09/12/2020 às 09h37min - Atualizada em 09/12/2020 às 09h37min

Rodovias que cortam Uberlândia voltam a ter fiscalização eletrônica

Aparelhos reinstalados pelo Dnit já estão em funcionamento nas BRs 050 e 365

DHIEGO BORGES
Radar de 40 km/h foi reinstalado no trecho que dá acesso a Uberlândia, próximo ao trevo do Posto Espigão | Foto: Dhiego Borges
Após um ano sem fiscalização eletrônica, as rodovias que cortam o perímetro urbano de Uberlândia voltaram a ter fiscalização por radares. Os aparelhos, que haviam sido retirados no ano passado das BRs 050 e 365, após o fim do contrato com o governo federal, já estão em funcionamento.

De acordo com o último documento disponibilizado pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), no Programa Nacional de Controle Eletrônico de Velocidade, são 25 aparelhos no perímetro urbano de Uberlândia, sendo 13 radares na BR-365, entre os Kms 621 e 630, e 12 na BR-050, entre os Kms 66 e o 76.

O Diário de Uberlândia conversou com motoristas que trafegam pela BR-365 sobre o retorno dos radares. O caminhoneiro Sandro Freitas Davi, de 35 anos, dirige há 13 anos e passa sempre pelo mesmo trecho. Para ele, os radares são necessários.

 
“Tem que ter, porque dá muito acidente. Tendo o radar a 60 km como é aqui, os motoristas já se acostumam. Se não tiver, um anda mais devagar, outro mais rápido, aí acontecem os acidentes. Acho que essa quantidade aqui está suficiente e o limite de velocidade é o necessário”, destacou.

Um outro motorista de aplicativo, que também trafega sempre pelo trecho, mas preferiu não se identificar, disse que a velocidade adotada por alguns dos radares na BR-365 poderia ser maior. “Colocar radar a 40 km por hora em rodovia é brincadeira, não é?”, disse. O radar a que se referiu o motorista fica no trecho que dá acesso a Uberlândia, no trevo do Posto Espigão.

A reportagem esteve no local e verificou que o tráfego realmente fica mais lento na região por conta da fiscalização eletrônica. A maioria dos radares instalados pelo Dnit possui limite de velocidade de 60 quilómetros por hora, sendo que alguns deles não têm o painel eletrônico. 

BR 365 tem outros radares já em funcionamento a 60 km/h | Foto: Dhiego Borges

REDUTOR INCONVENIENTE
Em um dos trechos da BR-365, sentido Uberlândia-Araguari, a reportagem do Diário se deparou com um redutor de velocidade que não deveria estar na pista. O buraco que se formou do lado direito da rodovia tem causado transtornos aos motoristas e até acidentes. O obstáculo obriga os motoristas a reduzirem a velocidade e a desviarem, oferecendo risco a quem trafega pelo local.

O trecho fica próximo às obras de construção do novo viaduto da avenida Monsenhor Eduardo, que ainda não foram concluídas. Moradores que residem próximo à marginal relataram à reportagem que o buraco tem causado diversos acidentes. Um pouco antes da reportagem chegar ao local, uma moradora contou que dois veículos haviam se envolvido em uma batida, quando um dos carros freou em cima do buraco e um caminhão se chocou com a traseira do veículo. 

Imagens registradas durante a reportagem mostram a dimensão do obstáculo e a parada feita pelos motoristas para não cair na armadilha. O motorista João Carlos Filho, de 63 anos, mora em uma residência que fica na marginal da BR-365, em frente ao trecho onde o buraco tem causado acidentes. Em entrevista ao Diário, João contou que o buraco está aberto há mais ou menos quatro meses e que já ajudou diversos motoristas a retirarem veículos de dentro do obstáculo.

Para o morador, os radares instalados na região não são suficientes. “Eles deviam colocar mais, voltaram com os aparelhos, mas não melhorou muita coisa. Os motoristas diminuem próximo ao radar, mas depois aumentam de novo a velocidade”, destacou. 

João, que mora na região há 49 anos, também relatou problemas na estrutura de sua residência, que segundo ele são causados pelo excesso de velocidade no trecho. A casa onde mora teve que ser reformada por conta das rachaduras no teto e nas paredes. “As carretas passam por aqui numa velocidade muito alta e treme toda a casa, tem dia que você está dormindo e acorda assustado com o barulho”, afirmou.  

O Diário de Uberlândia procurou o Dnit questionando mais detalhes sobre o funcionamento dos radares, além do número de multas aplicadas. Em nota, o órgão informou que está cumprindo o acordo judicial homologado em julho de 2019 pela Justiça Federal para a instalação de 1.140 radares eletrônicos em todo o território nacional, visando o controle de velocidade em faixas de tráfego com criticidade 'média', 'alta' e 'muito alta'. 

De acordo com o órgão, os equipamentos são instalados após a aprovação dos projetos e depois passam por aferição do Inmetro e que, somente após estas etapas, são iniciadas as operações.

O Diário também questionou o Dnit sobre a falta de manutenção do buraco mostrado nesta reportagem, mas até o fechamento dessa edição não obteve resposta.  


VEJA TAMBÉM:


 

 
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »