15/02/2020 às 09h50min - Atualizada em 15/02/2020 às 09h50min

Antigo palco de decisões judiciais, Centro de Cultura receberá manifestações artísticas da região

Espaço cultural será aberto à população a partir da próxima segunda-feira (17); veja como ficou a estrutura

IGOR MARTINS
Inauguração para a comunidade acontece na próxima segunda-feira (17) | Foto: Flickr/Prefeitura de Uberlândia

Durante anos, o prédio do antigo Fórum Abelardo Penna foi palco de decisões que impactaram a vida de milhares de pessoas. Na sede do Poder Judiciário local, magistrados tinham a responsabilidade de julgar cidadãos e instituições com base nas regras constitucionais previstas nas leis brasileiras. Agora, o espaço que tanto representou a justiça para muitos e dor e sofrimento para outros passa a ter um sentimento e um objetivo em comum: levar alegria às pessoas por meio da arte.

Com um novo nome e nova destinação, o imóvel foi reaberto como Centro Municipal de Cultura, um lugar que promete levar conhecimento, felicidade e defender as manifestações culturais existentes na região do Triângulo Mineiro. A área vai oferecer à comunidade exposições de arte, espaço infanto-juvenil, playground para crianças, teatro, shows e um espaço gourmet. Além disso, o prédio se transformou no novo lar da Biblioteca Municipal Juscelino Kubitscheck e abriga ainda as instalações da Banda Municipal.

Em outubro de 2018, o Diário de Uberlândia havia informado em primeira mão sobre a nova destinação do edifício. A construção, projetada na década de 1970 pelos arquitetos mineiros Roberto Pinto Manata e José Carlos Laender de Castro, foi cedida naquela ocasião pelo Judiciário Mineiro ao Município. Desde junho de 2019, quando a ordem de serviço para reformas foi assinada, o prédio passou por intervenções nas áreas interna e externa, sem alterar os aspectos ou estrutura da edificação.

Segundo o prefeito Odelmo Leão, as reformas feitas no Centro Cultural foram avaliadas em aproximadamente R$ 1,3 milhão. Foram realizadas recuperações e instalações nas redes elétrica e hidráulica, com recursos próprios da prefeitura, de acordo com o gestor municipal. “Este espaço é um local histórico para Uberlândia. Todo o povo terá acesso ao prédio e tudo o que ele oferece. É um lugar construído para gravar na história da nossa cidade”, disse Odelmo durante coletiva para a imprensa na última quinta-feira (13).

ÁREA EXTERNA
As mudanças no ambiente podem ser vistas já na entrada do Centro Municipal de Cultura. A estrutura e as cores do prédio não sofreram mudanças, mas é possível ver a fachada com o novo nome do espaço. As janelas foram coloridas e adesivadas e o playground para as crianças já está montado.

A secretária de Cultura, Mônica Debs, afirmou que mais atrações no espaço externo estarão disponíveis em breve para a população. Uma pista de skate será construída no local, que também contará com um orquidário, academia e uma lanchonete. Além disso, futuras obras contemplarão a construção de uma guarita, transformação dos portões em eletrônicos, manutenção das pedras, grades e sinalização do estacionamento. O planejamento é colocar dois elevadores de acesso ao espaço interno. “O espaço vai ser um farol de luz para todas as manifestações artísticas aqui existentes”, disse.

ÁREA INTERNA
A entrada do espaço interno do centro de cultura da cidade com várias atrações. A exposição “Relíquidas da Congada – O Som da Fé”, que faz uma homegem às tradições africanas, está disponível para visitação. A área ainda conta com um espaço gourmet, onde serão realizados eventos de pequeno porte, como lançamentos de livros e coquetéis.

Espaço interno passou por reformas | Foto: Igor Martins
 

A administração da Secretaria Municipal também se encontra no novo centro, mudando de endereço. Dessa forma, as inscrições para eventos culturais passa a ser realizado no prédio do centro da cidade. No local, há ainda o “Memorial da Cultura Afro-Brasileira Charqueada – Geraldo Miguel”, com diversas peças e itens em homenagem ao grande nome da história do congado uberlandense.

SUBSOLO

O subsolo do Centro Cultural agora é o novo local de ensaios e instalações da Banda Municipal, com uma sala de instrumentos, de percussão, maestros, do diretor e do departamento administrativo. Para chegar lá, a comunidade passará pela Galeria de Artes Iolanda Lima, que abrigará exposições artísticas dos mais variados tipos e linguagens poéticas.

