19/09/2020 às 09h05min - Atualizada em 19/09/2020 às 09h00min

"Banhos de natureza" podem mudar sua vida

ANGELA SENA PRIULI
Quanto tempo leva para obter uma "dose de natureza" alta o suficiente para fazer as pessoas dizerem que se sentem mais saudáveis e têm uma forte sensação de bem-estar? Precisamente 120 minutos.

Em um estudo com 20.000 pessoas, uma equipe liderada pelo cientista Mathew White, do Centro Europeu para o Meio Ambiente e Saúde Humana, da Universidade de Exeter, descobriu que as pessoas que passavam duas horas por semana em espaços verdes - parques locais ou outros ambientes naturais, todos de uma vez ou em intervalos de várias visitas - eram mais propensos a relatar boa saúde e bem-estar psicológico do que aqueles que não o faziam. Duas horas parecem ser um limite rígido: o estudo, publicado em junho de 2019, mostrou que não havia benefícios para as pessoas que não atingiam esse limite. Os efeitos foram robustos, afetando diferentes ocupações, grupos étnicos, pessoas de áreas ricas e pobres e pessoas com doenças crônicas e deficiências.

Esse assunto, o impacto da natureza em nossa saúde, foi praticamente ignorado pelo mundo acadêmico. Mas agora já existem centenas de estudos científicos e eles apontam em uma direção: o contato com a natureza não é apenas bom, mas é algo necessário para a saúde física e o funcionamento cognitivo.

Esses estudos demonstraram que o tempo na natureza - desde que as pessoas se sintam seguras - é um antídoto para o estresse: pode reduzir a pressão arterial e os níveis de hormônio do estresse, reduzir a excitação do sistema nervoso, melhorar a função do sistema imunológico, aumentar a autoestima, reduzir a ansiedade e melhorar o humor. O Transtorno de Déficit de Atenção e a agressão diminuem em ambientes naturais, o que também ajuda a acelerar a taxa de cura.

O crescente corpo de pesquisas - combinado com uma compreensão intuitiva de que a natureza é vital e maiores preocupações sobre o uso explosivo de smartphones e outras formas de tecnologia - levou ao ponto de inflexão em que especialistas em saúde, pesquisadores e até mesmo governos do mundo todo agora estão propondo ampla mudanças que visam trazer a natureza para o dia a dia das pessoas.

Daí vem uma pergunta: quais são os ingredientes ativos em uma dose de natureza? Pioneiros nesse trabalho, Rachel e Stephen Kaplan, que começaram a estudar o assunto na década de 1970, desenvolveram a Teoria da Restauração da Atenção, que afirma que prestar atenção em cidades agitadas, no trabalho ou em outros ambientes estressantes exige muito esforço. Em um ambiente natural, entretanto, esses pesquisadores descobriram que as pessoas prestavam atenção de forma mais ampla e com menos esforço, o que leva a um corpo e mente muito mais relaxados.

Ainda buscando esse "ingrediente natural" da natureza, pesquisadores japoneses estudaram “banho na floresta” - um nome poético para caminhar na floresta. Eles suspeitam que os aerossóis das florestas, inalados durante uma caminhada, estão por trás dos níveis elevados de células específicas do sistema imunológico, que lutam contra tumores e infecções. Em estudos subsequentes, nos quais os óleos essenciais de cedro e outras árvores foram emitidos para as pessoas através da vaporização, também foi observado um aumento significativo dessas células e a diminuição de hormônios relacionados ao estresse, por exemplo.

Bora tomar um banho de natureza e colocar na sua agenda esses períodos semanais para colocar o pé na terra, descarregar, sentir o cheirinho de grama (mesmo com o tempo mais seco), andar num rio, entrar numa cachoeira, colher fruta do pé... Só não vale continuar urbanóide depois de saber disso tudo!

Na última coluna falei dos benefícios desse contato para as crianças, comparando com o uso excessivo de telas. Agora fica nítido que é uma mensagem para toda a família. Não perca a próxima, pois seguirei nessa série #maisnaturezamaissaúde, combinado?
 
Fontes:
White, M.P., Alcock, I., Grellier, J. et al. Spending at least 120 minutes a week in nature is associated with good health and wellbeing. Sci Rep 9, 7730 (2019).
Li Q, Morimoto K, Nakadai A, et al. Forest bathing enhances human natural killer activity and expression of anti-cancer proteins. Int J Immunopathol Pharmacol. 2007;20(2 Suppl 2):3-8.
Peterfalvi A, Miko E, Nagy T, et al. Much More Than a Pleasant Scent: A Review on Essential Oils Supporting the Immune System. Molecules. 2019;24(24):4530.



*Este conteúdo é de responsabilidade do autor e não representa, necessariamente, a opinião do Diário de Uberlândia.

 
Tags »
Relacionadas »
Comentários »