12/08/2017 às 05h37min - Atualizada em 12/08/2017 às 05h37min

Contos marcam os cinco anos da Noite Literária

Lobo Guimarães, Jeremias Brasileiro e Fábio Figueiredo são os homenageados desta noite

LAURA FERNANDES | APRIMORAMENTO PROFISSIONAL
Fábio Figueiredo é professor de Literatura na UFU e produz ficção em seu tempo livre / Foto: Divulgação

 

O projeto Noite Literária este ano celebra cinco anos, em sua segunda edição de comemoração, em parceria com a Diretoria de Culturas da Universidade Federal Uberlândia (Dicult-UFU), contará com a presença dos contistas Lobo Guimarães, Jeremias Brasileiro e Fábio Figueiredo, às 19h, no restaurante Ganesha.

Além dos contistas a programação terá um bate-papo com a professora Camila Alavarce, pesquisadora na área pelo Instituto de Letras da UFU. Música e literatura se entrelaçam em uma roda de conversa, na exposição de livros, leituras e performances dos poetas Alan Max Miliano, Cleusa Bernardes e Fernando Borma. A música fica por conta de Faustão Rib, Antônio Carlos 7 Cordas, Manoel Moura e Bruno Valentino.

O gênero conto ganha espaço pela primeira vez no projeto idealizado Rubisson Albuquerque que convidou um seleto time de contistas para valorizar o estilo. “Cada um tem uma característica específica em sua ficção”, explica ele.

Os contistas homenageados trazem a delicadeza e preocupação de dialogar temáticas importantes em seus textos. A ficção é palco para a discussão saudável de temas pertinentes, em que os artistas trazem uma vasta produção literária.

Fábio Figueiredo, um dos homenageados, mora em Uberlândia há cinco anos e seu contato com a literatura iniciou aos oito, quando ainda residia em Belo Horizonte. Entre cópias de histórias em cadernos e, já na adolescência, escreveu peças de teatro para a escola, logo, viu-se imerso no mundo literário. Em 1992 entrou para o curso de Letras e, a ficção deu espaço à academia. O retorno às produções voltou em 2004 e continuam, mas o contato com a literatura, mesmo na academia, sempre esteve presente. Fábio é professor de Literatura Brasileira na UFU e analisa esse gênero no Brasil. Em sua vida agitada, a produção ficcional entra em seu tempo livre, geralmente nas férias. As façanhas da possibilidade desperta interesse no contista, que traz nas palavras essa fluidez. “A palavra possibilita a produção de muitos sentidos, imagens, efeitos, sejam eles sonoros ou imagéticos. Lidar com palavras é coisa que só tem parada quando se quer dar fim ao texto para o outro ler”, explica ele. O escritor conta vários contos isolados publicados em revistas literárias, como a “Ato” e no livro “A vida suspensa” (2014).

Jeremias Brasileiro, nasceu em Rio Paranaíba (MG) e mora em Uberlândia desde 1974. O autor conta com mais de 20 publicações literárias das quais se destaca o livro “Direito de Sonhar” (1982). Nesta produção, ele recebeu retorno de Carlos Drumond de Andrade, que foi um divisor de águas e fruto de grande reconhecimento em sua carreira, já que o poeta modernista não costumava responder a muitos autores. “Tive certeza de que o que eu escrevia fazia sentido, não só para aminha vida, mas para uma reflexão social”, conta. A literatura surgiu em sua vida junto ao desejo de viajar por outros mundos. “A literatura me possibilita a inserção noutro mundo, tanto que eu considero-a como uma religião poética, pois a partir dela estou a refletir sobre o mundo também”. Em suas crônicas e contos, o escritor opta por trabalhar as relações sociais cotidianas, já em suas poesias traz a delicadeza mesclada às discussões. “Sou tanto romântico quanto denunciante das injustiças sociais, das mazelas discriminatórias”, explica Brasileiro.

O ator, produtor, poeta e contista, Lobo Guimarães teve os primeiros contatos com a literatura aos 12 anos. Na época escrevia poemas e peças de teatro apresentadas na escola. O artista ganhou prêmios como o segundo lugar em um concurso de poemas e o primeiro lugar com a peça infantil “De chapéu e caldeirão”. Entre todas suas obras destaca o livro “Pele Crua - palavras temperadas”, por ser uma publicação solo. “O livro a gente prepara para o outro - com todo o cuidado, com a preocupação de deixar nas mãos do leitor algo que, a partir de então, será dele também. O texto se completa somente na leitura, nos olhos de quem lê”, comenta ele. Lobo completa expressando a fluidez do escrever em sua vida. “É fisiológico, algo como respirar, sentir, sexualizar, saborear e engolir”. Atualmente o artista graduado em Letras pela UFU, se dedica a produção de poemas e contos e atua como produtor e ator no cinema.

 

SERVIÇO

O QUE: Noite Literária 5 anos

QUEM: Contistas Lobo Guimarães, Jeremias Brasileiro e Fábio Figueiredo

QUANDO: Hoje, às 19h

ONDE: Restaurante Ganesha (Rua Euler Lanes Bernardes, 428, Santa Mônica)

CLASSIFICAÇÃO: livre

ENTRADA FRANCA

INFORMAÇÕES: 99658-7548


Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »