21/01/2021 às 12h30min - Atualizada em 21/01/2021 às 14h00min

Internos do HC-UFU são impedidos de receber vacinação mesmo após terem sido chamados

Estudantes que atuam na linha de frente da Covid-19 fizeram denúncia; município diz que estão sendo priorizados profissionais da saúde em contato direto com infectados pelo vírus

BRUNA MERLIN
Internos do Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia (HC-UFU) afirmam estar sendo impedidos de receber a vacinação contra a Covid-19 em Uberlândia. Denúncias repassadas pelos alunos de medicina apontam que, mesmo após realizarem o cadastro estipulado pela Prefeitura de Uberlândia e de serem chamados para receber a dose, eles estão sendo barrados na hora da aplicação.

Foi o que aconteceu com uma interna do HC-UFU na manhã desta quinta-feira (21). A estudante de medicina, que preferiu não se identificar, informou ao Diário de Uberlândia que foi chamada, na noite desta quarta-feira (20), para a vacinação e, ao comparecer ao local indicado, não conseguiu receber a dose.

“Recebi uma mensagem do Município com o agendamento da vacinação. No comunicado dizia que eu deveria ir até o local às 10h de hoje para pode fazer a aplicação. Quando cheguei, fui barrada e informada que alunos estagiários do HC não seriam vacinados neste momento”, detalhou.




A indignação da interna foi ainda maior quando ela descobriu que um colega de turma havia conseguido se vacinar no dia anterior. Ela chegou a questionar os organizadores sobre a situação e disse ter apenas sido informada que havia acontecido um erro e que a Secretaria Municipal de Saúde ainda estava pensando na possibilidade de aplicar a segunda dose no outro estudante.

“Eles não me deram uma justificativa plausível do porquê dessa confusão. Simplesmente, disseram que esse não seria o momento de vacinar os internos. Então porque eles abriram o cadastro e nos chamaram? Não tem como entender essa falta de organização”, complementou.

LINHA DE FRENTE
Outra interna do HC-UFU, que também chegou a fazer o cadastro para a vacinação, entrou em contato com a reportagem do Diário de Uberlândia e confirmou a história da colega. Segundo ela, todos os internos que atuam atualmente na unidade de saúde estão na linha de frente do combate da Covid-19 e também deveriam ter prioridade da vacinação.

“Somos estudantes e estamos realizando o estágio obrigatório, que é de dois anos, para conseguir formar. Mas estamos atuando todos os dias no pronto-socorro e lidando com casos de coronavírus. Pacientes passam por nós todos os dias”, frisou.

Por fim, a estudante explicou que, antes da liberação do cadastro, o gestor acadêmico do HC enviou diversos ofícios à Secretaria Municipal de Saúde que comprovavam a atuação dos internos no combate do coronavírus e solicitavam a participação deles na 1º etapa da vacinação. De acordo com ela, o Município não respondeu nenhum dos documentos.

NORMATIVA
O Ministério da Saúde (MS) divulgou uma cartilha técnica com instruções para a Campanha Nacional de Vacinação Contra a Covid-19. O documento especifica que profissionais da saúde, incluindo internos, devem estar incluídos na primeira fase da vacinação. Veja abaixo.







 
O documento do MS esclarece, no entanto, que diante das doses disponíveis para distribuição inicial às Unidades Federativas e a estimativa populacional dos trabalhadores de saúde, será necessária uma ordem de priorização por parte dos estados e municípios.
 
A recomendação, de acordo com o órgão, é seguir a seguinte ordem para vacinação dos trabalhadores da saúde conforme disponibilidade de doses, sendo facultada a possibilidade de adequar a priorização conforme a realidade local:

 
  • Equipes de vacinação que estiverem inicialmente envolvidas na vacinação dos grupos elencados para as 6 milhões de doses;
  • Trabalhadores das Instituições de Longa Permanência de Idosos e de Residências
  • Inclusivas (Serviço de Acolhimento Institucional em Residência Inclusiva para jovens e adultos com deficiência);
  • Trabalhadores dos serviços de saúde públicos e privados, tanto da urgência quanto da atenção básica, envolvidos diretamente na atenção/referência para os casos suspeitos e confirmados de covid-19;
  • Demais trabalhadores de saúde

O Ministério esclarece ainda que todos os trabalhadores da saúde serão contemplados com a vacinação, mas a ampliação da cobertura desse público será gradativa, conforme a disponibilidade de vacinas.

RESPOSTAS
Por meio de nota, a Secretaria Municipal de Saúde informou que, nesta primeira fase de imunização, estão sendo priorizados profissionais da saúde em contato direto com pessoas infectadas pelo vírus. “De acordo com o informe técnico do Ministério da Saúde divulgado no último dia 18, a ampliação da cobertura dos profissionais de saúde será gradativa, conforme a disponibilidade de vacinais. Ainda conforme o protocolo, as especificidades regionais são definidas pelos próprios municípios”, constou a nota.

A Secretaria disse, ainda, que, no cadastro do estudante vacinado, constava a ocupação de médico, não de estudante. Diante da inconsistência nos dados declarados, o município informa que fará uma apuração detalhada do caso para tomar as providências necessárias.

O Diário de Uberlândia chegou a questionar a Secretaria Municipal de Saúde sobre a falha em chamar a estudante para vacinar, mas a pergunta não foi respondida. Além disso, a reportagem solicitou um relatório com a relação de quantas pessoas já foram imunizadas na cidade e se já existe uma previsão para a chegada de mais doses. No entanto, esses questionamentos também não foram respondidos.

* Matéria atualizada com acréscimo de informações às 14h42



VEJA TAMBÉM:
 
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »