15/09/2019 às 14h00min - Atualizada em 15/09/2019 às 14h00min

Por que engordamos quando envelhecemos?

ANGELA SENA PRIULI

Muitas pessoas lutam para controlar seu peso à medida que envelhecem. Agora, uma nova pesquisa no Karolinska Institutet, na Suécia, descobriu o motivo: a quebra da gordura (lipídios) no tecido adiposo diminui durante o envelhecimento e facilita o ganho de peso, mesmo que a gente não coma mais ou não deixe de se exercitar como antes.

O que eu quis dizer com quebra da gordura? Normalmente, usamos como fonte de energia para o funcionamento do organismo as móleculas de gordura (triglicerídeos e ácidos graxos) que estão depositadas em nossas regiões de reserva, ou seja, na bainha das costas, meio das pernas ou qualquer outro lugar do corpo que tenhamos uma gordurinha. Por meio do metabolismo lipídico, orquestrado por hormônios, ocorre a quebra dessa "gordurinha" em pequenas moléculas e elas caem na circulação para chegar nos músculos ou outros órgãos que precisem de energia. Quando nos alimentamos, essas moléculas voltam a ser armazenar nas células do tecido adiposo, levando a renovação dessas regiões de gordurinha.

O estudo que demonstra a alteração desse metabolismo durante o envelhecimento foi publicado na revista Nature Medicine, e os cientistas estudaram as células de gordura em 54 homens e mulheres durante um período médio de 13 anos. Nesse período, todos os indivíduos, independentemente de terem ganhado ou perdido peso, apresentaram reduções na renovação lipídica (depósito de gordura) no tecido adiposo, que é a taxa na qual os lipídios (ou gorduras) são novamente armazenados nas células adiposas. Aqueles que não compensaram isso comendo menos calorias ganharam em média 20% de peso ao longo dos anos.

Os pesquisadores também examinaram a renovação lipídica em 41 mulheres submetidas à cirurgia bariátrica e como isso afetou sua capacidade de manter o peso reduzido pós-cirurgia ao longo de quatro a sete anos após a cirurgia. O resultado mostrou que apenas aqueles que tinham uma taxa de renovação baixa antes da cirurgia conseguiram aumentar a rotatividade de lipídios e manter a perda de peso.

"Os resultados indicam, pela primeira vez, que os processos em nosso tecido adiposo regulam as alterações no peso corporal durante o envelhecimento de maneira independente de outros fatores", diz Peter Arner, professor do Departamento de Medicina de Huddinge, no Karolinska Institutet e um dos principais autores do estudo. Estudos anteriores mostraram que uma maneira de acelerar a rotatividade lipídica no tecido adiposo é exercitar-se mais. Esta nova pesquisa apoia essa noção e indica ainda que o resultado a longo prazo da cirurgia para perda de peso melhoraria sim, mas se combinado com o aumento da atividade física.
Resumindo: ao longo do tempo as gordurinhas parecem "grudar" na gente e todo mundo nota isso. Agora está claro: milagres não existem, então vamos nos alimentar sem exageros e praticar exercícios regularmente sem chorar e até o fim da vida, porque esses hábitos devem fazer parte de nossas vidas como respirar e dormir. Força para nós!

Fonte: P. Arner, S. Bernard, L. Appelsved, K.-Y. Fu, D. P. Andersson, M. Salehpour, A. Thorell, M. Rydén, K. L. Spalding. Adipose lipid turnover and long-term changes in body weight. Nature Medicine, 2019; 25 (9): 1385.

*O conteúdo desta coluna é de responsabilidade do autor e não representa, necessariamente, a opinião do Diário de Uberlândia.

Tags »
Relacionadas »
Comentários »