16/06/2019 às 08h00min - Atualizada em 16/06/2019 às 08h00min

Futebol feminino tem história na região e persiste mesmo sem grandes incentivos

Araguari Atlético Clube foi a primeira equipe organizada de futebol feminino no Brasil

EDER SOARES
Teresa Montes, filha de Ney Montes, criador da primeira equipe de futebol feminino do Brasil | Foto: Eder Soares
Talvez o futebol feminino nunca tenha vivido um momento de tamanha alta no Brasil. A Seleção Brasileira está em meio à disputa da Copa do Mundo da França, competição que tem transmissão ao vivo em canal aberto e vem despertando a atenção dos torcedores. Em Uberlândia percebe-se certa euforia, principalmente em função da jovem zagueira Daiane, jogadora da cidade e que atua no Paris Saint Germain, equipe do país sede da copa.

A reportagem do Diário de Uberlândia procurou personagens locais, de hoje e do passado que ilustram os sonhos de muitas mulheres em fazer valer o direito de simplesmente poder jogar futebol ou praticar esportes, mostrando e comprovando que não existem barreiras capazes de limitar uma paixão que pertence a todos, independentemente de gênero. 

Até chegar à jovem Daiane, que atua em um dos maiores clubes do futebol mundial, muita “água rolou por de baixo da ponte”. O começo de tudo foi em Araguari entre os anos de 1958 e 1959, quando o radialista Ney Montes para angariar fundos para uma tradicional escola araguarina optou em organizar no antigo Estádio Vasconcelos Montes uma partida entre mulheres do Araguari Atlético Clube. Segundo a sua filha, a jornalista Teresa Cunha, o seu pai, já falecido, guardou este segredo até 1999, quando decidiu contar para a família.
 
“Ele acreditava que um jogo entre mulheres seria uma novidade e que daria certo. Realmente foi um sucesso muito grande, pois o estádio lotou e a equipe do Araguari passou a receber convites para jogar em outras cidades com as suas equipes A e B. Quando na cidade não havia equipe, o time B vestia a camisa da cidade adversária.

Aconteceram jogos tanto no Estados de Minas Gerais, Goiás e Bahia. Um dos jogos foi em Uberlândia, no Juca Ribeiro”, disse Teresa, que contou também o porquê o time durou apenas dez meses até terminar o sonho em 1959, adiando inclusive uma excursão que o time faria no México.
 
“Na época o país era governado pelo Juscelino Kubitschek e havia uma lei criada em 1941 pelo Conselho Nacional de Desportos, na era Vargas, que decretou a proibição no Brasil da prática de esportes considerados masculinos, dentre eles a prática do futebol feminino. “Acredito que a ordem para que o time fosse extinguido não teria vindo não do Juscelino, mesmo porque sabemos que ele vinha constantemente fazer visitas em Uberlândia e Araguari, mas por interferência da igreja”, afirmou Teresa.
 
Ela acredita que se não houvesse em 1959 a arbitrariedade de proibir o futebol feminino, que o atual estágio deste esporte no país poderia ser outro. “Eu não tenho dúvidas de que o futebol feminino seria muito mais forte e organizado do que é hoje, com mais praticantes, com nível técnico melhor e sem tantas barreiras. Mas acredito que podemos crescer muito no futebol e outros esportes vistos antes como masculinos, mesmo porque muitas barreiras vêm sendo derrubadas”, finalizou.
 
SUL-AMERICANO
 
Algumas décadas mais à frente, em 1995, o Campeonato Sul-Americano foi realizado no Estádio Parque do Sabiá em Uberlândia, um marco na história do futebol feminino no Brasil. A Seleção Brasileira era comandada pelo técnico Zé Duarte, que também havia sido treinador do Uberlândia Esporte Clube na década de 80. O Brasil ficou com o título ao vencer a Argentina, e ficou a impressão de que o futebol feminino ganharia um patamar diferente depois de um torneio em que o Sabiá ficava lotado em todos os jogos da Seleção.
 
As ponteiras Pretinha e Roseli eram as sensações da equipe brasileira e levavam os torcedores à loucura com velocidade, técnica e dribles desconcertantes. “Eu cheguei a organizar uma equipe e jogávamos em campos de terra, isso incentivadas em função do Sul-Americano, mas com o passar dos anos, infelizmente, a coisa foi esfriando e a falta de apoiadores fez com tudo parasse”, disse Marta de Oliveira, aposentada e que está acompanhando a Seleção Brasileira na Copa da França.
 
PROJETOS LOCAIS
 
Em Uberlândia ainda persistem alguns projetos de futebol feminino, que sobrevivem praticamente sem apoio, como é o caso das” Divas do Don Almir”, comandado por Alexandro Damas e que trabalha com garotas carentes da região leste. Outro projeto e um dos mais antigos da cidade é o da equipe Seven, que tem como coordenadora e treinadora Juscelina Domingues, ela que é tia de Neto, craque do futsal e que foi eleito o melhor jogador do mundo em 2012. Com 21 anos de fundação, a equipe ainda luta para ver reconhecido o valor do futebol feminino no país. Juscelina trabalha também na escolinha do UTC e que tem o apoio da Futel. As meninas que passam da faixa dos 17 anos são automaticamente guindadas para o Seven. Atualmente, o time está na disputa da Copa Futel.
 
“O trabalho de base voltou a ser feito hoje. Temos bem umas 40 atletas no UTC nas categorias de base. Hoje a inserção das atletas é sim um pouco mais tranquila, a gente vê uma melhora na humanidade, deixando alguns dogmas de lado. Hoje os pais procuram o futebol para as suas filhas, mas só acredito numa melhora significativa quando tiver uma Confederação Feminina separada, não acredito que o futebol feminino gerido por homens arcaicos vá gerar uma grande mudança, só a mulher sabe o que melhor pra ela”, disse Juscelina.


Foto: Acervo Ney Montes

COPA TI

Em Uberlândia está acontecendo a Copa TI de Futsal, destinada para pessoas que trabalham no setor.  Os jogos acontecem na quadra 22 F no bairro Santa Mônica. A grande novidade é que neste ano, pela primeira vez, acontecerá a disputa também entre as mulheres. “Pela primeira vez na história, mulheres da área de TI no Brasil tem uma opção para melhorarem sua qualidade de vida, pensando em um novo esporte e até se conhecerem fora da empresa. A maioria esmagadora na área de tecnologia são de homens, que chega a ter empresas que não tem mulheres. Nas empresas participantes a quantidade de mulheres chega à 25%”, disse João Junior, um dos organizadores da competição.

Maria Angélica Fernandes, de 39 anos, trabalha como auxiliar de serviços gerais em uma empresa de TI. Ela está jogando como goleira de sua equipe e depois de ouvir muito que futebol não é coisa de mulher,  decidiu enfrentar o desafio e hoje não pensa como antes.  “A princípio não tive muita empolgação, mas fui mudando a opinião e hoje sou mais forte psicologicamente e fisicamente. A empresa comprou matéria material esportivo e nos incentivou muito. Futebol não é esporte exclusivamente de homens e as mulheres podem e devem jogar. Ser mulher é se dedicar, ser guerreira, ter perseverança”, disse Angélica garantindo que o preconceito pode vir da própria pessoa.

“Quando o time foi formado eu relutei muito em participar, sendo preconceituosa comigo mesmo, que eu não conseguiria participar e que ficaria apenas na torcida, em função das meninas serem mais novas e eu nunca ter praticado esportes. Mas elas me incentivaram dizendo que seria bom para mim, que seria divertido e eu passei a acreditar em mim mesmo”, afirmou.
 
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »