27/11/2018 às 09h09min - Atualizada em 27/11/2018 às 09h09min

Duas décadas dedicadas ao rock

Autoramas celebra início de nova fase com o álbum “Libido” e é atração confirmada no Lolla Brasil 2018

ADREANA OLIVEIRA
Segundo integrantes do Autoramas o som mais pesado do novo disco é sinal de maturidade | Foto: Paulo Aguiar/Divulgaçao
Coloquei “Libido” (HBB Records) para tocar (sim, a repórter ainda é adepta do CD físico). Sai por um instante da sala e voltei para conferir se realmente tinha colocado aquele disco, o mais recente da banda carioca Autoramas. Em 20 anos de carreira o grupo consolidou uma sonoridade “rocker crocante”, parafraseando o título de um de seus trabalhos anteriores. Mas “Libido” chega com uma outra pegada.

Além de estar presente nas plataformas digitais “Libido” também tem tiragem em vinil e fita K7. Já na música de abertura, “Sofas, Armchairs and Chairs” o rock dos Autoramas aparece com mais densidade. O que se comprova ao longo das outras nove canções. A banda trabalhou novamente com o norte-americano Jim Diamond (White Stripes, Sonics) na mixagem.

Para Érika Martins (baixo, guitarra, vocal e teclados) essa “mudança” na sonoridade que algumas pessoas têm falado, é um amadurecimento que está acontecendo desde o disco anterior “O Futuro dos Autoramas”.

“E tudo isso vem somando e respeitando o que o Autoramas sempre foi, deu uma liga bem interessante e moderninha”, explicou. Para seu frontman, Gabriel Thomaz, a entrada de Érika na banda e toda a versatilidade que ela trouxe os levaram a explorar mais as vozes e outros instrumentos. “Neste disco temos bastante teclados, por exemplo - usamos um órgão italiano dos anos 60, Eko, que trouxemos da última turnê na Europa. O Fábio tem uma forma muito suingada de tocar batera, com influências de garagem, surf e 60’s, isto também está mais claro no som da banda. Jairo, o baixista, tem uma pegada grunge, punk”, comentou Gabriel, citando os dois integrantes mais recentes da banda Jairo Fajer e Fábio Lima.

Érika afirma que eles trouxeram muita coisa valiosa para a Autoramas. “Além de todas as influências já citadas, a energia da banda está melhor do que nunca. A relação entre todos é maravilhosa, cada um admira o trabalho do outro e a convivência é muito divertida - isso reflete total no clima dos shows, como todo mundo tem comentado”.

“Libido” dá um recado: não existe limites para o Autoramas que sempre priorizou sua liberdade artística e por isso chega aos 20 anos com fôlego de iniciantes. Para Gabriel, o que a repórter considera mais peso no disco é resultado de uma coisa: finalmente conseguiram captar toda a energia do show na gravação.
Para chegar a duas décadas com respeito e credibilidade não só no Brasil como no exterior, o Autoramas dá a dica. “Frescor, não se limitar e seguir a sua verdade. Ter suas próprias ideias e buscar o seu caminho, é a nossa receita artística. Temos um respeito muito grande também pelo que é o Autoramas - a ideia toda de música para pista de dança, baixo distorcido, vozes feminina e masculina”, disse Érika.

TURNÊ

A banda já está rodando o Brasil com a turnê “Autoramas 20 anos”. “Libido” saiu ao mesmo tempo no Brasil, Europa e Japão. “Fizemos uma tour na Europa em fevereiro e voltaremos em maio de 2019 para mais shows em outros países, como Inglaterra, por exemplo, e alguns festivais”, comentou Gabriel. Em tempo, na última semana a banda foi confirmada entre as atrações do Lollapalooza Brasil 2019. Uberlândia e Uberaba são cidades que têm um lugar especial no coração dos Autoramas, que sempre que possível inserem essas cidades nas turnês.

TV

Recentemente Érika Martins participou do programa “Canta Comigo”, da Record, como jurada. Débora Pinheiro foi a vencedora da primeira temporada. Para Érika, foi um prazer conviver com tantos estilos diferentes e também pessoas queridas que conhecia há muito tempo. “É uma responsabilidade grande ser jurada de um programa musical, lidar com o sonho das pessoas. Meu foco foi, a cada episódio, encontrar artistas originais e que tenham a sua assinatura - sinto um pouco de falta disso nos dias atuais, mas a qualidade artística do “Canta Comigo” foi bem alta. É demais também poder trabalhar com o Gugu e aprender observando toda a sua experiência”, disse.

Álbuns de estúdio
“Stress, Depressão & Síndrome do Pânico” (2000)
“Vida Real” (2001)
“Nada pode parar os Autoramas” (2003)
“Teletransporte” (2007)
“MTV Apresenta Autoramas Desplugado (2009)
“Música crocante” (2011)
“O futuro dos Autoramas” (2016)
“Libido” (2018)
Saiba mais: autoramasrock.com.br
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »