22/05/2021 às 08h00min - Atualizada em 22/05/2021 às 08h00min

Agência de viagens é suspeita de estelionato e lavagem de dinheiro em Uberlândia

Vítimas relatam prejuízos ao contratarem pacotes turísticos para Natal (RN); Ministério Público vai investigar os casos

FERNANDO NATÁLIO
Segundo denúncia apresentada ao promotor Fernando Martins, quase 40 pessoas teriam sido lesadas I Foto: Arquivo Diário
O fechamento de uma agência de viagens em Uberlândia sem aviso prévio deixou uma série de vítimas com prejuízos financeiros. A empresa será investigada por suspeita de crimes de estelionato e de lavagem de dinheiro, segundo o promotor de Justiça Fernando Martins.
 
Uma das vítimas da agência Prime Viagens é a empresária Regiane Maria Barbosa. Ela já tinha desembolsado R$ 9.800 por três pacotes turísticos que contratou, sendo um deles para a sua família comemorar em Natal (RN), em novembro, o aniversário de 15 anos da filha.
 
“Estava pagando também por uma viagem de lua de mel, para Monte Verde (MG), neste mês de maio, que daria de presente de casamento para meu afilhado, e outra, para Gramado (RS), que faria em junho com meu esposo”, revelou Regiane.
 
Sem perspectiva momentânea de recuperação dos valores investidos, a empresária disse estar muito triste com o prejuízo e a perda das viagens e lamentou ainda mais por ter indicado a agência para outras pessoas. “Envolvi mais cinco famílias, totalizando 19 pessoas, por ter sugerido que contratassem pacotes para Natal nesta agência, pois eu tinha comprado pacote em dezembro do ano passado e deu tudo certo. Essas cinco famílias iriam acompanhar o aniversário da minha filha em novembro. É uma situação péssima”, explicou. “O que me deixa mais triste é por perder a viagem da minha filha e ter envolvido as outras famílias”, reforçou.
 
De acordo com a empresária, ela e outras 38 pessoas que teriam sido vítimas do golpe da agência, formaram um grupo que busca soluções para o problema. Entre essas outras vítimas está a assessora de casamento Luciana Maria Ramos Miranda, que havia investido quase R$ 12 mil em um pacote turístico completo para Natal (RN), de sete dias, previsto para junho.
 
“Em abril, decidimos remarcar a viagem porque ainda não sabíamos quando teriam vacinas para quem tem comorbidade. No dia 14/4, me atenderam na agência. Um mês depois, em maio, quando voltei a ligar para eles, já não consegui mais contato. Logo em seguida, fiquei sabendo que outras pessoas também estavam com a mesma dificuldade para falar na agência, que já estava com as portas fechadas”, revelou.
 
Segundo a assessora de casamento, a viagem que ela e a família fariam para Natal era um presente para sua mãe. “Íamos eu, meu marido, minha irmã e minha mãe. Estávamos pagando mensalmente. É um dinheiro suado. É muito desgastante o que está ocorrendo”, desabafou Luciana Miranda, que pagou pelo pacote turístico direto à agência. “Demos um valor como entrada, por meio de um depósito na conta da agência, e o restante foi pago com boletos.”
 
Ainda conforme Luciana Miranda, ela e as outras 38 pessoas do grupo que teria sido vítima do golpe da agência de viagens, já fizeram Boletim de Ocorrência junto à Polícia Militar (PM), uma representação na Polícia Civil (PC) pedindo a investigação do fato, além de terem contratado um escritório de advocacia para cuidar do caso. “Também vamos fazer uma representação no Ministério Público em busca de providências”, informou. 
 
MAIS CASOS
Nesta semana, o Diário de Uberlândia publicou uma reportagem que mostrava o caso de um homem, de 45 anos, que também teria sido vítima da agência Prime Viagens. Ele fez um boletim de ocorrência, na segunda-feira (17), relatando que a empresa fechou próximo a uma data de viagem para Natal (RN) que ele estava prestes a fazer. De acordo com informações da vítima para a Polícia Militar (PM), ele firmou contrato com a agência em novembro de 2020 e pagou R$ 1 mil de entrada. O restante do valor foi dividido em 12 vezes no boleto bancário.
 
O homem informou que, cerca de um mês antes da viagem, foi até a empresa para retirada dos vouchers do voo. No entanto, ao chegar no local, percebeu que a agência havia fechado e não o informou sobre o encerramento das atividades.
 
INVESTIGAÇÃO
O promotor de Justiça Fernando Martins afirmou que recebeu muitas reclamações por email sobre essa agência e, por isso, vai instaurar procedimento investigativo.

“Temos três nichos de atuação. Um deles é para apurar a responsabilidade criminal. Vamos pedir a abertura de inquérito para a Polícia Civil para investigar a suspeita de crimes de estelionato e de lavagem de dinheiro. Também vamos ter um processo administrativo pelo Procon Estadual, porque há rompimento de contratos de viagens, portanto, pode haver multa. E, por fim, depois das oitivas, haverá uma ação de reparação de danos na Justiça comum”, informou.
 
SEM RESPOSTA
O Diário tentou contato com a agência turística Prime Viagens por telefone, mas as ligações não foram atendidas.
 

VEJA TAMBÉM:
Levantamento aponta aumento de 18% na taxa de contaminação do coronavírus
Acidentes com motocicletas aumentam 33% em Uberlândia


 

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »