17/08/2017 às 05h47min - Atualizada em 17/08/2017 às 05h47min

Banda Sick lança o primeiro álbum

Quarteto de rock instrumental de Uberlândia coloca 'Para Uso Recreativo' amanhã nas plataformas digitais

ADREANA OLIVEIRA | EDITORA
Sick traz 12 músicas inéditas em “Para uso recreativo” / Foto: Olívia Franco/Moviola Mídia Livre

 

Em março do ano passado, pouco depois de lançar o primeiro EP, “Light switch” (Polidoro Discos), a banda de rock instrumental Sick, de Uberlândia, vislumbrava um outro lançamento no mesmo formato. Porém, com condições favoráveis e o entrosamento que aumentava a cada show, eles lançam amanhã, nas plataformas digitais, o primeiro álbum completo, “Para uso recreativo”.

Segundo o baixista Raphael Tx, esse período entre o EP e o disco foi muito produtivo. “Fizemos shows fora do Estado e continuamos a compor, as músicas saíram naturalmente e além das 12 que estão no álbum ainda temos uma faixa bônus, ‘Noix’ que lançaremos nos próximos meses. Nem a gente esperava tanto”, explica o músico.

A reportagem do jornal Diário do Comércio teve acesso prévio ao álbum que às primeiras audições agrada bastante e tem potencial para cativar um público que ainda não ouve muito som instrumental. É uma verdadeira viagem para o ouvinte, que pode, sim, ser consumido sem moderação. “O mercado de música independente já é difícil, quando se está no nicho instrumental piora um pouco, mas isso não nos impede de continuar porque acreditamos no nosso som”, diz Raphael.

Completam a banda Guilherme Levi (bateria), Pedro Negreto (guitarra) e Douglas Carlos (guitarra) e para não perder nenhum show por questões de agenda, o quarteto ainda tem dois guitarristas prontos para subir ao palco com a Sick, Douglas Torquato e Lucas Vidal. “Nem sei se isso é muito comum, mas eles são nossos amigos e quando precisamos podemos contar com eles”, diz Raphael.

Para não virarem reféns da falta de eventos culturais na cidade, Raphael e Levi, junto com outros integrantes do grupo Folia dos Reis formaram o coletivo Mexe o Doce, que funciona como uma produtora independente que realiza festas e shows na cidade e proporciona até intercâmbio com bandas de outros estados, como fizeram neste ano no festival Bananinha.

A Sick também aposta no merchandising como fonte de renda. Fazem um trabalho bom com design gráfico e já têm, além dos CDs, camisetas, canecas, bottons e em breve até um dichavador com a marca da banda. “A gente se vira como pode enquanto não vive só de música, mas o importante é que ela sempre fala mais alto”, diz Raphael que também trabalha eventualmente como técnico de som free lancer.

Ele comemora uma nova parceria da Sick com o Sine Wave Label que vai distribuir “Para uso recreativo” e também tem ajudado a banda a agendar alguns shows, como o que farão em Belo Horizonte no próximo dia 26.

O álbum foi captado em fevereiro passado no estúdio Mortimer, em Belo Horizonte (MG) e mixado e masterizado por Rafael Vaz no estúdio Casa Verde, em Uberlândia, quase uma segunda casa para a Sick. A banda tem alguns convidados especiais: Renato Moura na percussão, Guilherme Pelucci nos sintetizadores e sax e Vinicius Lustosa no trompete. A produção é da banca com co-produção de Gabriel Murilo que já trabalhou com o Macaco Bong, power trio instrumental cuiabano.

A Sick lança “Para uso recreativo” oficialmente com show amanhã, no Clube 110, em Uberlândia, na festa Cena Cerrado. Haverá ainda participação da banda argentina Las Diferencias e do Revolta Blues.


Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »