11/04/2020 às 09h00min - Atualizada em 11/04/2020 às 09h00min

MUnA sob o olhar de numa nova gestão

Tatiana Ferraz quer manter museu ativo durante isolamento social e desenvolve outros projetos para o local

IGOR MARTINS
Exposição Luciano Vinhosa, 2019, na galeria Central do MUnA | Foto: Eduardo Cardoso
Tatiana Ferraz é daquelas artistas com muita história para contar. Formada em Artes Plásticas pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) e em Arquitetura pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) da Escola da Cidade, a paulistana já trabalhou na catalogação em exposições de artistas como Alfredo Volpi e Tarsila do Amaral. Além disso, durante seus dez anos de experiência nesta área, teve projetos no Museu do Holocausto, Museu do Perfume e no Museu do antigo Táxi Aéreo Marília (TAM).

Há quatro anos, Tatiana passou em um concurso para dar aulas de escultura no departamento de artes visuais da Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e se mudou para a cidade. No dia 2 de abril, assumiu a gestão do Museu Universitário de Arte (MUnA) com o desafio de manter o local ativo durante o período de isolamento social e abrir cada vez mais os horizontes do museu.

A relação entre Ferraz e o MUnA começou quando a mestre em História da Arte pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA) e doutora em História e Fundamentos da Arquitetura e do Urbanismo pela USP recebeu um convite da antiga gestora do museu, Nikoleta Kerinska, em 2018, para ajudar na organização de todo o acervo do local, que tem mais de 700 obras.

“Há dois anos eu tenho participado desta atividade que é tão importante em um museu. Temos um protocolo para catalogar as obras e hoje todas estão catalogadas e inventariadas. Dentro do acervo nós já temos uma ideia de quantas gravuras possuímos, pinturas, esculturas e a conseguimos identificar até mesmo a tipologia dos itens”, disse.

Mestre em História da Arte pela USP fala sobre planos e desafios do local | Foto: Marco Paraná

MUNA ONLINE
Um dos projetos que Tatiana deseja implementar é o “MUnA Online, do museu para o mundo”. Segundo ela, a ideia da iniciativa é tornar visível todo o acervo do museu para as pessoas conhecerem não apenas fisicamente, mas também pelos meios digitais.

O programa foi aplicado no Programa Municipal de Incentivo à Cultura (PMIC) ano passado e o ideal era que ele fosse finalizado e publicado em agosto, mas o cronograma deve alterar por conta do isolamento social devido à pandemia do novo coronavírus.

“É um projeto muito bacana que eu quero tocar. Ele é importante porque em todos os grandes museus a gente consegue acessar o acervo, principalmente os museus públicos”, afirmou.

Na opinião da nova gestora, a tarefa permitirá que toda a população faça buscas específicas no site do museu. Isso, de acordo com ela, só foi possível graças aos trabalhos de catalogação feitos durante seus dois anos de trabalho. O próximo passo para melhorar o projeto é criar uma base de dados para atualizar informações de obras de maneira constante. “Essa base de dados vai ajudar a gerenciar esse acervo que é relativamente grande. Às vezes emprestamos obras para outros museus e vice-versa, então a gente precisa controlar esse acervo”, explicou.

Ainda dentro do projeto MUnA Online, um projeto piloto está sendo desenvolvido pela equipe de colaboradores para criar um material para ser acessado pela internet, voltado principalmente para escolas. A ideia é convidar cinco artistas para criarem uma obra. Para cada obra será gerado um material didático que será disponibilizado virtualmente para que os docentes possam trabalhar várias propostas em sala de aula, dando um motivo maior para que eles visitem o acervo com os estudantes.

“Um mini documentário de cinco minutos também será desenvolvido junto com esse material. Teremos depoimentos do artista ou de historiadores de arte. Vamos fazer uma explicação da obra. O vídeo é uma ferramenta muito potente e por isso optamos por trabalhar neste formato. A gente quer deixar o MUnA mais conhecido na cidade”, disse Ferraz.

PLANO MUSEOLÓGICO
O Plano Museológico é outra iniciativa a ser implementada no museu durante a gestão de Tatiana. Previsto por lei pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), ele é uma espécie de planejamento estratégico que o museu deve ter a cada cinco anos. Dentro deste período, o plano deve ter missões, visão, prioridades, deficiências e oportunidades do museu, algo que ainda não foi implementado em gestões anteriores.

Por meio de um edital interno da UFU, o MUnA daria início à implementação ainda no primeiro semestre, mas com as complicações da Covid-19 a ideia é que o planejamento tenha início a partir de agosto. O museu conseguir aprovar a contratação de uma museóloga que viria a Uberlândia em abril para ajudar no diagnóstico do local e a legalização do único espaço destinado especialmente às artes plásticas do Triângulo Mineiro.

“A museóloga vem, conversa com a equipe, entende como o museu está em termos de pessoas, equipamentos, espaço físico, o entorno, o bairro, questões de segurança. Somos obrigados a ter o planejamento por lei e isso ajuda a gente em vários editais. Vários conselhos nacionais e internacionais pedem o plano museológico para que nós possamos aplicar para algum edital”, afirmou a gestora.

MUNA COM VOCÊ
Um dos principais desafios de Tatiana é manter o MUnA ativo durante o período de isolamento social. Para isso, a equipe do museu tem elaborado uma iniciativa para mantê-lo na ativa, apesar de fechado. Segundo a paulistana, as redes sociais são o principal recurso para que isto aconteça.

Começou na quinta-feira (9) o “Muna com você”, que é a postagem de conteúdos do acervo do museu. A ideia é que a cada dia algo seja postado, com três assuntos frequentes: acervos, retrospectivas e postagens de “museu em debate”.

O primeiro nada mais é do que a seleção de alguma obra com comentários sobre a produção. Já o segundo relembrará exposições que passaram pelo MUnA nos dois últimos anos, conhecido como o “throwback Thursday”, o “tbt”, conhecido nas redes sociais como uma hashtag para marcar fotos que se referem ao passado. O último assunto apresentará assuntos variados sobre museus, com depoimentos e dicas de como montar uma exposição, por exemplo.

O museu universitário terá ainda lives com artistas e curadores ao longo do ano. Já estão confirmadas as presenças de Gleison e Alan, que têm exposições marcadas para o primeiro semestre no MUnA, bem como o curador Marco Antônio Paschoalini. “Será um bate-papo com pessoas das artes para falarem sobre suas carreiras e mostrarem um pouco mais de seus trabalhos”, disse Tatiana.










 
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »