03/11/2021 às 16h22min - Atualizada em 03/11/2021 às 16h22min

Polícia Civil aponta dívida de R$ 20 milhões como motivação de assassinato de empresário em Uberlândia

Inquérito do crime, que ocorreu em 2017, foi concluído e quatro suspeitos foram identificados

DA REDAÇÃO
Polícia Civil realizou uma coletiva de imprensa nesta quarta-feira (3) para falar sobre o caso | Foto: PCMG/DIVULGAÇÃO

Uma dívida em torno de R$ 20 milhões está sendo apontada pela Polícia Civil como motivação do assassinato do empresário Cairo Luiz Mendes Borges, ocorrido em outubro de 2017, em Uberlândia. O inquérito do caso foi concluído e apontou quatro suspeitos do crime, sendo que dois foram indiciados. 

Segundo a Polícia Civil, o mandante do crime era um empresário de 73 anos, que morreu de causas naturais no dia 10 de setembro deste ano, um mês antes da finalização do inquérito. Os outros três investigados auxiliaram no planejamento do crime. Entre eles estão um policial civil aposentado e um policial militar, que foi assassinado pouco tempo depois do crime.

O delegado do Departamento Estadual de Investigação de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Guilherme Catão, explicou que a equipe dividiu as investigações em duas linhas, sendo a primeira para identificar o mandante e os responsáveis pelo planejamento do crime, e uma segunda referente aos executores do assassinato. Por ora, a polícia já sabe que esses executores são do estado de Goiás. As investigações sobre o envolvimento desses indivíduos continuam.

MOTIVAÇÃO


A polícia acredita que o mandante do crime pretendia matar a vítima, que possuía um escritório de execuções judiciais na cidade, visando o pagamento de uma quantia menor da dívida ao sócio dela. A vítima era conhecida por ser rígida nas cobranças e não aceitava negociar os valores. Após a morte do empresário, o suspeito alinhou o pagamento de R$ 400 mil com o sócio da vítima, o que chamou a atenção do cartório.

Segundo o chefe da Divisão Especializada em Investigação de Crimes Contra a Vida (DICCV), Frederico Abelha, o mandante passou a dizer que preferia matar a vítima a pagar a dívida que ele estava cobrando. Desta forma, o suspeito decidiu contratar outras três pessoas, sendo um policial civil aposentado, um policial militar da ativa e uma terceira pessoa com vasto histórico criminal para auxiliarem no planejamento e contratação dos executores.

Inicialmente, foram abordados dois homens de Uberlândia, que se negaram diante do valor oferecido, que era de R$ 50 mil. Diante disso, foram contratados indivíduos do estado de Goiás. No entanto, no início de 2018, esses dois homens de Uberlândia teriam matado o policial militar que tentou a contratação deles. Durante a operação do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), a dupla foi presa pelo crime, o qual confessou. Os suspeitos ainda relataram a tentativa de contratação deles para a execução do empresário.

“Em função da complexidade da investigação, por envolver indivíduos com alto poder aquisitivo da cidade e agentes públicos na execução desse delito, houve o deslocamento da competência de apuração para a sede do DHPP em Belo Horizonte, que assumiu as investigações em 2020”, explicou a chefe do Departamento, Letícia Gamboge, ao ressaltar ainda o empenho da equipe, que se deslocou por diversas cidades de Minas Gerais, São Paulo e Goiás visando a apuração dos fatos.

CRIME
Cairo Luiz Mendes Borges foi assassinado a tiros no dia 5 de outubro de 2017, no bairro Vigilato Pereira. O empresário estava dirigindo um carro quando foi atingido por um tiro no peito e acabou perdendo o controle do veículo, vindo a bater em um poste. 

Na época, testemunhas viram um carro preto trafegar em alta velocidade após o crime. Momentos depois, os policiais militares encontraram o veículo abandonado e em chamas. No interior do automóvel foram encontradas munições.

Após dois anos da morte do empresário, a cidade recebeu diversos outdoors com a
campanha “Quem Matou Cairo”. Os painéis foram instalados pela família da vítima que cobrava justiça pelo assinato do homem. 

 

 

Notícias Relacionadas »
Comentários »