02/11/2018 às 07h00min - Atualizada em 02/11/2018 às 07h00min

Dúvidas contemporâneas sobre o ser e o não ser

Cia A Falsa apresenta “O Acidente” neste e no próximo final de semana

ADREANA OLIVEIRA
Thiago Di Guerra e Juliana Nazar em cena do espetáculo | Foto: Divulgação
Como você se permite mostrar aos outros? Quanto do que você mostra é real? Como as pessoas te enxergam e o quanto isso difere do que você pensa? Esses e outros questionamentos são encontrados na peça “O Acidente”, que será apresentada neste e no próximo final de semana em Uberlândia pela Cia A Falsa de Teatro.

A Falsa é um coletivo de amigos artistas de diferentes segmentos e idades que se juntou para apresentar esse texto, de autoria de Bosco Brasil, escrito em 1995. Surgiu com a missão de estabelecer ficções frente à realidade corrente: uma camada falsa sobre o real.

A peça “O Acidente” foi encenado pela primeira vez em 2000, e, em 2002, foi indicado ao Prêmio Shell de Teatro, um dos mais prestigiados do País. “Com a aprovação no Fundo Municipal de Cultura conseguimos reunir nomes com os quais gostaríamos de trabalhar, que dialogam com o projeto e esse processo. Espero que seja a primeira de muitas montagens”, afirma a atriz Julian a Nazar que divide o palco com Thiago Di Guerra.

Os trabalhos começaram em fevereiro, tendo os primeiros ensaios a partir de maio. Esse período é necessário para o que os produtores chamam de estudo de mesa. “Começa com um experimentação, as improvisações com o texto, que é bastante complicado. Até por isso precisamos ser bem mais cuidadosos porque ele é recheado de conteúdo nas entrelinhas”, disse Juliana.

Ela explica que um texto desses requer estudos feitos com calma para passar para o público algo fiel ao que o dramaturgo propôs sem cometer equívocos de interpretação. “E o que mais me atrai nessa obra é a profundidade e delicadeza com que Bosco trata os assuntos mais complexos”, comentou a atriz.

SINOPSE

“O Acidente” conta a história de dois colegas de trabalho, um homem e uma mulher, que se encontram, numa noite fria, após o fracasso do aniversário dele. Entre latas de cerveja, balões de festa e livros, eles começam a perceber que talvez não sejam tão bons em se esconder quanto gostariam. A história revela que as pessoas estão sempre atentas, observando, narrando como os personagens agem e como deveriam agir. Uma coleção de livros cheios de palavras, uma porção de números num prontuário amarelo. Essas questões os levam a refletir sobre o que são e instiga o público a olhar com atenção para compreender quanto as pessoas são parte real do que os personagens são. Por meio do texto, Bosco Brasil traz a constatação de que o outro se constrói por meio do eu, o sujeito definindo-se em relação com o outro, aproximando-se das noções do filósofo austríaco Martin Buber.

Para Juliana, a peça vai muito além de uma festa de aniversário. “Trata do humano, do que mostro ou escondo de mim para você e vice versa. Fala da essência das pessoas de forma bem sutil”, disse a atriz que fala também do conceito pós-verdade abordado no trabalho.

“Quando o que as pessoas dizem sobre você faz parte do coletivo, o que essas pessoas acreditam ser verdade de repente pode se transformar em verdade para você, mesmo não sendo”.

SERVIÇO
O QUE:  Espetáculo “O Acidente”
QUEM: Cia A Falsa
QUANDO: amanhã (3), domingo (4) e nos dias 10 e 11 de novembro, sempre às 20h
LOCAL: Escola Livre do Grupontapé de Teatro (R. Tupaciguara, 471, Aparecida)
INGRESSOS: R$ 20 (inteira) e R$10 (meia) à venda na bilheteria do teatro uma hora antes do espetáculo
INFORMAÇÕES: 3213-1325

FICHA TÉCNICA
Elenco: Juliana Nazar e Thiago Di Guerra
Direção: Rafael Michalichem
Texto: Bosco Brasil
Pesquisa Corporal: Panmela Tadeu
Iluminação: Camila Thiago
Design sonoro: Mariana Parreira
Cenografia: Rafael Michalichem e Camila Thiago
Produção: Thiago Di Guerra
Assessoria de imprensa: Érica Magalhães
Programação Visual: Rafael Michalichem
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »