01/09/2019 às 10h01min - Atualizada em 01/09/2019 às 10h01min

Aumento da longevidade traz novas oportunidades no mercado de trabalho

Palestra em Uberlândia irá abordar necessidades e visões a empresas e trabalhadores

VINÍCIUS LEMOS
Pessoas acima dos 50 anos costumam ser muito motivadas, diz Nilton Molina | Foto:Divulgação
Da reforma da Previdência à visão de empresas para o mercado, inclusive a situação de seus próprios funcionários, o aumento da longevidade do brasileiro exige mudanças sociais e econômicas. Uma adequação ao cenário de uma população que vive cada vez mais. O assunto será o foco de uma palestra na próxima segunda-feira (2) em Uberlândia.

De acordo com o presidente do Instituto de Longevidade de uma seguradora multinacional, Nilton Molina, há exigências e oportunidades para um mercado cuja expectativa de vida média era de 62,6 anos em 1980 e hoje está em 76 anos. Sejam elas no trabalho ou para exigência de produtos que lhes atendam. “As empresas e indústrias deverão abrir os olhos para oferecer produtos e serviços aderentes às necessidades e expectativas deste mercado mais sênior”, adiantou Molina em entrevista ao Diário.

 

Ele cita que o Brasil está vivendo um momento de transição demográfica e de envelhecimento da população. O que ocorre não só pelo aumento da expectativa de vida, mas também pela taxa de reposição de 1,7 filho por mulher, enquanto o ideal seria de 2,1 filhos. Essa taxa se trata do quanto uma determinada geração deve ser reposta para que uma população não se torne envelhecida. “Caso a população envelheça, poderá ocorrer o que chamamos de fim da população economicamente ativa de um País”.

Molina vê de maneira positiva que uma pessoa desenvolva suas atividades por mais tempo, sendo, portanto, necessário que as empresas mudem de postura e contratem pessoas com idade acima de 50 anos. Além disso, o trabalhador precisa se manter qualificado para buscar novas posições no mercado e até repensar a própria atividade para, quem sabe, empreender em algo para si.

“Pessoas que já passaram dos 50 e 60, por exemplo, costumam ser muito motivadas. Elas têm a clareza e mais maturidade sobre como suas experiências passadas podem agregar à atividade. Acrescento também a importância do lado profissional para a manutenção de um vínculo social e da mente e do corpo sempre ativos”, afirmou.
 
Reforma da Previdência
O recente debate em torno da reforma da Previdência brasileira, segundo Nilton Molina, terá maior reflexo para gerações que ingressaram mais recentemente no mercado de trabalho. Entretanto, ele avalia que essa é uma necessidade pela qual todos os países acabam respondendo em algum momento. “A principal razão para o nível de urgência é de natureza econômica. O Brasil destina incríveis 16% do seu Produto Interno Bruto, isto é, da soma de todas as riquezas que produz, para cobrir gastos de natureza previdenciária.”
 
Palestra
Molina estará em Uberlândia na próxima semana para a palestra “Desafios Comportamentais, Econômicos e Sociais da Longevidade”. O evento tem promoção da Associação Comercial e Industrial de Uberlândia (Aciub) e o apoio do Sincor-MG e da Ascorseg. O objetivo é mostrar como o aumento da expectativa de vida traz oportunidades e desafios para empresas, governo e indivíduos.

A palestra acontece no dia 2 de setembro, às 19h, no auditório da sede da Aciub. Informações e inscrições podem ser feitas pelos telefones 3239-1519 ou 3239-1523 ou pelos e-mails [email protected] e [email protected] .

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »