04/03/2020 às 10h42min - Atualizada em 04/03/2020 às 18h13min

Comissões aprovam cassação de Juliano Modesto e Alexandre Nogueira

Vereadores de Uberlândia respondem a processos por quebra de decoro parlamentar; julgamentos ocorrem na próxima sexta-feira (6)

SÍLVIO AZEVEDO
Vereadores foram denunciados por condutas apuradas nas operações do Gaeco | Foto: Reprodução/CMU

As comissões processantes dos vereadores Juliano Modesto e Alexandre Nogueira deram parecer favorável à continuação do processo de cassação dos parlamentares. As reuniões foram realizadas nesta quarta-feira (4) na Câmara de Uberlândia e os dois vão a julgamento ainda nesta semana. 

No relatório da comissão contra Modesto, a relatora Glaucia da Saúde
(PMN) concordou com as acusações de uso indevido de verba indenizatória e envolvimento no esquema de desvio de verbas descobertas durante as operações Torre de Babel, O Poderoso Chefão e Má Impressão. Porém, inocentaram Juliano Modesto na denúncia de obstrução de Justiça. Os demais integrantes votaram com o parecer da relatora. Segundo relatora da comissão, as provas e depoimentos comprovam a participação do vereador nos atos denunciados.

"Foram aceitas duas das três denúncias por quebra de decoro parlamentar. Os documentos e depoimentos foram consistentes para que tomassemos a decisão".

De acordo com Antônio Carrijo (PSDB), presidente da comissão, os trabalhos foram feitos dentro da legalidade e dentro do prazo estipulado. "A comissão precisou ser refeita depois que dois dos três membros renunciaram ao mandato. Então, fizemos um trabalho em tempo recorde. Mesmo assim tudo dentro do que a legislação prevê, convocando a defesa e o acusado, que infelizmente não apareceram para depor. Mas a tentativa de convocação foi feita e está tudo documentado".

A sessão para julgamento dos vereadores está marcada para a próxima sexta-feira (6), às 9h. Também foi definido que Juliano Modesto será notificado sobre a decisão e convidado a participar da sessão.


Alexandre Nogueira
A comissão processante no caso de Nogueira também aprovou o parecer do relator Thiago Fernandes (Patriota) opinando pela cassação do vereador. O relatório será submetido para julgamento ao plenário também na próxima sexta-feira (6), às 10h, após a sessão de Juliano.

O parecer foi protocolado por Thiago na tarde desta terça-feira (3) e apreciado pelo presidente da comissão, Adriano Zago (MDB), e o membro Antônio Carrijo (PSDB), que concordaram com o relator durante reunião nesta tarde.

A comissão entendeu que houve a quebra de decoro por parte do parlamentar em duas das três condutas citadas na denúncia com base na acusação criminal da operação O Poderoso Chefão.

A primeira foi quanto à compra de uma van em nome de laranja para poder receber parte do dinheiro do serviço prestado no Município de Araguari. Já a segunda tratou da participação dele em suposto grupo econômico formado para lavar o dinheiro desviado do transporte escolar de Uberlândia. Em oitiva ao MP, ele confirmou sociedade em ao menos três das empresas denunciadas.

O vereador afastado teve a denúncia arquivada apenas quanto ao crime de obstrução de Justiça, no mesmo processo penal que Juliano também responde. ”Nós não conseguimos comprovar que de fato ocorreu a conduta com as provas que foram produzidas pelos trabalhos da comissão”, alegou Thiago. 

O Diário procurou a defesa dos acusados, cujo escritório fica em Belo Horizonte, mas não houve retorno. 

Wender Marques
A comissão processante do vereador suspenso Wender Marques também se reuniu na manhã de hoje.  Durante a reunião, ficou aprovada a junção da cópia integral da denúncia aos autos e a notificação de Wender Marques para apresentar defesa prévia e arrolar as testemunhas em um prazo de 10 dias.








 

Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »