22/02/2020 às 08h00min - Atualizada em 22/02/2020 às 08h00min

Mas eu vi na internet...

IARA BERNARDES

Semana passada conversamos sobre como a maternidade é um trabalho a ser desempenhado com amor e responsabilidade. Sendo assim, voltamos à analogia para falar sobre as responsabilidades que temos nesse trabalho árduo e prazeroso.

Como em todo trabalho, precisamos seguir regras, protocolos e planejamento para se obter o sucesso e, nessa empreitada que é a maternidade, não é diferente, sendo que a principal regra aqui é manter o “projeto” saudável. Para isso, alguns caminhos podem ser escolhidos, mas outros devem ser mantidos rigorosamente a fim de manter seu filho com a saúde em dia. Porém, algumas condutas andam sendo questionadas e muitas vezes ignoradas pelas famílias, como por exemplo, não seguir o calendário de vacinação do Ministério da Saúde. Mas por que a mãe que gestou sua cria durante tantas semanas, com cuidado e amor deixa de seguir um protocolo tão importante? Algumas dizem que viram na internet que certas vacinas podem causar autismo, outras alegam que receberam uma mensagem no WhatsApp falando que outra vacina pode causar hemorragia intestinal, ou pior, que as vacinas são apenas plantadas pela indústria farmacêutica para lucrar com a doença de seus filhos.

Essa semana, mais uma criança foi vítima fatal do Sarampo, doença que já havia sido considerada erradicada no Brasil. Nesse caso, em específico, a criança, por ter apenas 8 meses, não havia passado pela imunização orientada pelo Ministério, então alguns podem questionar que o calendário não é eficaz. Mas não é bem assim que funciona, se formos refletir com um pouco mais de cuidado, podemos concluir que alguém que esteve próximo à criança a infectou, ou seja, provavelmente não passou pelo programa vacinal. Por isso, manter o cartão de vacinas atualizado é tão importante, porque não se trata apenas da saúde dos nossos filhos, mas da saúde de toda a comunidade, é uma responsabilidade social, uma questão de amor ao próximo, independente de quem ele seja.

Quando a família não cumpre com seu dever em relação à saúde de seus filhos, ela não está colocando em risco apenas os seus, mas todos aqueles que convivem com eles, seja na rua, na escola, na creche ou em qualquer lugar. Você sabia que uma pequena parcela da população não consegue ter uma imunização eficaz contra o sarampo, por exemplo? Isso significa que mesmo estando com as duas doses da vacina em dia, essa criança pode contrair a doença e morrer. Como você, que não vacina seu filho, pode ajudar a evitar que outros pais sofram com a morte de seu pequeno mesmo tendo feito tudo certinho? A única maneira é deixar o seu pequeno com o cartão em dia, bonitinho, cheio daqueles lindos carimbos e etiquetazinhas que enfeitam a Caderneta de Saúde da Criança. E para isso nem precisa enfrentar horas em filas ou gastar horrores em clínicas de vacinação, basta ir ao posto de saúde mais próximo da sua casa, com a caderneta em mãos que lá você receberá todas as orientações sobre vacinas e a saúde do seu bebê. E isso não é Fake News, aqui em casa todos os meus três projetinhos são vacinados no postinho e não podemos reclamar de absolutamente nada, sempre fomos muito bem atendidos, com orientações precisas sobre a vacinação e todas as outras dúvidas que tive e tenho ao longo dessa minha jornada de trabalho materno.

Além disso, é importante lembrar que crianças devem fazer acompanhamento regular com pediatra, para que o desenvolvimento e saúde sejam checados com frequência, assim você protege seu melhor projeto com a eficiência de um grande desafio profissional, reduzindo o stress no trabalho Maternidade.

*O conteúdo desta coluna é de responsabilidade do autor e não representa, necessariamente, a opinião do Diário de Uberlândia.















 

Tags »
Relacionadas »
Comentários »