06/10/2019 às 14h30min - Atualizada em 06/10/2019 às 14h30min

Quedas na renda salarial podem afetar o cérebro

ANGELA SENA PRIULI

Nesta semana vamos saber como a ciência analisa os impactos da crise econômica em nossa saúde... E a chamada é: jovens adultos que experimentam queda de renda anual de 25% ou mais podem ter mais risco de ter problemas de raciocínio e reduzir a saúde do cérebro na meia-idade, de acordo com um novo estudo.

"A volatilidade da renda está em um nível recorde desde a década de 1980 e há evidências crescentes de que pode ter efeitos generalizados na saúde, mas as políticas que pretendem suavizar mudanças imprevisíveis de renda estão sendo enfraquecidas em muitos países", disse a autora do estudo Leslie Grasset, PhD, do Centro de Pesquisa Inserm em Bordeaux, França. O estudo exploratório acompanhou os participantes nos Estados Unidos durante a recessão no final dos anos 2000, quando muitas pessoas experimentaram instabilidade econômica. Os resultados fornecem evidências de que maior volatilidade e mais quedas de renda durante os anos de pico estão ligadas ao envelhecimento não saudável do cérebro na meia idade.

Para isso, a pesquisa envolveu 3.287 pessoas com idades entre 23 e 35 anos no início do estudo e que foram incluídas no estudo de desenvolvimento de risco de artéria coronariana em adultos jovens (CARDIA), que inclui uma população racialmente diversa. Os participantes relataram sua renda familiar anual, de 1990 a 2010. Os pesquisadores examinaram a frequência com que a renda caiu, bem como a porcentagem de variação na renda entre 1990 e 2010 para cada participante. Com base no número de quedas de renda, os participantes se dividiram em três grupos: 1.780 pessoas que não tiveram queda de renda; 1.108 que tiveram uma queda de 25% ou mais em relação à renda anterior; e 399 pessoas que tiveram duas ou mais dessas gotas.

Então, os participantes receberam testes de cognição e memória que mediram o quão bem eles concluíram as tarefas e quanto tempo levou para concluí-las. Os pesquisadores descobriram que pessoas com duas ou mais quedas de renda tiveram desempenho pior ao concluir as tarefas do que pessoas sem queda de renda. Em média, eles tiveram pior pontuação em 2,8%. Para que tenhamos referência, esse desempenho ruim é maior do que o normalmente observado devido aos anos de envelhecimento, o que equivale a uma pontuação pior em apenas 0,53%. Os participantes com mais quedas de renda também tiveram uma pontuação pior em quanto tempo levou para concluir algumas tarefas. É importante ressaltar que os resultados foram os mesmos depois que os pesquisadores ajustaram outros fatores que poderiam afetar as habilidades de pensamento, como pressão alta, nível de educação, atividade física e tabagismo.

Do grupo de estudo, 707 participantes também tiveram exames cerebrais com ressonância magnética no início do estudo e 20 anos depois para medir o volume total do cérebro e os volumes de várias áreas do cérebro. Os pesquisadores descobriram que, quando comparadas às pessoas sem queda de renda, pessoas com duas ou mais quedas salariais apresentaram menor volume cerebral total. Pessoas com uma ou mais quedas de renda também tiveram conectividade reduzida no cérebro, o que significa que havia menos conexões entre diferentes áreas do cérebro.

Qual a explicação para tanta perda?

Podem haver várias explicações sobre por que uma renda instável pode influenciar a saúde do cérebro, incluindo pessoas com renda inferior ou instável podem ter acesso reduzido a serviços de saúde de alta qualidade, o que pode resultar em pior gerenciamento de doenças como diabetes, ou gestão de comportamentos prejudiciais, como fumar e beber. Mas, embora o estudo não prove que as quedas na renda causam saúde cerebral reduzida, ele reforça a necessidade de estudos adicionais que examinem o papel que os fatores sociais e financeiros desempenham no envelhecimento cerebral e em toda nossa saúde.
Enquanto não podemos mudar nosso cenário, vamos tentar melhorar os hábitos de vida que estão ao nosso alcance?
 
Fonte:
Leslie Grasset, M. Maria Glymour, Tali Elfassy, Samuel L. Swift, Kristine Yaffe, Archana Singh-Manoux, Adina Zeki Al Hazzouri. Relation between 20-year income volatility and brain health in midlife The CARDIA study. Neurology, 2019
American Academy of Neurology. "Drops in income may not only hurt the wallet, they may harm the brain: Unsteady income in young adulthood linked to thinking problems in middle age." ScienceDaily. <www.sciencedaily.com/releases/2019/10/191002160407.htm>.
 

*O conteúdo desta coluna é de responsabilidade do autor e não representa, necessariamente, a opinião do Diário de Uberlândia.

Tags »
Relacionadas »
Comentários »