05/06/2019 às 08h10min - Atualizada em 05/06/2019 às 08h10min

Artista apresenta suas pinturas afro-brasileiras em Uberlândia

Flaviane Malaquias discute por meio de suas obras o racismo no Brasil

DA REDAÇÃO
Flaviane Malaquias é natural de Uberaba e reside em Uberlândia desde 2002 (Núbia Mota/Divulgação)
Para a artista e professora de artes de escola pública Flaviane Malaquias o racismo no Brasil ainda persiste e ela aborda o tema em forma de arte, no mês em que é comemorado os 131 anos de abolição da escravatura. Na exposição “Memórias de um tempo livre”, na ITV Cultural, a artista traz sete pinturas de representações afro-brasileiras.

Os trabalhos, feitos com recortes de adesivos vinílicos sobre folhas de PVC, trazem as silhuetas de registros fotográficos feitos por ela em Uberlândia durante a Festa da Congada, rodas de capoeira e nos terreiros das escolas de samba. Ainda há registros de viagens, como uma ao Rio de Janeiro (RJ), onde a artista conheceu o Grupo de Empoderamento Crespo e de Salvador (BA), onde fotografou vendedores de café no Pelourinho.

A exposição tem a curadoria da artista e coordenação da professora Aninha Duarte, fundadora Núcleo de Pesquisa em Pintura e Ensino (Nuppe), vinculado ao Instituto de Artes da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), do qual Flaviane faz parte.

Além da ascendência negra, Flaviane se interessa pelo tema étnico racial na vida profissional. Desde 2015, levanta a bandeira contra o racismo em suas representações artísticas e como professora.

“Fui barrada ao entrar em um hotel chique em São Paulo. Vejo muito, também, que meus alunos das áreas mais centrais de Uberlândia com dificuldade de aceitar a própria cor, como se fosse ruim. São tantas situações negativas, que eles não querem ser considerados negros. Já os alunos de periferia não se importam com isso, porque faz parte do cotidiano deles”.

Na periferia Flaviane trabalha, em sala de aula, com outros tipos de diferenças e dá a oportunidade para que jovens se abram, por meio da arte, e enfrentem uma série de outros problemas, como deficiência física, deficiência mental, gravidez na adolescência, uso de drogas, prostituição, abuso sexual, entre outros.

“Já vi de tudo em 10 anos de profissão. Existe uma desestrutura familiar grande em lugares mais pobres, mas lá não tem preconceito racial”, disse a artista plástica.

Flaviane Malaquias tem 35 anos, é natural de Uberaba e mora em Uberlândia desde 2002. Se formou em Artes Visuais pela UFU onde também concluiu mestrado em Artes e Educação em 2018. Durante a graduação morou em Melbourne, Austrália, onde estagiou no museu The Duldig Studio.
 
SERVIÇO

O QUE
: Exposição “Memórias de um tempo livre”
ARTISTA: Flaviane Malaquias
ONDE: ITV Cultural (Av. Getúlio Vargas 869, Centro)
QUANDO: Até o dia 14 de junho, de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h
ENTRADA FRANCA
INFORMAÇÕES
: 3230-7600
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »