31/10/2020 às 08h00min - Atualizada em 31/10/2020 às 08h00min

Pés no chão para ter mais saúde

ANGELA SENA PRIULI
Depois de uma semana atribulada de trabalho, ganhei o quê? uma bela crise da hérnia na lombar. E, como era dia de escrever para vocês e imagino que muitos aí, ainda em home office, estão sofrendo dessas dores também, resolvi trazer um "hit" do estilo de vida fitness. É uma prática que tem embasamento científico há anos e nos leva de volta para ela, a mãe natureza. Bora entender?

Os principais componentes da medicina alternativa, de estilo de vida e preventiva incluem nutrição, exercícios, controle do estresse e relacionamentos. O que falta nesta fórmula é a prática do grounding ou earthing, que em português claro se refere ao grounding. Sabe aquela história de ter um fio terra em casa para proteger os eletroeletrônicos? Então, segundo alguns cientistas, também vale para nós, seres vivos.

Aterrar significa simplesmente reconectar o corpo humano condutor à carga elétrica da superfície natural e sutil da Terra, uma atividade de estilo de vida sem esforço que influencia sistematicamente a função bioelétrica básica do corpo. Sabe aqueles choques que você toma no carro, no sofá sintético, ou até com outras pessoas? Então, cuidar disso pode estabilizar a fisiologia, reduzir a inflamação, a dor e o estresse, melhorar o sono, o fluxo sanguíneo e o retorno linfático/venoso ao coração e produzir um maior bem-estar.

A prática do grounding, ou aterramento, é fácil de fazer e geralmente atinge resultados rápidos, principalmente para indivíduos com distúrbios crônicos de saúde. Existem duas formas básicas de aterramento: 

1) dentro de casa ou no trabalho, envolvendo sistemas de aterramento baratos (tapetes condutores, almofadas, faixas corporais ou adesivos) enquanto está sentado ou dormindo;

2), em sua forma mais natural e livre, passando o tempo descalço ao ar livre em contato com superfícies condutoras naturais, como grama, solo, cascalho, pedra e areia.

Assim como a vitamina D em nosso corpo é produzida pela energia e frequências geradas pelo sol, a 150 milhões de quilômetros de distância, a Terra bem sob nossos pés fornece energia e frequências únicas que influenciam diretamente nosso corpo. O grounding restaura uma conexão elétrica primordial com a Terra que foi perdida com o tempo por causa do estilo de vida humano. Essa prática parece corrigir o que chamamos de “síndrome de deficiência de elétrons”, uma causa negligenciada e provavelmente significativa de vários distúrbios de saúde.

Um grupo de cientistas que trabalharam com diagnósticos de imagens do corpo antes e após a prática do grounding, o veem como estratégia preventiva/estilo de vida pode neutralizar o aumento acentuado de doenças não transmissíveis em todo o mundo, um grande desafio e barreira para o desenvolvimento global. Essas doenças incluem condições cardiovasculares, respiratórias, neurodegenerativas e autoimunes, diabetes tipo 2 e câncer, pois existem diferentes estudos mostrando os benefícios do aterramento para o alívio da dor muscular e articular, da inflamação, da regularização do fluxo sanguíneo em algumas regiões e da pressão arterial, e até mesmo para a saúde mental.

Se o nome é grounding ou aterramento, o que importa mesmo é que a possibilidade de estar em contato real com a natureza oferece uma ferramenta potente de saúde e cura para prevenção e terapia, que pode ser usada por si só ou em conjunto com tratamentos clínicos para tratar não apenas os sintomas, mas as causas básicas dos sintomas e disfunções que começam nos níveis bioelétricos profundos da fisiologia. Mas se atentem, é importante que seja consultado um especialista capacitado para a prescrição conjunta com a medicina tradicional.

De toda forma, natureza é sempre vinda e nosso contato com ela deve ser um hábito cultivado!

Fonte:
Menigoz W, Latz TT, Ely RA, Kamei C, Melvin G, Sinatra D. Integrative and lifestyle medicine strategies should include Earthing (grounding): Review of research evidence and clinical observations. Explore (NY). 2020 May-Jun;16(3):152-160. doi: 10.1016/j.explore.2019.10.005. Epub 2019 Nov 14. PMID: 31831261.


*Este conteúdo é de responsabilidade do autor e não representa, necessariamente, a opinião do Diário de Uberlândia.
 
Relacionadas »
Comentários »