08/08/2017 às 05h53min - Atualizada em 08/08/2017 às 05h53min

Fenômeno na internet e no mundo real

Em encontros com os fãs, canais como o Manual do Mundo conquistam uma audiência cada vez mais fiel

ADREANA OLIVEIRA | EDITORA
Mari Fulfaro e Iberê Thenório em um dos episódios de Manual do Mundo / Foto: Divulgação

 

Nos dias de hoje, muito se fala nos influenciadores digitais e na força que este meio tem principalmente entre crianças e adolescentes. Porém, quando os autores dos principais sucessos da web saem do mundo virtual e interagem com seus fãs, ou seguidores, o sucesso tende a se consolidar bem mais rápido. É o que acontece, por exemplo, com o Manual do Mundo, criado por Iberê Thenório e Mari Fulfaro em 2008.

O site reúne educação e entretenimento onde os internautas presenciam experiências ricas e divertidas. Fora da web, eles lançaram um livro em 2014, que ainda vende muito bem, e têm uma exposição itinerante que corre por alguns shoppings do país, como a que esteve em março no Uberlândia Shopping, que contou com a presença de Iberê e Mari.

Ele é jornalista e ela é terapeuta ocupacional. O canal Manual do Mundo no YouTube tem quase 9 milhões de inscritos. Para eles, quando saem da frente das câmeras e encaram os fãs frente a frente, a sensação é bem diferente. “Quando estamos no estúdio, falamos com uma câmera, e sempre ficamos em dúvida sobre o impacto do que estamos gravando. Encontrar as pessoas que nos assistem é o clímax do nosso trabalho. Podemos olhar olho no olho e saber do que eles gostam, o que conseguiram fazer em casa, desde quando assistem. Sempre voltamos para casa com novas ideias e vontade de fazer muito mais”, disse Iberê, em entrevista ao jornal Diário do Comércio.

O jornalista, inclusive, está entre as 10 celebridades que mais influenciam jovens brasileiros entre 14 e 17 anos. Apesar de ser uma honra, é também uma grande responsabilidade. “Somos muito cientes dessa responsabilidade e tentamos sempre ser uma boa influência, não só mostrando vídeos que ensinam coisas seguras de serem feitas, como tentando passar valores que nem sempre estão explícitos, como respeito e responsabilidade. O desafio é fazer tudo isso ser divertido”, disse Iberê.

Em 2008, quando o canal Manual do Mundo foi lançado no YouTube, o casal produzia os programas no próprio apartamento que mora, no Centro de São Paulo. Maria gravava e Iberê ficava responsável pela apresentação. Hoje eles têm um estúdio e uma equipe de 15 pessoas que gravam, editam, pesquisam e produzem. “A diferença de qualidade é evidente quando comparamos os vídeos de oito anos atrás com os atuais. Mas a ideia central, que é misturar educação com entretenimento, permanece a mesma”, disse o jornalista.

 

LIVRO

Em seus programas na TV ou internet, o Manual do Mundo responde a questões do tipo: se a cobra não tem pernas, como ela consegue andar? Se relógios atrasam, quem tem a hora certa? Beijo na boca transmite cárie? Mostram também como é feito o tratamento de água, fazem pegadinhas educativas e bem-humoradas. E eles também encontraram seu lugar nas prateleiras.

Lançado em 2014, “Manual do Mundo: 50 experimentos para fazer em casa” (Ed. Sextante, 240 páginas, R$ 44,60), de Alfredo Luis Mateus, já vendeu mais de um milhão de exemplares e de certa forma surpreendeu Iberê e Mari. “Muitas pessoas dizem que os livros estão em extinção, mas não foi o que a gente viu. Lançamos o livro em oito capitais, e os eventos lotaram. Isso a gente não esperava. Mas ainda hoje, quando fazemos encontros como este, os livros esgotam nos shoppings. O mais gratificante, contudo, é quando alguém pede pra gente autografar um livro todo despedaçado, gasto, com páginas marcadas. Um sinal de que ele foi bem aproveitado”, comenta Iberê.

Além do canal no YouTube, o Manual do Mundo também está na TV a cabo, mas eles não escondem a preferência pela internet. “Trabalhar no YouTube é melhor. Gostamos de fazer a série para a TV porque aprendemos muito. Trabalhamos com os roteiros, produção, atuação. Mas a estrutura da TV foge completamente do nosso controle. Não somos nós que decidimos quando vai ao ar é uma série de outras características do que é produzido. No YouTube temos liberdade total. Nos identificamos cem por cento com o resultado do nosso trabalho”, finaliza.

 

SERVIÇO

Acompanhe Iberé e Mari pelo site.

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »