01/03/2018 às 18h50min - Atualizada em 01/03/2018 às 18h50min

Visitas a parques nacionais crescem 20% em 2017

DA REDAÇÃO
Mesmo com aumento, potencial turístico de parques segue pouco explorado | Foto: Embratur

Vistas como um dos principais diferencias do Brasil em relação aos demais destinos turísticos internacionais, as unidades de conservação nacionais registraram um salto de 20% no número de visitantes em 2017 na comparação com o ano anterior. De acordo com dados apresentados pelo presidente do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Ricardo Soavinski, 10,73 milhões de pessoas visitaram atrativos naturais sob a gestão do instituto.

“Temos um enorme potencial a desenvolver nessa área. Somos considerados o número um do mundo em atrativos naturais e precisamos explorar melhor esse nosso diferencial, sempre de forma sustentável”, comentou o ministro do Turismo, Marx Beltrão.

De acordo com o estudo de competitividade no turismo do Fórum Econômico Mundial, entre 136 países avaliados, o Brasil ocupa a primeira colocação no quesito atrativos naturais.

“É preciso entender que, para desenvolver o turismo nas unidades de conservação, precisamos primeiro criar condições de o turista chegar até elas por meio de estradas e aeroportos, mas nem sempre temos essa infraestrutura”, afirmou Ricardo Soavinski.

O presidente do ICMBio sustentou que a entidade tem se fortalecido e a criação de um fundo com recursos de compensações ambientais criado por Medida Provisória vai ajudar na estruturação e abertura dos parques. Atualmente, o ICMBio estuda a viabilidade de concessões dos serviços públicos em 18 parques nacionais.

Para Pedro Passos, presidente do Conselho de Administração da Natura e fundador do Semeia, apesar de ter registrado aumento nas visitações das unidades de conservação, o Brasil precisa avançar muito mais. “Enquanto agora passamos dos 10 milhões de visitantes, os EUA registram mais de 300 milhões”, comentou.

O editor da entidade do terceiro setor e idealizador do Wikiparques, Eduardo Pegurier, também traçou um paralelo entre parques nacionais e os dos EUA. “Mesmo se computarmos as distorções do câmbio e o tamanho da população, vamos perceber que os nossos parques nacionais estão muito aquém do potencial de visitação”, afirmou.

Ele ressaltou que a visitação ajuda, inclusive, na preservação das espécies. “As áreas de visitação são mínimas se comparadas com o tamanho total dos parques e o faturamento ajuda no desenvolvimento de pesquisas e preservação da fauna e flora”, comentou.

Também participaram do painel sobre o desenvolvimento sustentável do turismo nos parques o presidente do Grupo Cataratas do Iguaçu SA, Bruno Marques, e o idealizador da transcarioca, Pedro Cunha Menezes.
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »