26/08/2020 às 11h26min - Atualizada em 26/08/2020 às 11h26min

Agências de viagens retomam atividades com promoções para estimular vendas em Uberlândia

Empresas registraram queda significativa durante o primeiro semestre do ano; destinos brasileiros são os mais favoráveis aos clientes

BRUNA MERLIN
Home Tour teve 100% das vendas paradas entre os meses de março e maio, segundo Fabrício De Assis Medeiros | Foto: Divulgação
As atividades turísticas no Brasil foram bruscamente impactadas pela pandemia da Covid-19. Durante quase seis meses fechadas, as agências de viagens em Uberlândia registraram uma queda brusca nas vendas de pacotes nunca vista nos últimos anos. Entretanto, o setor já está conseguindo dar a volta por cima e retomando aos trabalhos com novos comportamentos de venda, incluindo promoções, mesmo que a recuperação total seja lenta.

Segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), o turismo já deixou de faturar cerca de R$ 153 bilhões desde a segunda quinzena de março até o fim de julho. Essa totalidade inclui as redes de hotelaria, companhias aéreas, agências de viagens e outras empresas que fazem parte das engrenagens do mercado. 

Em Uberlândia, a La Nave Tour registrou uma queda de quase 90% no número de procura e venda de viagens no primeiro semestre de 2020. Além disso, mais de 80% das viagens de lazer que estavam marcadas para este ano foram canceladas ou adiadas pelos clientes.

“São números muito altos que nunca tínhamos presenciado antes. O segmento nunca sofreu tanto assim e a recuperação total está longe de acontecer. O setor pode levar até três anos para se estabilizar”, destacou o agente de viagens, Lucas Resende. 

A situação também se repetiu na agência Trade Turismo. Segundo a consultora de lazer, Márcia Ramos, mesmo que setor volte aos eixos de forma gradativa, ele ainda sofrerá dificuldades neste ano. 

Ao Diário, a profissional explicou que em tempos normais as pessoas utilizavam os meses de agosto e setembro para fechar viagens de fim de ano e réveillon. Mas, o cenário será diferente neste ano. 

 
“São as datas com maior procura nas agências. Pouquíssimas pessoas procuraram ou fecharam pacotes porque ainda não existe a garantia de uma vacina ou tratamento para a doença. É uma situação atípica e que continuará prejudicando o setor”, complementou. 

OPORTUNIDADES
As portas para as atividades turísticas estão começando a abrir com a flexibilização do isolamento social. Em razão disso, as agências de viagens junto aos hotéis e companhias aéreas estão apostando em promoções para conquistar os clientes que já pensam em programar um passeio para o ano que vem. 

A Home Tour teve 100% das vendas paradas entre os meses de março e maio. Agora, a agência está recorrendo às oportunidades e oferecendo descontos aos viajantes para tentar esquentar novamente as atividades. “As operadoras de voos, assim como os hotéis, reduziram o valor das tarifas e os valores de pacotes estão mais atrativos. É um ótimo momento para investir em viagens”, disse o agente de viagens, Fabrício De Assis Medeiros.

Os destinos brasileiros, principalmente as praias nordestinas, são os mais favoráveis e os descontos podem chegar até 50%. Algumas companhias aéreas chegam a oferecer promoções maiores para crianças e famílias grandes. 

“Essas promoções já estão chamando a atenção de muitas pessoas, especialmente porque é uma oportunidade para o ano que vem. E vale reforçar que tudo é feito com segurança. Os hotéis estão funcionando com menos apartamentos e as companhias ofertando o máximo de segurança possível aos passageiros”, frisou Fabrício. 

FUTURO
Para o futuro, o setor de turismo espera que a totalidade dos serviços e atividades seja retomada a partir do mês de março do ano que vem, quando a proliferação da Covid-19 começar a ser controlada. De acordo com o agente de viagens da La Nave Tour, Lucas Resende, o setor de turismo será muito requisitado e lembrado pela população quando a situação da doença cessar.

“Quanto tudo isso acabar, as pessoas irão perceber a importância da qualidade de vida. Ficaram tanto tempo isoladas que irão ter interesse em viajar para lazer e guardar experiências e memórias”, comentou. 

Agente da La Nave Tour, Lucas Resende diz que o setor passou por dificuldades nunca enfrentadas antes  | Foto: Divulgação 

A expectativa é que os destinos brasileiros e os países da América do Sul sejam os mais escolhidos no primeiro momento. As escolhas dos viajantes ainda serão mais contidas em razão da preocupação financeira que foi fortemente elevada com a pandemia.

“Isso não é um ponto negativo porque irá movimentar e alavancar a economia local. Os destinos mais procurados continuarão sendo o nordeste e o sul do país”, concluiu Resende.


VEJA TAMBÉM:
 

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »