08/08/2020 às 09h36min - Atualizada em 08/08/2020 às 09h36min

A riqueza da amamentação figurada no “agosto dourado”

TÚLIO MENDHES
A cor dourada está relacionada como a cor da sabedoria interior, da qualidade e da riqueza. É vista com prestígio, luxo e riqueza material. Na faculdade de marketing aprendi a importância de usar o dourado nos produtos ou serviços que são caros e exclusivos.

Bom! Hoje caracterizo essa riqueza, qualidade e exclusividade ao dom do aleitamento materno produzido e oferecido durante e pós-gestação. Nenhum suplemento infantil pode ser comparado ao padrão ouro de qualidade do leite materno. O mês de agosto foi escolhido para receber o “laço dourado”, uma simbologia fomentada à proteção e apoio a prática da amamentação.

Rico em propriedades que fortalecem o sistema imunológico do bebê, esse alimento natural ajuda prevenir infecções e desenvolvimento de alergias. Isso sem falar do fundamental vínculo afetivo estabelecido logo após o nascimento, quando se coloca a mãe para dar a primeira “mamada” para o bebê. Sem delongas, o leite materno apresenta uma composição nutricional balanceada que não necessita da complementação de outros alimentos nas fases iniciais do desenvolvimento do bebê. Nutrientes como proteínas, carboidratos e lipídios estão presentes no leite materno, bem como anticorpos, enzimas, substâncias antimicrobianas e anti-inflamatórias. Amamentar a criança imediatamente após o nascimento pode reduzir a mortalidade neonatal – geralmente e infelizmente que pode acontecer até o 28º dia de vida.

O leite materno é tão rico que não da para listar todas os benefícios, mas alguns deles são o auxílio na  atenuação das cólicas na criança, prevenção de diabetes, hipertensão e outras doenças crônicas, além do desenvolvimento do intelecto do bebê, etc. Para as mães, hoje é sabido que a amamentação reduz o risco de câncer de mama, principalmente se iniciada na primeira hora após o parto, estimulando a liberação de ocitocina ou o hormônio responsável pela contração uterina, fazendo o sangramento pós-parto diminuir e o útero voltar ao tamanho natural mais rapidamente.

Reforçando o comentado anteriormente, pesquisas recentes demonstram que a amamentação não é uma simples alimentação para o bebê, mas sim um sistema complexo, contendo elementos de defesa e nutrição. O leite materno também fornece hormônios e micróbios benéficos ao intestino infantil. Esses microrganismos, especialmente algumas bactérias  como os lactobacilos e as bifidobactérias, são demasiadamente importantes componentes repletos de bons micróbios importantes para o bebê.

Logo que o bebê nasce, tanto ele quanto a mãe, juntos, aprenderão a amamentar e receber o leite. É supernatural que o bebê apresente alguns reflexos, colocando-o na condição de “aprendiz” do sugar. O movimento que ele faz com a boquinha e com as articulações para extrair, puxar o leite da mama é totalmente diferente do que ele faz com os bicos artificiais recomendados apenas em casos extremos. Lembrando que o movimento feito no bico postiço é bem mais fácil e por isso pode sim haver recusa do leite materno, o dramático desmame precoce.

Quando discutimos a riqueza da amamentação, não podemos de modo algum deixar de falar sobre o encorajamento, o estímulo e apoio prático que deve ser ancorado pela família, principalmente do marido, além dos agentes de saúde, da mídia num todo e dos empregadores. Sim, os empregadores precisam respeitar os intervalos dedicados às mamadas que as mamães e os bebês têm como direito assegurado no artigo 396 da CLT, ou seja, a dois descansos dedicados a amamentação. Sendo esses intervalos de meia hora cada um até que a criança complete seis meses de idade.

Por fim, o Ministério da Saúde e a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomendam que até os seis meses o aleitamento seja exclusivo e que pode estender-se até aos dois anos ou mais, nesse caso complementado com outros alimentos. Conclusão, o dom, o prestígio, a riqueza e exclusividade figurada nesta coluna, através da amamentação, vai muito, muito além do verbo nutrir. Tem a ver com qualidade da saúde mental da mulher-mãe, tem a ver ainda com dentre outros benefícios o restabelecimento do organismo pós-parto. O mais importante de todos é a ligação, o incondicional relacionamento entre mãe e filho.





Este conteúdo é de responsabilidade do autor e não representa, necessariamente, a opinião do Diário de Uberlândia.




 
Relacionadas »
Comentários »