A antiga Sala do Júri se transformou no Cine Teatro Nininha Rocha, uma forma de homenagear a renomada pianista que partiu em novembro de 2018. O espaço será palco para apresentações que prometem sempre lembrar de Nininha, com a disseminação de sons, cores, movimentos e ritmos.

Ao lado do Cine Teatro, as celas do antigo fórum foram preservadas, bem como as inscrições e marcas deixadas pelas pessoas que as frequentaram. O local, chamado de “Isolamentos”, recebia detentos em julgamento, onde permaneciam isolados aguardando as decisões judiciais. O espaço recebeu uma intervenção em uma das antigas celas, com borboletas, dando a ideia de transformação e mudanças, simulando encantamento e liberdade.


Biblioteca Municipal foi transferida para o centro cultural


Espaço conta com o mesmo acervo de antes e tem área destinada às crianças | Foto: Divulgação

O Centro Municipal de Cultura é o novo lar da Biblioteca Municipal Juscelino Kubitscheck, que fica no interior do edifício. Os apaixonados por livros e leitura podem ir até o local de segunda a sexta-feira, das 8h15 às 18h45, e se debruçarem sobre grandes produções da literatura brasileira e internacional. A área, entretanto, não se resume apenas às obras e exemplares. Há atrações para crianças e um espaço reservado para pessoas com deficiência física ou visual.

Logo na entrada da biblioteca é possível ver o espaço “Vovó Caximbó – Maria Inês Mendonça”, destinado aos pequenos com produções literárias infantis, fraldário, brinquedoteca e uma gibiteca, com histórias em quadrinhos de vários personagens que fazem a alegria da criançada, incluindo as aventuras da Turma da Mônica, por exemplo.

O local lúdico e colorido remete à história da homenageada. Vovó Caximbó foi uma das figuras mais importantes no ramo das artes na região do Triângulo Mineiro. Ela faleceu em julho de 2016, decorrente de complicações de um tumor no cérebro.

Ao lado do lugar dos pequenos, foi construído o Espaço Incluir, voltado para pessoas com deficiência física ou visual, com equipamentos para ajudá-los na leitura de produções literárias, democratizando o acesso à literatura. A Biblioteca Municipal ainda conta com uma galeria de exposições, uma sala de pesquisa, hemeroteca, ilha de computadores, sala de oficinas, sala de literatura e a parte administrativa, além da Sala Uberlândia, dedicada à história da cidade.


INAUGURAÇÃO
A população pode conferir o novo Centro Municipal de Cultura a partir de segunda-feira (17). O espaço terá atrações artísticas até quarta (19), incluindo shows, apresentações de dança, orquestra e performances da Banda Municipal.

O primeiro dia de eventos para a comunidade começa às 19h. A área externa do espaço cultural recebe uma apresentação da Banda Municipal em conjunto com a Banda Sinfônica, Udi Company e o Grupo Folia de Reis. Dentro do prédio, no Espaço Gourmet, ocorre uma performance do grupo Congo Moçambique Pena Branca.

A sala administrativa recebe o Grupo de Dança RG Studio e o duo Olívia Teixeira e Fernando Lima dançam tango na Galeria da Secretaria Municipal de Cultura. Na Esplanada Pena Branca & Xavantinho tem performance da Orquestra Experimental e o Congo Rosário Santo faz show no final da rampa de acesso ao espaço interno. No Cineteatro Nininha Rocha tem apresentação do UberBrass Quinteto e show de piano com Grazielle. Já a banda Veneno Vivo toca muito rock e pop rock no palco da área externa.

Na terça (18), também a partir das 19h, tem mais eventos abertos para a comunidade. As atrações são a Banda Sinfônica Municipal, We Dance, Congado Quilombo dos Palmares, Casa It, Cia It, Atividança, Grupo de Dança Alex, Academia de Dança, apresentação de violino, Grupo Junino Forrozarte, Trio de Metais da Banda Municipal, Grupo de Capoeira Angola Malta Nagoa e Orquestra Sesc de Viola.

Já na quarta (19), o espaço recebe às 19h a Banda Municipal, Coletivo Semente de Fogo, Grupo de Folia de Reis, Berg Cia de Dança, Grupo Congado Moçambique de Belém, Cia de Dança Cigana Nana Gonzaga, Udi Jazz Big Band, apresentação de dança com Cláudia Nunes e UAI Q Dança, Quinteto do Samba e Samba de Vera.

 







 


Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »