19/05/2021 às 16h15min - Atualizada em 19/05/2021 às 16h15min

Mercado de eletrônicos registra alta nas vendas em Uberlândia

Mesmo com preços supervalorizados, com aumento de até 300%, demanda segue alta; lojas registram aumento na procura

BRUNA MERLIN
Loja Online registrou aumento na procura de notebooks, webcams e cadeiras | Foto: Divulgação

O mercado de eletrônicos vem se tornando cada vez mais promissor com o passar dos anos e durante a pandemia do novo coronavírus esse cenário não mudou. Mesmo com os preços supervalorizados, lojas de Uberlândia registraram aumento na procura e venda de produtos. 

 

A adaptação ao home office e o investimento em diversão através de jogos para distração do isolamento social são os principais motivos que fomentaram o setor durante a pandemia. Segundo o gerente da loja Online em Uberlândia, Alysson Ribeiro Borges Silva, a loja registrou um aumento de 25% na quantidade de vendas de itens eletrônicos e acessórios. 

 

Os produtos mais procurados no estabelecimento de Alysson foram notebooks, webcam e cadeiras. “As pessoas estão procurando investir mais em produtos de qualidade para conseguir trabalhar de casa. Antes, elas tinham equipamentos que não eram suficientes e não tinham um desempenho bom para o trabalho. Com o home office, isso mudou”, destacou.

 

A elevação no número de vendas também foi algo percebido pelo dono da loja Tibuff, Fabrício Carvalho Pacheco. A loja é especializada em computadores profissionais e registrou um aumento na procura desses produtos, principalmente entre pessoas que procuram por distração no período de distanciamento social por meio de games online.

 

“Desde o início da pandemia estamos tendo aumento mês a mês. A cada mês a média de acréscimo das vendas é de 10% a 15%”, complementou.

 

PREÇOS

O aumento exorbitante no preço dos produtos eletrônicos era algo que preocupava os comerciantes. Contudo, mesmo com acréscimo de quase 300% no valor de alguns itens, o mercado não contabilizou prejuízos e a demanda continuou crescendo.

 

Conforme dito por Alysson Ribeiro Borges Silva, gerente da Online, os produtos que mais tiveram alta no preço em sua loja foram as placas de vídeo, monitores e notebooks. “O aumento no valor desses itens girou em torno de 200% a 300%. Foi uma elevação muito significativa”, explicou.

 

Na loja Tibuff a situação não foi diferente. De acordo com o proprietário, Fabrício Pacheco, as placas de vídeo tiveram um aumento de 300% no preço, as memórias registraram 100% de aumento, os SSDs foram 60% e os gabinetes simples registraram 50% de elevação no valor. “Todos os produtos tiveram um acréscimo no valor, alguns menos e outros mais”, frisou.

 

Para o mecânico, Gladyston Moreira de Oliveira, de 23 anos, a situação dos preços não é tão favorável. Ele gosta de jogar videogame e até investiu em um canal para transmitir os jogos, mas se assustou com os valores quando foi comprar os equipamentos necessários.

 

“Montei um novo computador na pandemia então precisei comprar diversas peças que são um absurdo de caras, especialmente a placa de vídeo. Foi um susto muito grande”, disse. 

 

Os dois empresários acreditam que os principais fatores para a supervalorização dos preços são: aumento do dólar já que muitos aparelhos são importados, aumento da demanda e a falta de produtos devido ao fechamento de diversas indústrias e a demissão em massa de funcionários.

 

“Tudo isso influencia e forma uma combinação de motivos para a elevação dos valores dos produtos finais”, ressaltou Alysson Borges.

 

Por fim, o representante da Tibuff afirmou que o cenário deve continuar pelos próximos meses já que o mercado de eletrônicos inova e cresce a cada dia. “A tendência é que a demanda por esses itens cresça a cada ano porque é o futuro”, concluiu.


Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »