06/09/2020 às 08h30min - Atualizada em 06/09/2020 às 08h30min

Quer ajudar seu filho agitado a não lutar para dormir?

ANGELA SENA PRIULI

Substitua o tempo de tela por “tempo verde”. Em um novo estudo, pesquisadores na Austrália descobriram que mais tempo na natureza está associado a uma melhor saúde mental para crianças e adolescentes. “A prevalência de doenças mentais entre crianças e adolescentes está aumentando globalmente”, disse a cientista Tassia Oswald, da Universidade de Adelaide, no artigo que publicou nessa semana.

Não é segredo que os avanços tecnológicos nas últimas décadas levaram ao aumento do uso de dispositivos eletrônicos entre os jovens, alterando a saúde mental e bem-estar, de acordo com outros estudos. Mas as pesquisas sobre os impactos psicológicos do uso da tecnologia normalmente não conseguiam definir a diferença entre o tempo na tela e o tempo verde nas mentes dos jovens - até agora.

Para responder a esta pergunta, Oswald e seus colegas analisaram 186 estudos em busca de evidências avaliando associações entre tempo de tela, tempo verde e resultados psicológicos (incluindo saúde mental, funcionamento cognitivo e desempenho acadêmico) para crianças e adolescentes.
 
TELA X NATUREZA
Para surpresa de ninguém (né?! rs), níveis mais altos de tempo de tela foram associados a uma saúde psicológica mais baixa, enquanto o tempo verde foi associado a um funcionamento mental mais favorável. De particular importância, Oswald e sua equipe descobriram que as crianças de classe econômica mais baixa tendem a ser mais influenciadas pela ampla exposição à tecnologia do que seus pares mais "privilegiados" (para usar a palavra do momento).

Por outro lado, os pesquisadores descobriram que mais tempo gasto brincando junto à natureza poderia potencialmente amortecer os efeitos do aumento da exposição à tela, um resultado que os pesquisadores disseram que indica que a natureza, que está aí para todos, de graça, não está sendo usada o suficiente "para promover o bem-estar psicológico dos jovens em uma era de alta tecnologia". É tão crítico que uma pesquisa nos Estados Unidos de uma década atrás descobriu que o tempo médio diário de tela para crianças de 8 a 18 anos totalizava 7,5 horas por dia, e era mais alto entre 11 e 14 anos, com colossais nove horas!

A rápida urbanização contribuiu para esse declínio da exposição ao ar livre, reduzindo os espaços verdes e jardins privados para maior desenvolvimento habitacional e comercial. Os pesquisadores descobriram que os benefícios de passar tempo na natureza são numerosos, incluindo aumento da atividade física e redução da poluição do ar e do ruído, bem como melhor atenção e menor estresse (para todos nós, não só para as crianças).

Enquanto as experiências pessoais do tempo de tela são “estimulantes”, já que o uso extensivo pode “potencialmente deslocar comportamentos de proteção importantes”, tornando-os prejudiciais ao bem-estar psicológico. Em contraste, o aumento da exposição a ambientes naturais levou à redução da depressão, menos problemas com colegas, maiores habilidades comportamentais e maior desenvolvimento da linguagem.
 
TV X VIDEOGAME
Oswald e sua equipe encontraram uma distinção entre os aspectos do tempo de tela em relação aos grupos de idade dentro de seu estudo. Especificamente, eles observaram que assistir TV não prejudica a saúde mental de adolescentes de 12 a 18 anos, ao contrário de programas de computador mais interativos. Na verdade, certas formas de tecnologia, como jogos de videogame, permitem melhorar as habilidades viso-espaciais. Mas as melhorias foram bem limitadas. “Estudos relataram que altos níveis de jogar videogame foram associados a um funcionamento emocional inferior, qualidade de vida relacionada à saúde, escores psicológicos e qualidade de vida”, disseram os autores.
 
IDADE X TELAS
Outra descoberta importante do estudo: a correlação entre os efeitos negativos do tempo de tela e a idade do usuário. Os pesquisadores descobriram que a exposição intensa à tela entre crianças mais novas teve um efeito mais severo em sua saúde geral, já que o tempo de tela interrompeu as interações pais-filhos e a qualidade das brincadeiras infantis.
 
TELA X PANDEMIA
Nossos filhos estão muito mais na TV para podermos trabalhar no formato home office, muito mais nos computadores para fazerem suas aulas. Ninguém tem que ser super herói nesse período! Mas para não perdermos o tempo delicioso de ficar com eles e todos se sentirem melhor, podemos direcionar uma horinha do dia para sair com segurança e pisar na grama, mexer nas plantinhas, passear na pracinha com o cachorro e manter esse hábito após a pandemia.

Embora os pesquisadores continuassem a encorajar mais pesquisas, uma de suas descobertas foi clara: a natureza pode ser atualmente um recurso de saúde pública subutilizado. Então, vamos aderir: mais verde, menos tela, pois é uma fórmula simples, barata e eficaz.
 
Fontes: SocienceDaily e Courthouse News

*Este conteúdo é de responsabilidade do autor e não representa, necessariamente, a opinião do Diário de Uberlândia.


 

Tags »
Relacionadas »
Comentários »