17/06/2020 às 10h59min - Atualizada em 17/06/2020 às 17h16min

Ex-prefeito de Uberlândia, Paulo Ferolla morre aos 88 anos

Político esteve à frente do Executivo entre os anos de 1993 e 1996; morte foi confirmada na manhã desta quarta (17)

DA REDAÇÃO
Ferolla também foi secretário de Finanças e Desenvolvimento e presidiu o Sindicato Rural de Uberlândia | Foto: Woile Guimarães

O ex-prefeito de Uberlândia Paulo Ferolla da Silva morreu, aos 88 anos, na manhã desta quarta-feira (17). O político esteve à frente do Executivo da cidade entre os anos de 1993 e 1996. Paulo deixa e esposa Maria Aparecida Carneiro, três filhos, oito netos e dois bisnetos. 

Segundo as informações repassadas pela família, Ferolla estava debilitado há mais de sete anos, sendo cuidado em casa por uma equipe de enfermeiros depois de sofrer um Acidente Vascular Cerebral (AVC), em 2012, e ficar em estado de coma.

Ele foi internado em outubro daquele ano e transferido para uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI), ficando desde então sob cuidados médicos, em regime integral de home care. Ao longo dos anos também sofreu outras complicações de saúde como problemas neurológicos e dermatológicos, que agravaram o quadro. 


A morte ocorreu na casa dele em decorrência de uma parada cardiorrespiratória. A equipe que o acompanhava tentou revertê-la, mas sem sucesso. O óbito foi confirmado aos familiares por volta das 9h.

Após o velório na funerária Paz Universal, durante a tarde, o sepultamento ocorreu no Cemitério São Pedro. 


TRAJETÓRIA
O ex-prefeito nasceu no dia 13 de dezembro de 1931, em Formiga (MG), e se tornou produtor rural aos 25 anos. F
oi secretário de Finanças e Desenvolvimento do ex-prefeito e amigo Virgílio Galassi, em seus quatro mandatos, e presidiu o Sindicato Rural de Uberlândia em duas ocasiões, sendo a primeira na década de 1970 e a segunda em 2009, tendo ocupado ainda a vice-presidência da entidade por oito vezes. 

Segundo as informações do sindicato, Ferolla se dedicou à criação da raça gir por aproximadamente 30 anos, até liquidar o rebanho que na época era composto de aproximadamente 800 rezes, todas registradas ou controladas e oriundas em sua maioria de cruzamentos de reprodutores e matrizes das linhagens R e Eva.

Fez parte do Conselho Consultivo da entidade, que é vitalício. Foi presidente da Cooperativa de Suinocultores do Triângulo Mineiro (hoje extinta) e sócio fundador e diretor da Cooperativa Agropecuária Ltda. de Uberlândia (Calu). Um dos primeiros membros do Colégio de Jurados da ABCZ, Ferolla já participou do Conselho Consultivo da associação, do Conselho Técnico da raça Gir em três mandatos, tendo atuado ainda como diretor e vice-presidente em seis gestões. 


PESAR
A Câmara Municipal de Uberlândia lembrou, em nota oficial, que o político auxiliou na construção do Complexo do Parque do Sabiá e do Centro Administrativo Municipal, sendo o primeiro prefeito a ocupar o novo prédio que abriga até hoje os poderes Executivo e Legislativo da cidade. Com aproximadamente 26 mil m² de área construída, ele foi inaugurado em 31 de agosto de 1993, no primeiro ano da administração de Paulo Ferolla. 

"Neste momento de dor, nos solidarizamos com seus familiares e amigos, com votos de pesar pela perda e agradecimentos ao trabalho prestado à população de Uberlândia", lamentou o presidente da Casa, Ronaldo Tannús (PL).

A sessão na manhã desta quarta-feira no Legislativo foi encerrada após o anúncio da morte. Os vereadores assinaram uma moção de pesar pelo falecimento do ex-prefeito e lamentaram a morte como uma grande perda para a cidade devido à importância política de Ferrola para o desenvolvimento do município.

Em nome do atual presidente Gustavo Galassi, o Sindicato Rural de Uberlândia divulgou uma nota sobre o falecimento e prestou homenagens ao ex-presidente.

“Paulo Ferolla foi um ícone da pecuária brasileira. Para o Sindicato Rural de Uberlândia, esta é uma grande perda. A convivência com ele foi um aprendizado para todos nós. Deixou um legado positivo como grande líder da classe rural. Tínhamos nele um professor, um líder sempre com a confiança que dele sairiam bons conselhos. O aprendizado foi gigantesco”, lamentou Galassi.


No Twitter, o prefeito Odelmo Leão também se manifestou com pesar e prestou homenagens ao amigo e aos familiares, relembrando a trajetória de Paulo em prol do desenvolvimento da cidade. Informou ainda que vai decretar luto oficial por três dias.









 
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »