ar e bacias de água em casa, aplicar soro para hidratar o nariz, evitar ambientes onde há fumaça de cigarro, evitar praticar esportes em locais com muita poluição e principalmente nos horários de baixa umidade (das 11h às 16h). A exposição prolongada no ar condicionado também é prejudicial.

Enfim... algumas atitudes ajudam a diminuir os transtornos causados pela soma do tempo seco, frio e baixa umidade. Afinal, tanto os que gostam quanto os que detestam, estão sujeitos às consequências que a estação mais fria do ano traz para nossas vidas.


Este conteúdo é de responsabilidade do autor e não representa, necessariamente, a opinião do Diário de Uberlândia.
Tags »
Relacionadas »
Comentários »