29/08/2020 às 08h00min - Atualizada em 29/08/2020 às 08h00min

Uberlandenses celebram o Dia Internacional do Gamer

Fãs de videogames falam sobre a nova geração e da paixão pelos consoles

IGOR MARTINS
A paixão pelos games de Jefferson já dura 22 anos | Foto: Arquivo Pessoal

Para muitos, é um hobby. Para outros, é uma total perda de tempo. Mas para quem realmente é fã, os videogames servem como uma espécie de melhor amigo. Seja para desestressar, relaxar ou simplesmente jogar conversa fora com os amigos em uma partida online, os games têm ganhado cada vez mais espaço nos lares e nos corações de quem deseja um momento de diversão em uma parte do dia.

O Dia do Gamer é comemorado internacionalmente no dia 29 de agosto, e 2020 não poderia ser um ano melhor para celebrá-lo. Afinal, além de ganhar notoriedade nos últimos anos também no mundo profissional, a celebração neste ano marca o fim de uma geração que entregou jogos inesquecíveis e que definitivamente deixará saudade para os gamers de todo o mundo.

Com os novos consoles chegando às lojas no fim do ano, o Diário conversou com gamers de Uberlândia, que deram suas opiniões a respeito dos atuais videogames e das novas plataformas que estão chegando. Na opinião de Filipe José da Costa Carneiro, a geração atual de consoles foi uma das que entregou as maiores inovações tecnológicas com jogos incríveis, considerados por ele como verdadeiras obras de arte.

“Os jogos desta geração podem ser facilmente confundidos com filmes. Um exemplo disso é o jogo ‘The Last of Us Part II’, com seus gráficos tão reais, que é facilmente capaz de embrulhar o estômago das pessoas mais sensíveis”, disse.

Carneiro contou em entrevista que joga videogame desde a época do PlayStation 1, ainda no início do século, e que o console marcou sua infância com grandes clássicos, como “Resident Evil 3”, “Crash”, “Driver”, “Medievil” e “Dino Crisis 2”. Agora, com o PlayStation 5 próximo de seu lançamento, o uberlandense espera ainda mais inovações e um mundo muito mais imersivo, mais próximo da realidade do que nunca.

Por fim, o estudante de direito comentou sobre o crescimento dos videogames nos últimos tempos. De acordo com ele, a evolução no mercado contribuiu para a diminuição do preconceito com profissionais e criadores de conteúdos de games. “Hoje, temos muitos atletas e streamers que são referência na área. O mercado de games virou uma meta de emprego para muitos jovens”, relatou.

A saga “The Last of Us” é uma das paixões de Filipe José no mundo dos games | Foto: Naughty Dog/Divulgação

 
DIVERSÃO SEM IDADE
Jefferson Ribeiro de Faria é outro entusiasta dos jogos eletrônicos. A história do programador com o videogame começou em 1997, quando aos 8 anos ganhou um Nintendo 64, console que ele guarda até hoje em sua coleção. Hoje, aos 30 anos de idade, ele conta que a paixão pelos games não diminuiu nem um pouco.

“Os games fazem parte do cotidiano de muitas pessoas. O videogame não tem idade, existem idosos que jogam, crianças, adolescentes e adultos. Os jogos também têm se tornado parte de rotinas acadêmicas. Por exemplo, os simuladores que antigamente eram jogos ou uma realidade aumentada, hoje fazem parte da inicialização de processos de direção”, relatou.

Fã de jogos de futebol, Role-Playing Game (RPG) e Multiplayer Online Battle Arena (Moba), o uberlandense disse que os videogames têm se tornado cada vez mais potentes e realistas. “Para quem começou jogando com 8 anos, hoje posso dizer que acompanhei diversas mudanças, entre elas gráficos, jogabilidade, interação e conquistas. Hoje temos grandes marcas produzindo consoles de grande capacidade, como a Sony com o PlayStation 5 e a Microsoft com o Xbox. A concorrência é uma boa corrida para nós gamers”, contou ao Diário.

Com a nova geração batendo na porta, Faria afirmou ainda que os jogos auxiliam no entretenimento e no desenvolvimento de várias pessoas, especialmente das crianças. Jogador de Pokémon Go, ele disse que é comum encontrar adultos e crianças que interagem entre si na captura dos monstrinhos. Ainda segundo ele, esse é o objetivo principal dos videogames: levar entretenimento e diversão para as mais variadas idades.

“Os jogos estão se tornando cada vez mais populares. Existem pessoas que acham que os jogos são uma perda de tempo ou algo inútil, mas a realidade é que os games proporcionam momentos únicos de diversão, principalmente com amigos e até desconhecidos”, finalizou.


VEJA TAMBÉM:

Banda uberlandense lança novo single nesta sexta-feira (28)


Grupontapé de Teatro inicia atividades online

 

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »